PUBLICIDADE
Topo

Rodolfo Rodrigues

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Esqueça assédio ou pandemia: briga dos jogadores da seleção é por férias

Neymar durante treino da seleção brasileira - Lucas Figueiredo/CBF
Neymar durante treino da seleção brasileira Imagem: Lucas Figueiredo/CBF
Rodolfo Rodrigues

Rodolfo Rodrigues é apaixonado por números e estatísticas no futebol. Foi repórter do Lance!, editor da Placar e do prêmio Bola de Prata ESPN e é autor de dez livros sobre futebol.

Colunista do UOL

08/06/2021 10h48

Fomos iludidos. Quem imaginou que os jogadores da seleção brasileira estariam se posicionando contra a realização da Copa América no Brasil por causa da grave crise da pandemia do coronavírus foi enganado. Quem também achou que a briga do grupo de Tite era contra o presidente da CBF, Rogério Caboclo, que se aliou ao presidente Jair Bolsonaro, por trazer a competição de última hora para o país, também se enganou. Ou ainda quem ainda pensou que os jogadores falaram em boicote após o caso de assédio sexual de Caboclo, também caiu do cavalo.

O tal 'posicionamento' foi sempre pelo interesse próprio dos jogadores, que queriam férias nesses meses de junho e julho, após o fim da temporada europeia 2020/21. Casemiro deu entrevista depois da vitória sobre o Equador dizendo que 'todos sabem do nosso posicionamento', mas em momento algum deixou claro que a insatisfação era contra a realização da Copa América no Brasil.

Todos sabemos que esse grupo de jogadores é o mais alienado na história do futebol, como bem disse Casagrande em seu blog no Globoesporte recentemente. Com exceção de Richarlison, o único que se manifesta em prol das minorias e contra as atrocidades do Governo Federal, os demais pensam apenas em mostrar para todos o incrível mundo de luxo em que vivem.

Neymar, nosso principal jogador, sequer consegue enxergar o que se passa no Brasil. Já fez diversos posts ao lado dos parças, sem máscara, e nem aí para a pandemia. Já vacinado, quer mais é aproveitar o longo recesso no calendário europeu, que parou completamente para a disputa da Euro 2020.

Não é de hoje que jogadores da seleção querem boicotar a Copa América. Em 2004, Parreira levou um time B para a edição disputada no Peru. Em 2007, na Venezuela, os dois principais jogadores abriram mão do torneio para 'curtir' férias: Ronaldinho Gaúcho e Kaká. No caso de Ronaldinho, a falta de compromisso com o técnico Dunga pesou na sua ausência para a Copa do Mundo de 2010.

Já que o futebol não parou para a disputa das Eliminatórias, da Libertadores (que recebe times da América do Sul toda semana aqui), ou do Brasileirão, qual o motivo dos jogadores boicotarem a Copa América? Por que os jogadores que chegam da Europa alegam cansaço ao final da temporada sempre antes da Copa América? Por que quando é Copa do Mundo ninguém vem cansado?

Tomar uma posição política, boicotar a Copa América e peitar CBF, Conmebol e Governo Federal seria histórico. Mas muito improvável vindo desse grupo de jogadores, marcado por choro cai-cai dentro de campo.

Você pode me encontrar também no twitter (@rodolfo1975) ou no Instagram (futebol_em_numeros)

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL