PUBLICIDADE
Topo

Rodolfo Rodrigues

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Rodolfo Rodrigues: Atlético-MG tem a maior média de público do Brasileirão

Torcida do Atlético-MG lotou o Mineirão para jogo contra o Bragantino - Pedro Souza/Atlético
Torcida do Atlético-MG lotou o Mineirão para jogo contra o Bragantino Imagem: Pedro Souza/Atlético
Conteúdo exclusivo para assinantes
Rodolfo Rodrigues

Rodolfo Rodrigues é apaixonado por números e estatísticas no futebol. Foi repórter do Lance!, editor da Placar e do prêmio Bola de Prata ESPN e é autor de dez livros sobre futebol.

Colunista do UOL

07/12/2021 13h38

Campeão brasileiro depois de 50 anos, o Atlético-MG vai terminar o campeonato como o líder de público com a média de 42.300 torcedores por jogo. Na era dos pontos corridos, essa foi a primeira vez que o Galo fechou uma edição como o clube com a maior média.

Dono dos seis maiores públicos da competição, o Atlético-MG foi embalado pela sua torcida no segundo turno no Mineirão, onde acabou atingindo a sequëncia inédita de 16 vitórias seguidas como mandante na história dos pontos corridos.

Maiores públicos do Brasileirão 2021:
61.573 - Atlético-MG 4x3 Bragantino (37ª rodada)
61.476 - Atlético-MG 2x0 Juventude (34ªrodada)
60.142 - Atlético-MG 1x0 América-MG (30ª rodada)

59.846 - Atlético-MG 2x1 Fluminense (36ª rodada)
58.714 - Atlético-MG 2x0 Corinthians (31ª rodada)
56.624 - Atlético-MG 2x1 Grêmio (19ª rodada)

Até a 37ª rodada, o Galo lidera a média de público com 42.300 torcedores, que é terceira maior média na história dos pontos corridos. Como não poderá ser mais ultrapassado, o Atlético-MG ficou atrás apenas das médias do Flamengo de 2018 e 2019 e superou a sua de 2009 (39.214).

Maiores médias de público do Brasileirão na era dos pontos corridos (2003-2021):
59.285 - Flamengo (2019)
51.224 - Flamengo (2018)
[42.300] - Atlético-MG (2021)
41.553 - Flamengo (2009)
40.694 - Flamengo (2008)
40.007 - Corinthians (2017)
39.221 - Flamengo (2007)
39.214 - Atlético-MG (2009)

Depois do Galo, o Corinthians aparece até aqui com a segunda maior média, seguido por São Paulo e Flamengo. O Fortaleza, que hoje está na 8ª posição, deverá subir um pouco depois da 38ª rodada, já que deverá ter casa cheia no Castelão contra o Bahia — havia vendido 33 mil ingressos até o início desta terça (7).

Maiores médias de público do Brasileirão 2021 até a 37ª rodada:
42300 - Atlético-MG

32793 - Corinthians
28239 - São Paulo
25662 - Flamengo
18824 - Ceará
18541 - Bahia
17640 - Palmeiras
15648 - Fortaleza
14180 - Internacional
10192 - Cuiabá
9856 - Grêmio
9624 - Athletico-PR
9424 - Santos
8597 - Fluminense
5185 - Juventude
4989 - Sport
4388 - Atlético-GO
2268 - Bragantino
1798 - América-MG
1630 - Chapecoense

De quebra, o Atlético-MG bateu ainda nesse campeonato o recorde de renda em uma única partida. Aliás, duas vezes.

Maiores rendas no Brasileirão na era dos pontos corridos (2003-2021):
R$ 8.818.854 (Atlético-MG 4x3 Bragantino) 2021
R$ 7.145.226 (Atlético-MG 2x1 Fluminense) 2021
R$ 6.948.710 (Santos 0x0 Flamengo) 2013
R$ 5.377.084 (Flamengo 4x1 Ceará) 2019
R$ 5.285.443 (Vasco 1x4 Flamengo)2019

Na história do Brasileirão, desde 1971, essa é a 10ª vez que o Atlético-MG termina uma edição com a melhor média de público. Apenas o Flamengo (14), foi mais vezes.

Maiores médias de público em uma única edição do Brasileirão (1971-2021):
1971 - Atlético-MG (33 359)
1972 - Corinthians (39 352)
1973 - Flamengo (33 660)
1974 - Vasco (36 619)
1975 - Internacional (51 962)
1976 - Corinthians (47 729)
1977 - Atlético-MG (55 664)
1978 - Bahia (31 472)
1979 - Internacional (28 760)
1980 - Flamengo (66 507)
1981 - Flamengo (43 614)
1982 - Flamengo (62 436)
1983 - Flamengo (59 332)
1984 - Flamengo (38 543)
1985 - Bahia (41 497)
1986 - Bahia (46 291)
1987 - Flamengo (47 610)
1988 - Bahia (35 537)
1989 - Flamengo (21 300)
1990 - Atlético-MG (26 748)
1991 - Atlético-MG (26 763)
1992 - Flamengo (42 922)
1993 - Corinthians (37 330)
1994 - Atlético-MG (22 673)
1995 - Atlético-MG (21 072)
1996 - Atlético-MG (25 449)
1997 - Bahia (27 431)
1998 - Cruzeiro (28 384)
1999 - Atlético-MG (42 322)
2000 - Bahia (27 239)
2001 - Atlético-MG (30 679)
2002 - Fluminense (24 535)
2003 - Cruzeiro (26 366)
2004 - Corinthians (13 547)
2005 - Corinthians (27 330)
2006 - Grêmio (25 632)
2007 - Flamengo (39 221)
2008 - Flamengo (40 694)
2009 - Flamengo (41 533)
2010 - Corinthians (27 542)
2011 - Corinthians (29 397)
2012 - Corinthians (25 222)
2013 - Cruzeiro (28 888)
2014 - Cruzeiro (29 678)
2015 - Corinthians (34 188)
2016 - Palmeiras (32 682)
2017 - Corinthians (40 007)
2018 - Flamengo (51 224)
2019 - Flamengo (59 285)
2020 - sem público
2021 - Atlético-MG (42 300)

Você pode me encontrar também no twitter (@rodolfo1975) ou no Instagram (futebol_em_numeros)

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL