PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Coutinho

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Coutinho: Exemplo do Coxa pode ajudar o Sport a se reerguer em 2022

Conteúdo exclusivo para assinantes
Rodrigo Coutinho

Rodrigo Coutinho é jornalista e analista de desempenho. Acredita que é possível abordar o futebol de forma aprofundada e com linguagem acessível a todos.

Colunista do UOL

25/10/2021 04h00

A recente sequência de três vitórias no Brasileirão deu esperanças de salvação ao Sport. De virtual rebaixado, passou a integrar o bloco de equipes que brigam efetivamente pela permanência. É difícil, porém, acreditar que o Leão terá de cinco a seis vitórias nos 11 jogos restantes para alcançar a projeção mínima de pontuação necessária. Começar a planejar 2022 com a possibilidade de disputar a Série B é salutar. E ter sucesso na próxima temporada pode passar pela permanência de Gustavo Florentin.

A equipe melhorou desde que o técnico paraguaio assumiu o comando. Venceu Corinthians, Juventude e Grêmio, empatou com Santos e Athlético, mas perdeu para Internacional, Atlético Mineiro, Fortaleza e Cuiabá. Mesmo se tornando um time mais competitivo, o desempenho ainda não leva a crer numa salvação. Pudera. É início de trabalho, menos de dois meses num caos administrativo muitas vezes difícil de acreditar. Mas Florentin teve percepções que Jair Ventura e Umberto Louzer não tiveram nesta temporada.

01 - Reprodução - Reprodução
Gustavo Morínigo, técnico do Coritiba
Imagem: Reprodução

Um bom modelo a ser seguido pelo Sport é o Coritiba de 2020. O clube paranaense contratou o também paraguaio Gustavo Morinigo para ser o treinador nas últimas seis rodadas da última edição do Brasileirão. Não conseguiu se livrar do rebaixamento e manteve o profissional, que já tinha acordo assinado até o final de 2021 com o Coxa.

Além de manter Morinigo depois da queda, a diretoria do Coritiba suportou a péssima campanha feita no Campeonato Paranaense deste ano. Depois de 33 anos o clube não se classificou para a fase final do Estadual. Mesmo assim iniciou a Série B com o mesmo trabalho e hoje lidera a competição.

Dificilmente não estará na Série A em 2022. Faltando sete rodadas para o fim do campeonato, tem sete pontos de vantagem para o primeiro clube fora do G4. Possui a melhor defesa da Série B ao lado do Goiás, e o vice-artilheiro, o centroavante Léo Gamalho.

O equilíbrio citado acima nas tomadas de decisão do Coxa em 2021 é o que o Sport precisará ter em 2022. Seja qual for o destino do clube. Mesmo se ficar na Série A, não dá para iniciar mais uma temporada devendo salários e sem ter um projeto esportivo condizente com a realidade financeira do clube.

Florentin, caso fique, já que seu contrato vai até o final de 2021 e a renovação está condicionada diretamente a uma salvação, vai precisar de tranquilidade para iniciar um projeto do zero. O que faz atualmente é apenas uma correção de rota. Ela já gerou bons frutos, é verdade, como a efetivação de Gustavo como titular, a recuperação de Ewerthon na lateral-direita, e mais liberdade para Zé Welison chegar ao ataque.

02 - Rafael Vieira/AGIF - Rafael Vieira/AGIF
Jogadores do Sport comemoram o gol de Paulinho Moccelin sobre o Corinthians na Arena Pernambuco
Imagem: Rafael Vieira/AGIF

Pensar o Sport novamente mais forte nacionalmente passa por algo além disso. Começar oferecendo um contrato de renovação a Florentin e projetar 2022, seja na Série A ou na Série B, parece urgente. Seria um ponto muito importante para que ao menos na formação do elenco já se tenha noção do que é necessário fazer.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL