PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Coutinho

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Coutinho: Por que a saída de Cuca pode ser uma boa notícia pro Galo

Conteúdo exclusivo para assinantes
Rodrigo Coutinho

Rodrigo Coutinho é jornalista e analista de desempenho. Acredita que é possível abordar o futebol de forma aprofundada e com linguagem acessível a todos.

Colunista do UOL

29/12/2021 04h00

Aconteceu de novo! Depois de conquistar a Copa do Brasil e o Brasileirão 2021 fazendo ótimos cinco meses finais de trabalho, Cuca pediu demissão alegando problemas particulares. Sem entrar no mérito da gravidade dos fatos de sua vida pessoal, isso já se repetiu em outros momentos. Mas, acredite! Considerando o histórico do treinador, há mais a se comemorar do que lamentar para os atleticanos.

Cuca é um dos principais treinadores brasileiros dos últimos dez anos. Venceu dois Brasileirões, uma Libertadores, foi campeão também na China e fez alguns bons trabalhos. Todos eles, porém, com uma característica. O ''tiro'' relativamente curto, sem estender a permanência nas equipes e construir algo mais sólido, sem deixar um legado histórico na sequência das temporadas.

O próprio treinador admitiu que não gosta de ficar muito tempo em um clube. É um direito que lhe consiste, mas como toda atitude gera uma reação, acaba ficando marcado pela situação descrita acima. Cuca parece entender que não há mais de onde tirar desempenho e evolução quando consegue alcançar certos objetivos.

Em todas as ocasiões que tentou emplacar a segunda temporada ou a sequência nos clubes em que trabalhou, o rendimento caiu. Foi assim no Palmeiras de 2017, pós-título brasileiro de 2016. No Shandong Luneng de 2015, pós-conquista da Copa da China em 2014. E no próprio Atlético Mineiro, em 2013. O Galo venceu a Libertadores em julho daquele ano, e depois não foi bem no Brasileirão e no Mundial, quando perdeu para o Raja Casablanca nas semifinais.

Aquele trabalho no Atlético, aliás, foi o mais longevo de sua carreira. O único em que dá pra se dizer que de fato construiu uma equipe e deu sequência, conseguiu fazê-la evoluir num médio ou longo prazo. Ficou de agosto de 2011 até dezembro de 2013. A reta final foi lamentável.

01 - Pedro Souza/Atlético-MG - Pedro Souza/Atlético-MG
Trabalho mais longo da carreira de Cuca teve dois anos e quatro meses. Desde 1998 é treinador
Imagem: Pedro Souza/Atlético-MG

Um dos motivos que pode explicar a característica é a dificuldade de relacionamento com alguns jogadores quando a rotina surge de forma mais extensa. Ao longo da carreira teve problemas com alguns atletas. Quando fica menos tempo nos clubes, consegue gerir bem o vestiário e até mesmo achar soluções dentro de cenários adversos.

É certamente o técnico brasileiro que melhor sabe lidar com questões negativas extra-campo. Salários atrasados, problemas pessoais de jogadores, má gestão administrativa dos clubes. Entende bem o caos do nosso futebol em curto prazo e consegue blindar o elenco muitas vezes, mas talvez isso gere mais estresse e Cuca se desgaste rapidamente. No Galo de hoje, este não é o problema. Havia tranquilidade para seguir.

O Atlético começou a ter resultados antes de desempenho em 2021. A partir de julho o trabalho engrenou e o clube conquistou merecidamente os dois títulos nacionais. Mas precisa de mais consistência a longo prazo. Talvez Cuca não conseguisse pelo histórico que carrega. Não é tão simples obter isso, mas o alvinegro tem dinheiro e um ''super-elenco''. Pode buscar boas opções no mercado de treinadores fora do Brasil. Não há motivo para desespero.