PUBLICIDADE
Topo

Pole Position

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Mercedes explica por que abriu brecha para Red Bull tomar a ponta em Austin

Max Verstappen e Lewis Hamilton no pódio do Grande Prêmio dos Estados Unidos de Fórmula 1 - REUTERS
Max Verstappen e Lewis Hamilton no pódio do Grande Prêmio dos Estados Unidos de Fórmula 1 Imagem: REUTERS
Julianne Cerasoli

Fã de Fórmula 1 desde a infância, Julianne Cerasoli nasceu em Bragança Paulista (SP) e hoje vive em Londres (Inglaterra). Atua como jornalista desde 2004, tendo trabalhado com diversos tipos de mídia ao longo dos anos, sempre como repórter esportiva e com passagem como editora de esportes do jornal Correio Popular, em Campinas (SP). Cobrindo corridas in loco na Fórmula 1 desde 2011, começou pelo site especializado TotalRace e passou a colaborar para o UOL Esporte em 2015, e para sites e revistas internacionais. No rádio, é a repórter de Fórmula 1 da Sistema Bandeirantes de Rádio desde 2017, e também faz participações regulares no canal Boteco F1, o maior dedicado à categoria no YouTube. Em 2019, Julianne criou o projeto No Paddock da F1 com a Ju, na plataforma Catarse, em que busca aproximar os fãs da Fórmula 1 por meio de conteúdo on demand e podcast exclusivo com personagens da categoria. Neste espaço: Única cobertura in loco de toda a temporada da Fórmula 1 na mídia brasileira, com informações de bastidores, entrevistas exclusivas, análises técnicas e uma pitada de viagens.

Colunista do UOL

25/10/2021 04h00

Lewis Hamilton pulou na ponta do GP dos Estados Unidos na primeira curva, mas acabou se vendo atrás de Max Verstappen depois que o holandês antecipou sua primeira parada, conseguindo voltar com um ritmo melhor e superando o inglês quando ele também parou três voltas depois. No fim, Hamilton tentou pressionar o rival, mas Verstappen venceu a prova.

Teria a Mercedes errado na estratégia? O diretor de engenharia de pista da Mercedes, Andrew Shovlin, explicou que o time se surpreendeu negativamente com o ritmo do carro na primeira parte da corrida e imaginou que teria muitos problemas de durabilidade dos pneus ao longo da prova. Por isso, nem cogitou adiantar sua primeira parada.

"Se tivéssemos bola de cristal, teríamos visto que o pneu duro seria melhor para nós. Realisticamente, a única chance de ganhar a corrida teria sido parando muito cedo, talvez até na volta 8, e manter a liderança após os primeiros pit stops. Mas como estávamos sofrendo tanto com os médios após tão poucas voltas, jamais seríamos corajosos o suficiente para fazer isso se sentíssemos que isso comprometeria toda a corrida."

Vendo que Verstappen estava sendo segurado por Hamilton, mais lento naquele início de prova, foi a Red Bull quem antecipou a parada, chamando o holandês aos boxes no final da volta 10, de duas a sete voltas antes que a previsão da fornecedora de pneus Pirelli. E o ritmo que ele imprimiu nas primeiras voltas com o composto duro, ao passo que Hamilton sofria com seu jogo de médios, permitiu que ele tomasse a ponta.

A Mercedes ainda tentou deixar Hamilton na pista por mais tempo na segunda parte da prova para que ele tivesse pneus mais novos para atacar no fim, mas a tática não foi suficiente, e Verstappen ampliou sua vantagem na liderança do mundial de seis para 12 pontos com cinco etapas e 130 pontos ainda em jogo.

O chefe da Mercedes, Toto Wolff, preferiu aplaudir a estratégia "super agressiva" da Red Bull do que falar em erro de seu time, que na verdade ficou mais preocupado com outro ponto: o fato de ter perdido rendimento ao longo do fim de semana.

Shovlin explicou que, à medida que ficou mais quente - primeiro na segunda sessão de treinos livres, e depois na classificação e na corrida, ou seja, nas três sessões disputadas no período da tarde em Austin -, o carro da Red Bull se comportou melhor, e a análise da Mercedes deve ser no sentido de entender o que eles poderiam ter feito para minimizar os comprometimentos que tiveram de fazer no acerto principalmente para lidar com as ondulações do circuito e com o superaquecimento dos pneus, problema central que fez o ritmo do carro não ser tão bom quanto o esperado com o composto médio.

"Não é que erramos no acerto, mas quando ficou mais quente e passou a ventar mais, começamos a ter mais dificuldades. E tivemos problemas para acertar o carro por conta das ondulações, então é isso que temos de analisar: se havia algo que poderíamos ter feito melhor em termos de acerto. A traseira da Red Bull se comportou melhor nesta situação."

O time anglo-austríaco teve um excelente resultado em uma pista que foi reduto da Mercedes de 2014 para cá, tendo ainda Sergio Perez em terceiro e diminuindo a vantagem da rival no mundial de construtores. Os heptacampeões agora estão 23 pontos na frente.