PUBLICIDADE
Topo

Pole Position

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Pilotos cobram consistência em punições que podem definir o campeão da F1

Lewis Hamilton e Max Verstappen na primeira curva do GP dos EUA, em Austin: com área de escape asfaltada, lance foi considerado normal - Pirelli
Lewis Hamilton e Max Verstappen na primeira curva do GP dos EUA, em Austin: com área de escape asfaltada, lance foi considerado normal Imagem: Pirelli
Julianne Cerasoli

Fã de Fórmula 1 desde a infância, Julianne Cerasoli nasceu em Bragança Paulista (SP) e hoje vive em Londres (Inglaterra). Atua como jornalista desde 2004, tendo trabalhado com diversos tipos de mídia ao longo dos anos, sempre como repórter esportiva e com passagem como editora de esportes do jornal Correio Popular, em Campinas (SP). Cobrindo corridas in loco na Fórmula 1 desde 2011, começou pelo site especializado TotalRace e passou a colaborar para o UOL Esporte em 2015, e para sites e revistas internacionais. No rádio, é a repórter de Fórmula 1 da Sistema Bandeirantes de Rádio desde 2017, e também faz participações regulares no canal Boteco F1, o maior dedicado à categoria no YouTube. Em 2019, Julianne criou o projeto No Paddock da F1 com a Ju, na plataforma Catarse, em que busca aproximar os fãs da Fórmula 1 por meio de conteúdo on demand e podcast exclusivo com personagens da categoria. Neste espaço: Única cobertura in loco de toda a temporada da Fórmula 1 na mídia brasileira, com informações de bastidores, entrevistas exclusivas, análises técnicas e uma pitada de viagens.

Colunista do UOL

26/11/2021 04h00

Quando a Mercedes teve seu pedido de revisão do lance em que Max Verstappen espalhou o carro, saindo da pista junto com Lewis Hamilton no GP de São Paulo, negado, o chefe Toto Wolff disse que a intenção do time não era gerar uma punição ao holandês, e, sim, colocar em pauta a discussão sobre o que é permitido em uma luta por posição "porque se as coisas permanecerem como estão, significa que ultrapassar por fora não será mais possível porque quem está do lado de dentro controla totalmente a curva". Em outras palavras, o time já estava preparando o terreno caso outro duelo polêmico entre os postulantes ao título aconteça nas últimas corridas.

Isso porque Verstappen e Hamilton já se encontraram algumas vezes na pista neste ano (em duas delas, gerando acidentes, pelos quais ambos foram punidos —Hamilton em Silverstone e Verstappen em Monza) e estão indo para as duas últimas etapas do ano separados por apenas oito pontos, com vantagem para o piloto da Red Bull.

Mas essa discussão não se limita aos dois: os pilotos saíram decepcionados de uma reunião que consideravam decisiva com o diretor de prova da F1, Michael Masi, na sexta-feira do GP do Qatar. Eles queriam entender por que incidentes parecidos são julgados de maneiras diferentes. "Quando as regras são cinzentas, às vezes você sente que se beneficiou delas, e às vezes sente que foi um idiota", resumiu Fernando Alonso.

Incidentes são avaliados caso a caso

A única coisa que é dita aos pilotos claramente é que as consequências dos incidentes nunca são levadas em conta, mas a maneira como eles são julgados leva a crer que sim. Citando os incidentes que envolveram Verstappen e Hamilton, na Inglaterra e em Monza, o piloto que estava atrás foi tido como culpado e levou punição, em lances nos quais o rival teve de abandonar. Em São Paulo, não houve nem toque, nem investigação, e o piloto prejudicado acabou conseguindo a manobra voltas depois e vencendo.

"Entendo que você precisa tratar cada caso individualmente", disse George Russell, que é um dos diretores da GPDA, associação dos pilotos de F1. "Aquele lance [de Verstappen e Hamilton no Brasil] foi exagerado. Se fosse a última volta da corrida, ele seria punido. Não dá para perder o ponto de freada por 25 m e fazer isso. Ele só não foi punido porque Lewis venceu a corrida, mas as consequências não deveriam ser um fator. Foi isso que eles nos disseram."

As declarações do britânico foram apoiadas por Sebastian Vettel, com quem ele divide a presidência do GPDA. "É um bom resumo", disse o alemão sobre a fala do colega. No domingo, antes da corrida, o tetracampeão estava conversando, sozinho, com Masi no paddock no Qatar.

Uma comparação que os pilotos fazem em relação ao lance do Brasil é a punição levada por Lando Norris por lance semelhante na Áustria. Mas parece haver um entendimento, ainda que isso não esteja na regra, de que, quando um piloto espalha para cima do outro e há brita na área de escape, o potencial dele ser punido aumenta. Perguntado se esse é o caso, Masi se limitou a dizer que "muito provavelmente, sim". "Todos tentam comparar incidentes e dizer que eles são todos iguais, mas não são. A análise é individualizada, observamos as circunstâncias daquele dia".

Em relação ao comportamento dos pilotos, Masi acredita ter deixado claro o que é esperado deles. "Acho que alguns concordam, outros discordam. E eles sempre foram assim. Nós demos a eles uma orientação geral, mas também deixei muito claro que cada caso será julgado por seus méritos".

Um primeiro fator complicador é que Masi é o diretor de prova em todos os GPs, mas não é ele quem decide sobre as punições. Os lances são julgados por um painel de comissários, que conta com um ex-piloto, e é diferente em cada prova. Eles têm à disposição o histórico de cada piloto, de cada tipo de lance, e contam com dados de telemetria e mais ângulos de câmera, mas ainda assim os pilotos sentem que não há consistência.

Isso, é claro, abre a porta para que as duas últimas etapas da Fórmula 1 deem mais dor de cabeça aos comissários. A etapa da Arábia Saudita será dia 5 de dezembro e a de Abu Dhabi, dia 12.