PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Coutinho

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Coutinho: Por mais 'Gustavos e Mikaeis' no Sport em 2022

Conteúdo exclusivo para assinantes
Rodrigo Coutinho

Rodrigo Coutinho é jornalista e analista de desempenho. Acredita que é possível abordar o futebol de forma aprofundada e com linguagem acessível a todos.

Colunista do UOL

02/12/2021 04h00

Agora está sacramentado! O Sport vai jogar a Série B na próxima temporada. Depois de dois anos na elite do futebol brasileiro, o Leão foi rebaixado pela terceira vez nas últimas 10 edições de Campeonato Brasileiro, o que demonstra muita irregularidade naquilo que deveria ser básico para a sua história: manter-se na Série A. Repensar o clube com um todo é necessário. E dois jovens da base rubro-negra mostraram ser parte relevante do caminho.

Dentro do período citado acima, o Sport chegou a ser o 6º colocado da Série A em 2015. Naquela ocasião, vivia uma era de maiores investimentos e nomes relevantes no elenco. E não ''refugos'', como apostou constantemente nas últimas duas temporadas. Tentativas com atletas que já viveram seus melhores momentos, mas só trouxeram prejuízo financeiro e institucional ao clube. Algo bem previsível se avaliado o histórico recente dos indivíduos.

Não à toa, depois do desenvolvimento do trabalho do técnico Gustavo Florentin, que deu um desempenho melhor ao time, dois atletas formados no Leão começaram a se destacar. Gustavo e Mikael conseguiram ter sequência e se encaixaram dentro da metodologia de jogo do paraguaio. Estiveram o tempo inteiro no elenco, mas não receberam chances da mesma forma que tiveram na sequência.

A fórmula não é a ''invenção da roda''. Mesclar jovens de valor com peças experientes é receita de sucesso desde sempre no futebol, mas desde que os atletas mais velhos realmente agreguem técnica, tática e, principalmente, para o ambiente do clube, algo que não aconteceu de forma ampla com as principais figuras do elenco rubro-negro em 2021.

Isso influencia demais na parte financeira de uma instituição já combalida nesse aspecto. O valor gasto e que ainda será pago pelo Sport com Thiago Neves e André, por exemplo, é infinitamente maior ao montante destinado a Gustavo e Mikael. E o retorno? O custo-benefício? Certamente os garotos dão uma goleada!

01 - Paulo Paiva/AGIF - Paulo Paiva/AGIF
Mikael tem média de gols 0,42 em 2021, contra 0,12 de André. Gustavo deu mais assistências para gols do que Thiago Neves.
Imagem: Paulo Paiva/AGIF

No ótimo time de 2015 havia tal mescla. Renê, Rithely, Neto Moura e Joelinton eram os jovens mais importantes daquele elenco. Dois deles renderam um bom dinheiro ao Sport e deram retorno técnico antes de deixarem o clube. Há no Rubro-Negro uma extensa tradição de formar ótimos jogadores, e eles participarem de boas campanhas antes de saírem.

Com três anos de diferença, os maranhenses Gustavo e Mikael também possuem características distintas dentro de campo. Enquanto o meia de 19 anos, em sua segunda temporada profissional no Leão, é um jogador de velocidade na condução da bola, habilidade e visão de jogo para deixar os companheiros em condições de marcar. O centroavante, que tem 22 anos, faz o estilo ''rompedor''. Se impõe na força, presença de área e na sua potente perna esquerda.

O Sport já tem o ''arco e a flecha'' para começar a montagem do time de 2022. A permanência de Florentin é uma bela notícia e precisa vir acompanhada de um planejamento minimamente profissional, algo que faltou ao clube. Isso inclui pagar salários condizentes com as receitas, melhorar a estrutura interna, e reforçar o elenco sem apostar em ex-jogadores em atividade.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL