PUBLICIDADE
Topo

Pole Position

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Quais são as mudanças no palco da decisão da F1 e quem elas vão favorecer?

Traçado de Yas Marina em Abu Dhabi passou por alterações para a temporada 2021 - Divulgação
Traçado de Yas Marina em Abu Dhabi passou por alterações para a temporada 2021 Imagem: Divulgação
Julianne Cerasoli

Fã de Fórmula 1 desde a infância, Julianne Cerasoli nasceu em Bragança Paulista (SP) e hoje vive em Londres (Inglaterra). Atua como jornalista desde 2004, tendo trabalhado com diversos tipos de mídia ao longo dos anos, sempre como repórter esportiva e com passagem como editora de esportes do jornal Correio Popular, em Campinas (SP). Cobrindo corridas in loco na Fórmula 1 desde 2011, começou pelo site especializado TotalRace e passou a colaborar para o UOL Esporte em 2015, e para sites e revistas internacionais. No rádio, é a repórter de Fórmula 1 da Sistema Bandeirantes de Rádio desde 2017, e também faz participações regulares no canal Boteco F1, o maior dedicado à categoria no YouTube. Em 2019, Julianne criou o projeto No Paddock da F1 com a Ju, na plataforma Catarse, em que busca aproximar os fãs da Fórmula 1 por meio de conteúdo on demand e podcast exclusivo com personagens da categoria. Neste espaço: Única cobertura in loco de toda a temporada da Fórmula 1 na mídia brasileira, com informações de bastidores, entrevistas exclusivas, análises técnicas e uma pitada de viagens.

Colunista do UOL

08/12/2021 04h00

Max Verstappen e Lewis Hamilton chegam ao GP decisivo da Fórmula 1 em Abu Dhabi igualados em pontos, com o holandês liderando o Mundial por ter mais vitórias. Por outro lado, a Mercedes vem demonstrando certa vantagem nas últimas etapas, embora o rendimento dos carros esteja muito parelho. Mas e na corrida que vai decidir o título? Uma série de mudanças feitas para tornar as ultrapassagens menos difíceis em Yas Marina complica as previsões.

Foi Verstappen que venceu o GP de Abu Dhabi do ano passado, largando da pole com um carro que foi batido com facilidade pela Mercedes ao longo da temporada. Mas também é verdade que parte das mudanças feitas ameniza as características que fizeram Verstappen andar tão bem em Yas Marina em 2020.

O mesmo pode se dizer da Mercedes, que dominou as provas em Abu Dhabi na era híbrida da F1, vencendo todas as provas entre 2014 e 2019: essa vantagem vinha na longa zona de aceleração plena, de 1.2 km, mas essa já não é mais um aspecto tão dominante do traçado.

Quem explica as mudanças é o italiano Jarno Zaffelli, responsável pela remodelação do circuito, originalmente projetado por Hermann Tilke e que virou sinônimo de uma época na F1 em que acreditava-se que as corridas seriam melhores se curvas de baixa velocidade fossem colocadas antes das retas.

A visão atual é diferente, e foi pensando nisso que Abu Dhabi mudou todos os seus três setores, deixando a pista mais curta, porém muito mais veloz. "As antigas Curvas 5-6-7 agora estão unificadas na nova Curva 5, que está mais rápida do que antes e, consequentemente, temos mais chances de ultrapassagem", explicou Zaffelli. "As antigas Curvas 12-13-14-15 tornam-se a nova Curva 9. Uma freada bem mais leve na Curva 9, que é ligeiramente inclinada, levará os pilotos a uma freada mais forte na T11, com outra oportunidade de ultrapassagem. As chicanes que ficam embaixo do hotel [as antigas 17-18-19-20] agora são as mais rápidas 12-13-14-15."

Essas mudanças geraram quatro pontos de freada forte, que são chances de ultrapassagem. E também corrigiram um problema que atrapalhava os pilotos a seguirem os rivais de mais perto: as curvas com cambagem negativa.

"As curvas de cambagem negativa, como as 11-12-13-14, foram eliminadas. As curvas agora têm uma inclinação de 5%, que permitirá aos carros ir para a seguinte com mais velocidade."

Voltando à briga pelo título, Zaffelli tem dificuldade em fazer uma previsão. Ele acredita que, apesar de as últimas seis corridas de Abu Dhabi terem sido vencidas pelo pole position, agora a classificação não será tão importante, pois será possível ultrapassar na corrida.

"Esse novo desenho, com os dois primeiros setores fluindo de forma rápida, e as curvas fechadas do setor 3, equilibram as forças para os dois carros. Será uma batalha emocionante e que o melhor piloto vença."

De fato, a Mercedes vem tendo vantagem nas retas, embora ela nunca tenha sido tão grande quanto no Brasil, prova em que Hamilton trocou o motor justamente para ter mais potência nas provas finais. A temperatura de pista mais baixa com o cair da noite também é uma boa notícia para o inglês em sua tentativa de conquistar o octacampeonato.

Do lado da Red Bull, o ótimo rendimento da Arábia Saudita, pista em que se esperava que a Mercedes dominasse, mostrou que Verstappen está vivo no campeonato mesmo após três derrotas consecutivas. O holandês sabe que a história da última corrida poderia ter sido diferente sem a batida na classificação ou sem a inversão de posições após levar vantagem durante a primeira relargada em Jeddah. E o carro também se comportou melhor com os compostos C5, osmais macios da gama da Pirelli, na temporada até aqui.

Mas as respostas só começarão a serem dadas nos treinos livres do GP de Abu Dhabi, na sexta-feira. A classificação será às 10h (de Brasília) do sábado e a corrida será no mesmo horário, no domingo, sempre com transmissão da TV Bandeirantes.