PUBLICIDADE
Topo

Neymar tem caminhada difícil para mostrar que amadureceu

Neymar foi expulso na estreia do PSG contra o Olympique de Marselha pelo Campeonato Francês 2020/21 - C.Gavelle/PSG
Neymar foi expulso na estreia do PSG contra o Olympique de Marselha pelo Campeonato Francês 2020/21 Imagem: C.Gavelle/PSG
Arnaldo Ribeiro e Eduardo Tironi

Dar continuidade, atualizar e incrementar o "Posse de Bola" com informações quentes e análises ao longo da semana -- com a chancela da dupla que criou o Podcast, trabalhou junta desde os primórdios no Notícias Populares, passando pela ESPN, e hoje tem um canal no Youtube.

14/09/2020 14h55

Por Eduardo Tironi

Em abril de 2014 o Barcelona ia mal das pernas e a torcida foi protestar no CT do clube. Quando Neymar passou, começaram a imitar macacos. Questionado sobre o assunto, Neymar não respondeu diretamente e apenas falou que "a caminhada é difícil". Foi tudo.

Agora, o jogador parece ter outra caminhada difícil pela frente. A de mostrar amadurecimento, de provar que suas críticas são genuínas e não (mais uma) jogada marqueteira e, por fim, a de tentar se colocar próximo de outros mega-astros do esporte mundial que combatem frontalmente o racismo, como LeBron James ou Lewis Hamilton (amigo do brasileiro, aliás).

No fim de semana Neymar foi expulso de campo no clássico entre o PSG e Olympique de Marselha, após um entrevero com o zagueiro adversário Álvaro Gonzáles. Ele acusa o espanhol de tê-lo chamado de macaco. O rival não negou frontalmente, mas horas depois da partida postou foto em suas redes sociais ao lado de jogadores negros do Olympique e um breve texto: "Não há lugar para racismo. Carreira limpa e com muitos colegas e amigos no dia a dia. Às vezes você tem que aprender a perder e assumir isso em campo. Incríveis três pontos hoje".

Neymar passou a carreira postando coisas autorreferentes, hedonistas e ostentadoras. Nunca foi líder em defesa de causas sociais como o racismo, embora em um ou outro momento tenha se dedicado ao tema de forma tímida ou indireta. Desta vez foi diferente, a ponto de ter sido expulso de campo e, mesmo assim, em seguida reafirmar as acusações.

A construção de uma imagem desinteressada de tudo a não ser do futebol e dos prazeres da própria vida, formaram um muro de desconfiança sobre Neymar no momento em que ele se posiciona de maneira clara e forte.

Se algum outro astro de 28 anos falasse pela primeira vez sobre um tema importante como este, a avaliação seria de amadurecimento. No
caso dele, é de dúvida. Dúvida até de que foi vítima mesmo de racismo, lamentavelmente. A caminhada é dificil.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.