PUBLICIDADE
Topo

R10 será o Garrincha de uma geração?

JORGE ADORNO
Imagem: JORGE ADORNO
Eduardo Tironi

Eduardo Tironi é jornalista desde 1992, tendo passado por Notícias Populares, LANCE! e ESPN Brasil. Atualmente é participante e editor do podcast Posse De Bola (com Arnaldo Ribeiro) e comentarista na Rádio Band. Tem um canal no YouTube com Arnaldo Ribeiro. Fora do esporte, faz o podcast SonzeraFC sobre música e futebol.

Colunista do UOL

21/03/2020 14h23

Ronaldinho Gaúcho completa neste sábado, 21 de março, 40 anos. Não vai ter festa de arromba nem balada com seus parceiros e não é por causa do coronavírus. É porque ele está preso no Paraguai, envolvido em um rolo de passaportes falsos ainda muito mal explicado.

A mancha na biografia do jogador considerado um dos melhores da história do futebol brasileiro e mundial parece certa. Mesmo que prove sua inocência e saia da prisão, sua imagem meio abobalhada algemado no Paraguai é tão eterna quanto suas jogadas fantásticas.

Envolvido em outros rolos fora dos campos, como uma multa ambiental no Rio Grande do Sul, R10 parece que vai incorporando à sua biografia um pouco de Garrincha, o gênio com a bola nos pés que, fora de campo, teve problemas enormes com o alcoolismo e um fim de vida deprimente.

Em 2018, o jornalista Janah Ganesh, do Financial Times, escreveu um artigo em que comparava o jeito de levar a vida de Ronaldinho Gaúcho e de Roger Federer. O tenista é uma máquina de ganhar, tem um nível competitivo extremo e só consegue viver competindo. R10 é o sujeito com um talento nato extraordinário, que chegou ao topo e disse: "chega, agora eu quero curtir a vida."

Ganesh defende que no mundo normal (e não das celebridades esportivas) estes comportamentos são replicados: há quem não tem limite para ter mais sucesso profissional e há quem chega em certo ponto e se satisfaz.

R10 claramente está no segundo grupo. Ele só não imaginava acrescentar o drama que está vivendo preso no Paraguai. Seria o Garrincha de uma geração?