PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Coutinho

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Coutinho: Castilho e Vitor Mendes podem elevar custo-benefício do Galo

Conteúdo exclusivo para assinantes
Rodrigo Coutinho

Rodrigo Coutinho é jornalista e analista de desempenho. Acredita que é possível abordar o futebol de forma aprofundada e com linguagem acessível a todos.

Colunista do UOL

25/09/2021 04h00

O desempenho de dois destaques do Juventude nesta Série A do Brasileirão certamente interessa muito ao Atlético Mineiro. Vitor Mendes e Guilherme Castilho estão emprestados ao clube de Caxias do Sul até o final do ano, e possuem contrato com o Galo até dezembro de 2024. Ganharam minutos, evoluíram, e certamente podem melhorar o custo-benefício do estrelado elenco mineiro.

Obviamente, é difícil imaginar que voltariam ao clube com o status de titular. Disputariam espaço no elenco, mas hoje há jogadores nesta condição com o salário bem mais alto, e sem apresentar a mesma eficiência da dupla no time gaúcho. Totalmente adaptados ao estilo da equipe dirigida por Marquinhos Santos, possuem características que encaixam bem naquilo que Cuca pensa para as respectivas posições.

Vitor Mendes

01 - Fonte: Opta - Fonte: Opta
Os números de Vitor Mendes em 2021
Imagem: Fonte: Opta

Chegou ao Atlético na categoria Sub-20 depois de passagens pelas bases do Santos e da Inter de Limeira. Jogou a Copa São Paulo de 2018 como titular no Peixe e se mudou para Belo Horizonte em meados daquela temporada. Em 2019, novamente esteve em campo na principal competição da categoria e ficou no banco em 12 jogos da equipe profissional atleticana. Não foi a campo em nenhum deles.

Acabou emprestado para o Guarani em 2020, quando ''estourou'' idade para a base, mas não conseguiu oportunidades no Bugre. Foi ganhar chance no Boa Esporte, na Série C, mas teve sequência mesmo no Figueirense, onde jogou todo o 2º turno da Série B como titular. Mesmo com o rebaixamento do clube de Santa Catarina, chamou a atenção do Juventude.

Se tornou titular da defesa jaconeira desde o terceiro jogo em que esteve entre os relacionados. É um zagueiro rápido e de boa capacidade técnica para sair jogando. Faz bem algumas perseguições fora de seu setor e tem desempenho mediano no jogo aéreo. Atua preferencialmente pelo lado direito da defesa.

É firme nos combates e duelos individuais, mas pode melhorar no tempo de reação de algumas jogadas. Por vezes acaba se afobando, dando botes antes do momento certo ou abrindo lacunas em seu posicionamento. Fatores naturais para um zagueiro de sua idade e apenas dois anos como profissional. Para uma primeira Série A, o desempenho é muito satisfatório. Ainda tem boa margem de crescimento.

Guilherme Castilho

02 - Fonte: Opta - Fonte: Opta
Os números de Guilherme Castilho em 2021
Imagem: Fonte: Opta

Uma das gratas revelações deste campeonato jogando no meio-campo. Pode atuar em funções diferentes. Jogou como ''segundo volante'', lateral-direito, meia central por trás do centroavante, mas também já partiu de um dos lados do gramado para ser um elemento surpresa na articulação das jogadas. Chama a atenção a entrega e a personalidade que demonstra.

Castilho consegue aliar técnica e intensidade. É um jogador de bom passe curto e longo, visão de jogo e capacidade de acelerar a circulação da bola. Ele se mexe constantemente para receber e finaliza bem de média distância. Dá qualidade nas bolas paradas. Seja escanteios, faltas diretas ou laterais. Se entrega na marcação, mas pode melhorar o posicionamento defensivo, bem como ganhar mais força física para jogos ''enrascados'' no meio-campo.

Reserva só em quatro dos 31 jogos em que foi relacionado por Marquinhos Santos no Juventude, o meia chegou a Caxias do Sul com mais status em comparação a Vitor Mendes. Tinha feito uma ótima Série B pelo Confiança em 2020. Começou no clube nordestino na 13ª rodada e foi titular em todas as partidas em que esteve disponível. Fez um gol e deu quatro assistências na competição.

Antes havia ficado no banco em quatro jogos pelo Atlético Mineiro na temporada 2020, e outros dois em 2019, mas não foi utilizado em nenhum. Guilherme chegou a Belo Horizonte depois da Copa São Paulo de 2019, quando se destacou pelo Mirassol. No clube do interior paulista de profissionalizou com apenas 18 anos.

Emprestar pode ser a solução

Os casos de Guilherme Castilho e Vitor Mendes, além de muitos outros no Brasil, são exemplos bem-sucedidos de empréstimos eficazes para todas as partes. O Galo deu minutos a jogadores que não utilizaria com frequência em virtude do nível de seu elenco e os viu crescer com a sequência de jogos em um clube organizado como vem sendo o Juventude. Poderá tê-los de volta em 2022, e o time de Caxias do Sul ganhou tecnicamente com isso, além de se postular a receber novos atletas de outras equipes.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL