PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Coutinho

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Coutinho: As dez maiores surpresas do 1º turno do Brasileirão

Conteúdo exclusivo para assinantes
Rodrigo Coutinho

Rodrigo Coutinho é jornalista e analista de desempenho. Acredita que é possível abordar o futebol de forma aprofundada e com linguagem acessível a todos.

Colunista do UOL

06/09/2021 04h00

Mesmo que alguns jogos atrasados impeçam de dizer que o 1º turno do Brasileirão 2021 está de fato encerrado, chegamos a basicamente metade da maior competição do Brasil com alguns fatos surpreendentes. Aqueles que, antes da competição começar, quase ninguém imaginaria como cenário atual. Listei dez entre clubes e jogadores, não necessariamente na ordem. Confira!

Fortaleza

01 - Ettore Chiereguini/AGIF - Ettore Chiereguini/AGIF
Jogadores do Fortaleza comemoram gol diante do Palmeiras, pelo Brasileirão
Imagem: Ettore Chiereguini/AGIF

Juan Pablo Vojvoda levou o modesto Union La Calera do Chile para a Libertadores da América e chegou ao Brasil com boas expectativas ao ser contratado pelo Fortaleza, mas fez o Leão superar todas elas desde que assumiu em março. Antes da chegada do argentino, o time cearense oscilava, e parecia que entraria em mais um Brasileirão para ser coadjuvante. Hoje está no G4 da Série A. Joga um futebol de ótimo nível com elenco modesto e é candidato a uma das vagas diretas na Libertadores. Venceu Palmeiras e Atlético Mineiro fora de casa.

Grêmio

02 - Pedro H. Tesch/AGIF - Pedro H. Tesch/AGIF
O técnico Felipão durante Grêmio x Corinthians pelo Brasileirão
Imagem: Pedro H. Tesch/AGIF

Mesmo que o desempenho não fosse exatamente confiável, o Grêmio iniciou o Brasileirão como campeão gaúcho e classificado para as oitavas de final da Copa Sul-Americana. Poderia não disputar o título nacional, mas era um dos candidatos a brigar por vaga na Libertadores. Tiago Nunes estava invicto em seu início de trabalho no Imortal, mas a equipe caiu muito de produção. Ele acabou demitido. Felipão foi contratado, mas ainda não fez o Tricolor sair da zona de rebaixamento. Deve lutar para não cair até o fim da competição.

Fernando Miguel

03 - Reprodução / Internet - Reprodução / Internet
Fernando Miguel, do Atlético-GO
Imagem: Reprodução / Internet

É um dos melhores goleiros do Brasileirão até o momento. Disputou algumas Séries A nos últimos anos e jamais alcançou essa regularidade em ótimo nível. Não comprometeu em nenhuma partida do Atlético Goianiense até aqui e levou poucos gols. Foi decisivo em alguns momentos, como na estreia diante do Corinthians. Ainda pertence ao Vasco, onde era muito questionado, mas supera todas as expectativas nesta temporada. É o 2º arqueiro da Série A a fazer mais defesas utilizando a velocidade de reação, 59% são desta forma. Só atrás de Jaílson.

Marcinho

04 - Robson Mafra/AGIF - Robson Mafra/AGIF
Helinho e Marcinho disputam a bola durante Athletico-PR x Bragantino, pela 11ª rodada do Brasileirão
Imagem: Robson Mafra/AGIF

Surgiu bem no Botafogo em 2018, mas caiu de produção na sequência e passou a ser muito questionado no clube. No final de 2020 atropelou um casal no Rio de Janeiro e responde a processo por homicídio culposo. Mesmo assim o Athletico resolveu apostar em sua recuperação, e não deve estar arrependido. O lateral parece ter deixado o momento difícil de lado e dentro de campo tem dado boas respostas. Faz um Brasileirão seguro na defesa e produtivo no ataque. Já deu três assistências na competição.

