PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Coutinho

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Coutinho: Vini Jr sacrificado e Gabigol na função certa contra o Chile

Conteúdo exclusivo para assinantes
Rodrigo Coutinho

Rodrigo Coutinho é jornalista e analista de desempenho. Acredita que é possível abordar o futebol de forma aprofundada e com linguagem acessível a todos.

Colunista do UOL

03/09/2021 00h04

O Brasil sofreu, mas conquistou mais uma vitória nas Eliminatórias para o Mundial de 2022. Manteve a liderança isolada na chave Sul-Americana ao bater o Chile por 1x0 e segue com a situação muito tranquila. O desempenho, porém, não foi bom mais uma vez. É preciso dar um desconto pelos muitos desfalques desta conturbada ''Data Fifa'', mas a tentativa de Tite gerou muita insegurança ao time e sacrificou Vinícius Jr. De positivo, a melhora com as entradas de Everton Ribeiro e Gérson, e o fato de Gabigol ter jogado exatamente na função que mais atuou no Flamengo desde que chegou ao clube.

Bruno Guimarães ao lado de Casemiro no meio-campo. Paquetá um pouco mais a frente, por trás de Neymar e Gabigol. Vinícius Junior fixo na esquerda, basicamente como um ala, fechando a linha de cinco na defesa, e Alex Sandro praticamente como um zagueiro. Foi desta forma que Tite buscou driblar os desfalques. Mas não deu certo! O time não deu uma resposta positiva e foi dominado pelo Chile no 1º tempo. A equipe da casa entrou em campo, a exemplo do que já havia feito contra o Brasil na Copa América, com uma linha de cinco na defesa. Ivan Morales formou ao lado de Vargas no ataque.

01 - Rodrigo Coutinho - Rodrigo Coutinho
Disposição tática inicial das equipes
Imagem: Rodrigo Coutinho

A diferença entre as equipes esteve no hábito e na atitude. Os chilenos fizeram partidas desta forma recentemente. Não tiveram o seu funcionamento tão afetado. Pulgar, Vidal e Aranguiz tomaram conta do meio-campo. Circularam a bola com velocidade, se mexeram com inteligência, e contaram com os apoios constantes de Isla e Mena bem abertos. Vargas e Ivan Morales, imprimiram uma movimentação eficaz como dupla de ataque, mas a linha de defesa do Brasil impediu que mais chances claras fossem criadas.

Mesmo assim, Vidal duas vezes, e Vargas, obrigaram Weverton a fazer defesas salvadoras antes do intervalo. O jogo era controlado pelo Chile, e o Brasil dependia de lampejos individuais em contra-ataques. Gabigol fez bela jogada e deixou Neymar na cara de Bravo aos 26', mas o camisa 10 isolou. Vinícius Junior fez o mesmo 15 minutos depois e serviu Casemiro, que chutou para a defesa do goleiro adversário. Tite ainda trocou Paquetá e Vinícius de função na reta final da 1ª etapa, mas nada mudou no cenário da partida.

02 - Reprodução da TV - Reprodução da TV
Vinícius Junior bem recuado montando uma linha de cinco no momento defensivo
Imagem: Reprodução da TV
03 - Reprodução da TV - Reprodução da TV
E depois Paquetá fazendo a função de ''ala-esquerdo'', inicialmente cumprida por Vinícius Jr
Imagem: Reprodução da TV

Sem a bola, os chilenos marcaram forte e impediram que o Brasil ficasse com a posse. A Seleção, por sua vez, não se mexeu devidamente para gerar as linhas de passe e pareceu insegura para subir o bloco de marcação. Neymar esteve muito abaixo no 1º tempo. Desconexo do jogo. Tite voltou do intervalo com duas mexidas. Everton Ribeiro e Gérson substituíram Vinícius Junior e Bruno Guimarães.

Paquetá seguiu pela esquerda, Everton Ribeiro entrou por trás da dupla de ataque, e Gerson ao lado de Bruno Guimarães. O Chile seguiu controlando o jogo até os 20 minutos, quando começou a sentir o desgaste físico e o Brasil passou a se impor. Com Everton Ribeiro e Gerson auxiliando mais na circulação em comparação a Bruno Guimarães e Vinícius Junior, os espaços começaram a aparecer e as movimentações foram se encaixando.

04 - Rodrigo Coutinho - Rodrigo Coutinho
Como os times voltaram para o 2º tempo
Imagem: Rodrigo Coutinho

Não demorou para o Brasil se aproveitar da situação. Everton Ribeiro aproveitou boa trama pela direita envolvendo Danilo, Gabigol e Neymar, que invadiu a área e foi desarmado, o meia do Flamengo bateu pro gol e marcou. Na sequência, a Seleção controlou o jogo da forma que sabe fazer. Tirou a velocidade trocando alguns passes e seguiu com a área muito bem protegida. Alex Sandro, Militão e Marquinhos estiveram basicamente impecáveis.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL