PUBLICIDADE
Topo

Pole Position

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Red Bull pede a revisão de punição de Hamilton por batida com Verstappen

Max Verstappen leva a pior em toque com Lewis Hamilton, roda e abandona GP de Silverstone de Fórmula 1 - Reprodução/F1
Max Verstappen leva a pior em toque com Lewis Hamilton, roda e abandona GP de Silverstone de Fórmula 1 Imagem: Reprodução/F1
Julianne Cerasoli

Fã de Fórmula 1 desde a infância, Julianne Cerasoli nasceu em Bragança Paulista (SP) e hoje vive em Londres (Inglaterra). Atua como jornalista desde 2004, tendo trabalhado com diversos tipos de mídia ao longo dos anos, sempre como repórter esportiva e com passagem como editora de esportes do jornal Correio Popular, em Campinas (SP). Cobrindo corridas in loco na Fórmula 1 desde 2011, começou pelo site especializado TotalRace e passou a colaborar para o UOL Esporte em 2015, e para sites e revistas internacionais. No rádio, é a repórter de Fórmula 1 da Sistema Bandeirantes de Rádio desde 2017, e também faz participações regulares no canal Boteco F1, o maior dedicado à categoria no YouTube. Em 2019, Julianne criou o projeto No Paddock da F1 com a Ju, na plataforma Catarse, em que busca aproximar os fãs da Fórmula 1 por meio de conteúdo on demand e podcast exclusivo com personagens da categoria. Neste espaço: Única cobertura in loco de toda a temporada da Fórmula 1 na mídia brasileira, com informações de bastidores, entrevistas exclusivas, análises técnicas e uma pitada de viagens.

Colunista do UOL

27/07/2021 10h26

A Red Bull usou seu direito de pedir a revisão da punição dada a Lewis Hamilton após acidente com Max Verstappen na primeira volta do GP da Grã-Bretanha, disputado dia 18 de julho. Na ocasião, os comissários da Federação Internacional de Automobilismo consideraram o inglês "predominantemente culpado" pelo toque, que acabou fazendo com que Verstappen batesse violentamente no muro, abandonando a prova.

Recursos deste tipo são aceitos quando há "um novo elemento significativo e relevante que não estava disponível para revisão no momento em que a decisão foi tomada". Mas os documentos oficiais divulgados pela FIA não identificam qual seria este novo elemento.

Hamilton levou uma punição de 10 segundos, a segunda maior entre as cinco possibilidades para lances do tipo (indo de cinco segundos de punição à desclassificação da prova). Isso significa que ele só pagou a pena quando fez sua parada nos boxes, como manda a regra. As punições logo acima dos 10 segundos (drive through e stop and go) têm de ser cumpridas em até três voltas e geram uma perda muito mais significativa aos pilotos.

A aplicação das punições na F1 seguem dois passos: primeiro, os comissários, que são diferentes a cada GP, decidem se algum artigo do código foi descumprido e, depois, decidem qual pena será aplicada.

O apelo da Red Bull foi comunicado à FIA dia 23 de julho, na última sexta-feira, e será avaliado em uma videoconferência nesta quinta-feira, quando as equipes já estarão na Hungria para a 11ª etapa da temporada, às 16h locais (11h da manhã pelo horário de Brasília), quando será decidido se o processo de revisão tem base para prosseguir. A Red Bull pede que a punição de Hamilton seja ampliada, o que pode ser feito por meio da adição de tempo em seu resultado final. Hamilton venceu o GP da Grã-Bretanha com 3s8 de vantagem para Charles Leclerc e, com o resultado, descontou 25 dos 33 pontos que tinha de desvantagem para Verstappen antes da largada para a prova de Silverstone.

Red Bull e Mercedes têm visões completamente diferentes do acidente. Para o chefe da Red Bull, Christian Horner, Hamilton jamais teria feito a curva se não tivesse tocado com Verstappen. "Ele freiou tarde e perdeu a curva. Ele estava tão rápido que jamais faria a tangente da curva e sua trajetória significou que ele não conseguiria evitar Max, mesmo freando ele fez a curva muito aberta depois do acidente."

Horner citou ainda a diferença da linha de Vesrtappen e a de Charles Leclerc, também defendendo-se de um ataque de Hamilton no mesmo ponto da pista, mas no final da prova, dizendo que Max estavam "bem mais aberto" e, mesmo assim, foi tocado, dando a entender que Lewis foi mais agressivo com o holandês. É possível que esta seja a nova evidência que a Red Bull está apresentando, já que o lance aconteceu depois que os comissários tinham decidido dar 10s de punição a Hamilton.

É justamente na discussão se Hamilton faria ou não a curva sem tocar em Max que a Mercedes discorda da rival. O diretor técnico da equipe, James Allison disse que Hamilton não tinha "obrigação de fazer a tangente" da curva, segundo as determinações da FIA. "Se você consegue completar a curva e está substancialmente ao lado do outro carro, a curva é sua. Isso não significa que você vai sair na frente, mas sim que você não precisa ceder sua posição, não tem que tirar o pé, e o outro carro tem o dever de te evitar."