PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Coutinho

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Coutinho: Felipe Melo é um bom nome para o Fluminense

Conteúdo exclusivo para assinantes
Rodrigo Coutinho

Rodrigo Coutinho é jornalista e analista de desempenho. Acredita que é possível abordar o futebol de forma aprofundada e com linguagem acessível a todos.

Colunista do UOL

07/12/2021 04h00

O Fluminense está perto de anunciar Felipe Melo como primeiro reforço para a temporada 2022. Polêmico por natureza, o nome do volante despertou questionamentos e pequenos protestos por torcedores do clube nas redes sociais, mas muito pouco disso relacionado ao seu futebol. Se ficar longe das expulsões e debates acalorados com adversários e árbitros, como fez nos últimos meses de Palmeiras, o volante encaixa muito bem no Tricolor.

Sem entrar exatamente no mérito do valor do seu salário, que de fato estará entre os principais do elenco, o experiente jogador, mesmo aos 38 anos, ainda pode dar esse retorno. Basta avaliar o que fez em 2021 no Palmeiras. Foi titular durante grande parte da temporada e importante em momentos de definição numa exigência maior a que se tem no Tricolor hoje. O que pode ser um erro é o tempo de contrato. Se de fato for de dois anos, representa uma aposta arriscada para 2023.

01 - Fonte: Opta - Fonte: Opta
A temporada de Felipe Melo em números. Além do destaque nas partes táticas e técnicas, trará muita hierarquia ao elenco tricolor se for confirmado
Imagem: Fonte: Opta

Felipe é muito profissional quanto aos cuidados extracampo e a dedicação no dia a dia de treinamentos para prevenir lesões e estar em forma física. Tem limitações naturais da idade. Não pode atuar 90 minutos em partidas seguidas, mas dentro de um contexto tático que o favoreça, tem seu tempo de competitividade estendido.

Ainda não se sabe qual será o treinador do Fluminense em 2022. Se Marcão continuará ou outro profissional ocupará o seu lugar. Naquilo que foi o time no âmbito tático, o volante se enquadra perfeitamente como um dos zagueiros, ou à frente da linha de zaga, como o meio-campista mais recuado. No primeiro caso, se não for formada uma linha de cinco no momento defensivo, disputaria espaço com David Braz, já que Nino parece absoluto. No segundo caso, com André, um dos destaques da temporada.

02 - Rodrigo Coutinho - Rodrigo Coutinho
Felipe compondo uma linha de cinco na defesa, centralizado
Imagem: Rodrigo Coutinho

03 - Rodrigo Coutinho - Rodrigo Coutinho
Aqui fazendo uma ''saída de três entre os zagueiros. Movimento que pode fazer também atuando como volante
Imagem: Rodrigo Coutinho

Difícil imaginar que na realidade financeira do Fluminense, se gaste uma quantia considerável do orçamento para ter Felipe Melo como uma das opções no banco de reservas. Parece que a ideia é tê-lo no time base. E aí aproveitar o atleta como zagueiro talvez seja o mais indicado. Ele foi usado desta forma por Abel Ferreira e teve um desempenho melhor do que quando utilizado por Vanderlei Luxemburgo na função.

Para que Felipe funcione bem, e necessário que ele não tenha a obrigação de fazer perseguições longas aos adversários e que o time marque em bloco médio ou baixo, reduzindo o espaço para correr. Posicionado e próximo dos companheiros de setor, possui uma leitura acima da média das jogadas, contribuindo com interceptações, cortes, bloqueios e desarmes, por baixo ou por cima.

04 - Rodrigo Coutinho - Rodrigo Coutinho
Aqui como volante mais recuado num 4-1-4-1, esquema mais utilizado pelo Fluminense em 2021
Imagem: Rodrigo Coutinho

Com a posse, qualifica a saída de bola e encaixa passes longos, verticais, ou inversões de lado com muita precisão. ''Rompe linhas'' rivais com passes rasteiro e acrescenta muito no jogo aéreo defensivo e ofensivo. Se o Fluminense mantiver a postura mais reativa, voltada a contra-ataques, como fez na maioria das partidas nas últimas duas temporadas, Felipe pode somar bastante.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL