PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Posse de Bola


Tite se rende às estrelas, mas não ao futebol do Flamengo de Jesus

Arnaldo Ribeiro e Eduardo Tironi

Dar continuidade, atualizar e incrementar o "Posse de Bola" com informações quentes e análises ao longo da semana -- com a chancela da dupla que criou o Podcast, trabalhou junta desde os primórdios no Notícias Populares, passando pela ESPN, e hoje tem um canal no Youtube.

06/03/2020 12h26

A convocação de Tite para os jogos das Eliminatórias foi a mais aguardada desde a lista para a Copa do Mundo da Rússia. E o motivo estava claro: o Flamengo. Quantos jogadores do melhor time do Brasil (que está jogando mais que a seleção) seriam convocados?

Ao escolher o trio ofensivo (Éverton Ribeiro, Bruno Henrique e Gabigol), Tite ficou no meio do caminho. Atendeu ao clamor popular, prejudicou de certa forma o principal time do pais, mas não o elegeu como base da sua seleção.

Se assim fosse, chamaria também Gerson, Filipe Luís, Rodrigo Caio... É bem provável até que o trio flamenguista convocado nem atue junto pela seleção, que também tem Neymar e cia.

Eleger o Flamengo como base seria praticamente admitir uma derrota e uma supremacia que o português Jorge Jesus passou a impor sobre os treinadores brasileiros.

Tite saiu pela tangente. Mas continuará tendo o Flamengo de Jesus no retrovisor . Se seu time não conseguir render próximo ao Flamengo de Jesus, esquece. As cornetas vão soar - e com razão.

Nem depois da derrota para a Bélgica na Copa do Mundo, Tite esteve tão exposto. Culpa do sucesso de um time brasileiro muito acima da média. Quem diria... (Por Arnaldo Ribeiro e Eduardo Tironi)

Posse de Bola