PUBLICIDADE
Topo

Pole Position

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Hamilton tem a pole e Verstappen tem ritmo melhor no GP da Arábia Saudita

Lewis Hamilton durante a sessão classificatória para o GP da Arábia Saudita - Mercedes
Lewis Hamilton durante a sessão classificatória para o GP da Arábia Saudita Imagem: Mercedes
Julianne Cerasoli

Fã de Fórmula 1 desde a infância, Julianne Cerasoli nasceu em Bragança Paulista (SP) e hoje vive em Londres (Inglaterra). Atua como jornalista desde 2004, tendo trabalhado com diversos tipos de mídia ao longo dos anos, sempre como repórter esportiva e com passagem como editora de esportes do jornal Correio Popular, em Campinas (SP). Cobrindo corridas in loco na Fórmula 1 desde 2011, começou pelo site especializado TotalRace e passou a colaborar para o UOL Esporte em 2015, e para sites e revistas internacionais. No rádio, é a repórter de Fórmula 1 da Sistema Bandeirantes de Rádio desde 2017, e também faz participações regulares no canal Boteco F1, o maior dedicado à categoria no YouTube. Em 2019, Julianne criou o projeto No Paddock da F1 com a Ju, na plataforma Catarse, em que busca aproximar os fãs da Fórmula 1 por meio de conteúdo on demand e podcast exclusivo com personagens da categoria. Neste espaço: Única cobertura in loco de toda a temporada da Fórmula 1 na mídia brasileira, com informações de bastidores, entrevistas exclusivas, análises técnicas e uma pitada de viagens.

Colunista do UOL

04/12/2021 19h23

A definição do grid de largada do primeiro GP da Arábia Saudita de Fórmula 1 foi um bom exemplo de como tem sido a temporada até aqui, e o mesmo pode acontecer na corrida que tem largada às 14h30 deste domingo: a Mercedes de Lewis Hamilton e a Red Bull de Max Verstappen tiveram desempenhos muito parelhos por toda a sessão, obrigando os pilotos a buscarem o limite. E, desta vez, foi o holandês que passou do ponto, bateu quando vinha com um tempo suficiente para superar Hamilton, e viu o rival cravar mais uma pole position, a terceira em três corridas.

As boas notícias para Hamilton não param por aí: ele terá a seu lado na primeira fila seu companheiro, Valtteri Bottas, com Verstappen em terceiro. Se essas posições se mantiverem na primeira volta, será difícil segurar o inglês, pois os pilotos acreditam que será difícil ultrapassar na pista saudita e Hamilton poderá gerir seu ritmo e cuidar de seus pneus na ponta, em uma corrida que deve ser de apenas uma parada.

A decepção era clara do lado da Red Bull após a batida de Verstappen, que já vinha flertando com o muro por toda a volta, ao mesmo tempo em que cravava os melhores setores da pista, depois que Hamilton já tinha acabado sua classificação. Mas o time também pode tirar alguns pontos positivos do sábado, pois Verstappen conseguiu ficar muito próximo de Hamilton tanto com os pneus macios, quanto com os médios (que serão os usados na primeira parte da prova). Isso, em uma pista na qual não se esperava que a Red Bull fosse páreo para a Mercedes.

Dois fatores contribuíram para que a história não esteja sendo bem assim. Esperava-se que a potência fizesse mais diferença do que tem sido visto, ao mesmo tempo em que a Mercedes está sofrendo mais que a Red Bull para colocar os pneus na janela correta de temperatura. "Não sei o que aconteceu", disse Hamilton. "Parecia uma pista diferente em relação à sexta-feira. Não sei se foi o vento, mas não conseguíamos fazer os pneus funcionarem e a Red Bull era simplesmente mais rápida. Não sei se nós perdemos performance ou se eles ganharam" Isso pode deixar Hamilton e Bottas expostos principalmente na largada e na volta de saída dos boxes, então cabe a Verstappen estar próximo o suficiente para atacar na primeira volta ou tentar o undercut, ou seja, antecipar sua parada e usar a aderência extra do pneu novo para tomar a posição do rival. Para isso funcionar, no entanto, ele precisa se manter próximo antes da parada, e acredita que tem ritmo para isso. "É claro que você quer largar em primeiro, mas vou correr para ganhar. Nosso ritmo me dá esperança".

Isso, se a caixa de câmbio não tiver sido afetada, o que a equipe vai confirmar na manhã de domingo. Caso contrário, Verstappen terá de largar em oitavo, perdendo cinco posições no grid pela troca da peça, e praticamente vê suas chances de vencer acabarem, levando a decisão do campeonato para Abu Dhabi (neste cenário, potencialmente com Hamilton à frente, já que a diferença entre os dois é de apenas oito pontos a favor de Max).

Verstappen garante que a batida da classificação não vai abalar sua confiança para a corrida, mas outro piloto que encontrou o muro em Jeddah, Charles Leclerc, admitiu que não foi fácil voltar a tirar o máximo do carro no sábado. "Foi difícil voltar a ter confiança no carro", disse o monegasco. "Na minha última volta, achei que tinha perdido o carro no final, mas consegui salvar e fui ainda mais rápido que nas voltas anteriores". A tática deu certo e Leclerc vai largar em quarto, em uma pista na qual sua Ferrari vinha andando melhor em ritmo de corrida do que de classificação.

Mas o que acidentes como o de Leclerc, que ocorreu no segundo treino livre, e de Verstappen podem trazer para a corrida é a incerteza de um período de Safety Car, que elimina as distâncias entre os pilotos e pode fazê-los ter de mudar a estratégia dependendo de quando é chamado. As duas corridas da Fórmula 2 já realizadas neste final de semana contaram, pelo menos, com períodos de Safety Car Virtuais.

O campeonato pode ser definido na Arábia Saudita mas, a combinação de resultados que parecia difícil de acontecer agora é ainda mais improvável: para ser campeão neste domingo, Verstappen precisa fazer 18 pontos a mais que Hamilton, que leva a decisão para a Abu Dhabi se conquistar pelo menos um quinto lugar. A transmissão da 21ª etapa do campeonato começa às 14h, pela Band.