Marcelo Benevenuto

05 - LUCA ERBES/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO - LUCA ERBES/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
Benevenuto comemora com Lucas Crispim gol marcado pelo Fortaleza
Imagem: LUCA ERBES/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Outro jogador revelado pelo Botafogo e que fez uma temporada para esquecer em 2020. Foi um dos personagens de mais um rebaixamento na história do clube, estava sem clima no Glorioso, e foi emprestado ao Fortaleza. No Leão do Pici, recuperou o bom desempenho dos primeiros jogos como profissional do clube carioca, e esbanja vitalidade e segurança no miolo de zaga tricolor. Forma uma trinca entrosada com Tinga e Titi. Fez dois belos gols de cabeça na competição e está entre os dez jogadores que mais vencem duelos aéreos na Série A.

Lucas Crispim

06 - Pedro Chaves/AGIF - Pedro Chaves/AGIF
Lucas Crispim comemora gol do Fortaleza contra o Santos pelo Brasileirão
Imagem: Pedro Chaves/AGIF

Escrevi recentemente e de forma mais detalhada sobre ele, mas podemos resumir da seguinte forma. Lucas Crispim era um meia-atacante de pouco destaque no futebol nacional. Buscava o seu espaço na Série B até fazer um bom campeonato com o Guarani no ano passado e ser contratado para integrar o elenco do Fortaleza. Com Vojvoda, passou a jogar como ala-esquerdo e foi o melhor jogador da função no 1º turno. Técnico, confiante, e com liberdade de movimentação. Fez um gol e deu cinco assistências no Brasileirão.

Éderson

08 - Pedro Chaves/AGIF - Pedro Chaves/AGIF
Ederson, do Fortaleza, tenta passar pela marcação no duelo com o Sport, na Arena Castelão, pelo Brasileiro
Imagem: Pedro Chaves/AGIF

O terceiro jogador do Fortaleza da lista é mais um potencializado pela organização do time de Vojvoda. Éderson foi uma decepção no Corinthians em 2020. Depois de um bom início, caiu de produção e acabou emprestado ao Leão para a atual temporada. É um dos melhores volantes do Brasileirão 2021 até o momento. Melhorou sua capacidade de construção e mostra-se mais concentrado e intenso no momento defensivo. Segue infiltrando na área e finalizando de média distância. Fez um gol e deu duas assistências no 1º turno.

Clayson

09 - Divulgação/Asscom Dourado - Divulgação/Asscom Dourado
Clayson durante o empate contra o Ceará
Imagem: Divulgação/Asscom Dourado

Emprestado pelo Bahia ao Cuiabá, Clayson é um dos principais jogadores do Dourado. Em muitos momentos foi o atleta com maior capacidade de desequilíbrio do time na Série A, algo que nunca demonstrou com regularidade no próprio clube de Salvador ou no Corinthians. Partindo do lado esquerdo, é o cara dos contra-ataques cuiabanos. Dribla em velocidade e serve os companheiros, além de finalizar também. Participou diretamente de 30% dos gols da equipe até o momento. Está entre os dez atletas que mais acertam dribles na Série A.

Caio Paulista

07 - Pedro Chaves/AGIF - Pedro Chaves/AGIF
Caio Paulista supera marcação do jogador do Fortaleza em jogo do Fluminense
Imagem: Pedro Chaves/AGIF

Não é coincidência que o Fluminense tenha caído de produção após a lesão de Caio Paulista. Mesmo com só oito jogos no 1º turno do campeonato, o ponta foi influente para o Tricolor. Dentro da proposta de jogo mais baseada em contra-ataques, tem força e velocidade para descer o campo marcando o lateral-esquerdo adversário e arrancar nas transições pela ponta-direita. Fez dois gols. Melhorou a terminação das jogadas, cresceu tecnicamente, e parecia outro jogador até se lesionar. O Fluminense tenta adquiri-lo em definitivo.

Paulinho Bóia

10 - Fernando Alves/EC Juventude - Fernando Alves/EC Juventude
Paulinho Boia durante o empate contra o Fortaleza
Imagem: Fernando Alves/EC Juventude

O atacante de 23 anos foi um dos destaques da base do São Paulo entre 2015 e 2017, mas depois que subiu aos profissionais não conseguiu ter sequência. É o seu terceiro empréstimo. Antes jogou no São Bento e no Portimonense, mas no Juventude se firmou. Seja pelo lado direito ou mais frequentemente no lado esquerdo, mostra velocidade e agressividade, sempre buscando a área. Se aproximou mais do protagonismo no clube jaconeiro após a saída de Matheus Peixoto. Está entre os 20 jogadores que mais driblam na Série A.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL