PUBLICIDADE
Topo

Sabia que ainda tem bola rolando pelo mundo?

Gramado do Pacaembu recebe estruturas para ter leitos hospitalares - ALE VIANNA/ALTAPHOTO/ESTADÃO CONTEÚDO
Gramado do Pacaembu recebe estruturas para ter leitos hospitalares Imagem: ALE VIANNA/ALTAPHOTO/ESTADÃO CONTEÚDO
Rafael Oliveira

Comentarista de futebol com passagens por Esporte Interativo e ESPN. Atualmente no Dazn. Sempre interessado em informações e análises do jogo em qualquer parte do planeta.

Colunista do Uol

29/03/2020 13h15

Um dos efeitos da suspensão geral do esporte e da quarentena de boa parte da população mundial é a saudade do futebol. Para quem é fã e gosta de acompanhar as mais diferentes ligas pelo mundo, o vazio é inevitável.

Longe de questionar a decisão de colocar o esporte de lado, pois ele não é a prioridade no momento em que o planeta luta contra a pandemia do coronavírus.

Mas a abstinência é capaz de gerar outras reflexões. Uma delas é sobre a capacidade de valorizar mais as coisas simples. Vale para a vida, e vale para o próprio futebol. No Brasil, são tantos jogos atropelados que o calendário não permite tempo nem para respirar ou sentir falta.

E sentir falta pode ser positivo. O Brasileirão, por exemplo, começa logo após um desgastante trimestre de arrastados estaduais. Quando começa, não há aquela expectativa de início de temporada.

Menos jogos podem representar maior qualidade e maior atratividade. E a necessária discussão do calendário volta à tona.

Fora do Brasil, quase todos os campeonatos debatem o que farão quando a bola voltar a rolar. Mas para os mais curiosos e desesperados por futebol, Belarus é a única liga europeia que segue em andamento.

Na realidade, a temporada 2020 começou na última semana, e sem restrições. O futebol bielorrusso teve uma importante quebra de hegemonia no último ano, quando o Dynamo Brest conquistou seu primeiro título e encerrou a série do BATE Borisov, campeão 13 vezes seguidas.

Na América Central, Nicarágua é a exceção e naturalmente recebe críticas por ainda ter bola rolando. Na África, Angola foi um dos últimos a parar, mas Burundi teve jogos no fim de semana. São algumas dicas bem alternativas para os mais fanáticos.

Rafael Oliveira