PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Posse de Bola


Tirem o futebol dos jogos olímpicos

Brasileiros exibem a medalha de ouro conquistada no futebol após vitória sobre a Alemanha - Reuters
Brasileiros exibem a medalha de ouro conquistada no futebol após vitória sobre a Alemanha Imagem: Reuters
Arnaldo Ribeiro e Eduardo Tironi

Dar continuidade, atualizar e incrementar o "Posse de Bola" com informações quentes e análises ao longo da semana -- com a chancela da dupla que criou o Podcast, trabalhou junta desde os primórdios no Notícias Populares, passando pela ESPN, e hoje tem um canal no Youtube.

24/03/2020 15h36

Com um atraso considerável, o Comitê Olímpico Internacional anunciou nesta terça-feira, 24 de março, o adiamento dos Jogos Olímpicos de Tóquio para 2021.

A Fifa entrou em ação e cogita aumentar em um ano a idade máxima dos jogadores de futebol aptos a disputar os jogos, considerando que muitos que classificaram seus países para o evento este ano terão a idade permitida estourada ano que vem.

Em vez disso, Fifa e COI deveriam fazer do limão azedo uma limonada e tirar o futebol masculino dos jogos. Por vários motivos.

O principal é o calendário. Em 2021 ele estará lotado, por conta de competições que não acontecerão mais este ano. Casos da Eurocopa e da Copa América, por exemplo. Colado a eles teremos torneios de clubes ao redor do mundo que também foram paralisados em 2020 e podem avançar no ano que vem. Ninguém sabe como vai ser. Em outras palavras, quanto mais limpar o calendário daquilo que não é relevante, melhor. E o futebol olímpico masculino não é relevante.

Gianni Infantino, presidente da Fifa, deu declarações recentemente que vão neste sentido. Para ele, a crise do coronavírus poderá servir para que o número de torneios de futebol seja repensado. E diminuído.

A ideia da Fifa de aumentar em um ano a idade máxima torna-se um problema a mais para os clubes, especialmente os brasileiros. O número de jogadores que poderão ser convocados para os jogos, desfalcando seus times, aumenta.

O futebol masculino sempre foi um corpo meio estranho nos jogos olímpicos. Nas últimas edições, mais ainda. As partidas não são disputadas apenas na cidade sede, as delegações ficam longe da Vila Olímpica, o brilho estelar de alguns atletas ofusca figuras de outras modalidades menos badaladas. Riquíssimo e altamente profissional, ofusca ainda o futebol feminino, que vive momento de franca expansão e ganha a cada dia mais fãs no mundo. Este deveria ser mantido como representante único da modalidade.

Fato é que o futebol masculino não precisa dos jogos olímpicos. E os jogos olímpicos não precisam do futebol masculino no meio de tantas outras modalidades legais.

Posse de Bola