PUBLICIDADE
Topo

Rodrigo Coutinho

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Com nove meses de Palmeiras, Abel parece ter menos a reclamar agora

Conteúdo exclusivo para assinantes
Rodrigo Coutinho

Rodrigo Coutinho é jornalista e analista de desempenho. Acredita que é possível abordar o futebol de forma aprofundada e com linguagem acessível a todos.

Colunista do UOL

05/08/2021 04h00

O técnico Abel Ferreira completa hoje nove meses de Palmeiras desde a sua estreia, no dia 5 de novembro de 2020, a vitória por 1x0 sobre o Red Bull Bragantino, pelas oitavas de final da Copa do Brasil. De lá pra cá são 79 jogos com 45 vitórias, um ótimo aproveitamento de pontos de 64%. Além da proposta assimilada pelos jogadores, o treinador terá agora um nível técnico ainda mais alto em seu elenco.

Há pouco mais de um mês, depois da derrota para o mesmo Bragantino pelo Brasileirão, Abel Ferreira não poupou palavras para pedir reforços aos dirigentes alviverdes. As críticas acima do tom foram reconhecidas pelo próprio técnico num segundo momento, mas o fato é que recentemente o plantel palestrino teve acréscimos importantes, o que de certa forma deve aumentar também a cobrança sobre o comandante.

A curva de definição da temporada do futebol brasileiro se aproxima. Já eliminado pelo modesto CRB na Copa do Brasil, o Palmeiras tem as quartas de final da Libertadores pela frente e a defesa da liderança do Brasileirão. Um tenso confronto com o rival São Paulo na competição internacional, e Flamengo e Galo crescendo no retrovisor em âmbito nacional, são os desafios do momento.

O favoritismo nos dois lados se soma a maratona de jogos que virá e forma um cenário decisivo nas próximas semanas. O time responderá positivamente após os pedidos de Abel terem sido atendidos? Mesmo sem realizar contratações milionárias e trazer atletas em alta no futebol internacional, as chegadas pontuais no Palmeiras colocam o time ainda mais em evidência.

A começar por Dudu. Craque do futebol nacional em diversas temporadas nos últimos anos, o atacante reestreou no último dia 10 de julho, contra o Santos, e fez cinco partidas desde então, apenas uma como titular. Teve um pequeno incômodo no pé esquerdo, mas já treina normalmente e é o atleta com maior potencial para desequilibrar no elenco. Encaixá-lo na equipe é necessário num momento de definição.

01 - Cesar Greco - Cesar Greco
Jorge chega ao Palmeiras e conversa com o técnico Abel Ferreira
Imagem: Cesar Greco

Se perdeu o ótimo Matias Viña na lateral, Abel conta agora com Jorge, ex-Flamengo e Mônaco, e Piquerez, ex-Peñarol, como opções para a lateral-esquerda. Ambos sobem o patamar em relação a Victor Luís, e possuem características que podem ser utilizadas em diferentes momentos.

Jorge é menos explosivo, mas tem qualidade acima da média no passe e na finalização, drible curto e bom desempenho no jogo aéreo. Já Piquerez traz força na marcação, potencial físico e presença constante no campo de ataque pelo corredor esquerdo, além de bons passes e corretas decisões perto da área.

Ambos precisam se adaptar e entrar em forma, o que pode ser um problema a curto prazo, mas chegam em um coletivo bem-organizado, o que sempre facilita. A situação ainda melhora com os retornos de Rony e Luiz Adriano do departamento médico, a sequência de Deyverson no ataque, Gabriel Veron novamente como opção, e Gabriel Menino perto de retornar da seleção olímpica.

O próprio Abel elevou o nível de duas peças questionadas pelos torcedores recentemente. Felipe Melo vem jogando melhor e dando segurança como zagueiro. E Zé Rafael parece talhado a atuar como volante sob o comando do português.

O elenco do Palmeiras é excelente em comparação a grande maioria dos clubes sul-americanos. Abel, neste momento, parece não ter tantos motivos para reclamar. Alcançar os objetivos neste momento da temporada parece muito mais viável do que foi há pouco tempo, e de preferência com mais aptidão ofensiva, como o próprio treinador já mostrou ser capaz de fazer.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL