PUBLICIDADE
Topo

Pole Position

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Como erro de cálculo deixou a Mercedes perdida e complicou vida de Hamilton

Hamilton faz parada de boxes durante o GP da França - Peter Fox/Getty Images
Hamilton faz parada de boxes durante o GP da França Imagem: Peter Fox/Getty Images
Julianne Cerasoli

Fã de Fórmula 1 desde a infância, Julianne Cerasoli nasceu em Bragança Paulista (SP) e hoje vive em Londres (Inglaterra). Atua como jornalista desde 2004, tendo trabalhado com diversos tipos de mídia ao longo dos anos, sempre como repórter esportiva e com passagem como editora de esportes do jornal Correio Popular, em Campinas (SP). Cobrindo corridas in loco na Fórmula 1 desde 2011, começou pelo site especializado TotalRace e passou a colaborar para o UOL Esporte em 2015, e para sites e revistas internacionais. No rádio, é a repórter de Fórmula 1 da Sistema Bandeirantes de Rádio desde 2017, e também faz participações regulares no canal Boteco F1, o maior dedicado à categoria no YouTube. Em 2019, Julianne criou o projeto No Paddock da F1 com a Ju, na plataforma Catarse, em que busca aproximar os fãs da Fórmula 1 por meio de conteúdo on demand e podcast exclusivo com personagens da categoria. Neste espaço: Única cobertura in loco de toda a temporada da Fórmula 1 na mídia brasileira, com informações de bastidores, entrevistas exclusivas, análises técnicas e uma pitada de viagens.

Colunista do UOL

22/06/2021 04h00

Lewis Hamilton foi ultrapassado por Max Verstappen no finalzinho do GP da França e viu o holandês abrir 12 pontos na liderança do campeonato, em uma corrida que pareceu estar em suas mãos depois que o piloto da Red Bull errou na primeira curva, saiu da pista, e permitiu a ultrapassagem do carro da Mercedes. Mesmo tendo sido ultrapassada pela Red Bull primeiro nos boxes, e depois na pista, a equipe alemã acredita que tinha carro para ter vencido a prova, não fosse um erro de cálculo que saíram de Paul Ricard sem entender muito bem.

Tudo aconteceu entre as voltas 17 e 19 da prova francesa. A Mercedes decidiu chamar Valtteri Bottas para os boxes porque seu pneu tinha vibrações. "Foi uma questão de confiabilidade", revelou o diretor de engenharia, Andrew Shovlin. "Não quisemos parar Lewis antes disso porque era cedo demais para fazer uma parada, como acabou ficando claro depois".

Na Red Bull, a parada de Bottas foi vista como um sinal de que a Mercedes ou estava prestes a chamar Hamilton, ou estava tentando antecipar a parada de Bottas para que ele usasse a aderência superior do pneu novo para voltar na frente de Verstappen quando esse fosse aos boxes. E o holandês prontamente parou na volta seguinte.

Naquele momento, a Mercedes tinha a chance de proteger a liderança de Hamilton e chamá-lo aos boxes juntamente de Verstappen, mas não o fez porque os modelos matemáticos usados pelos estrategistas da equipe apontavam que a diferença de 3s entre Hamilton e Verstappen quando o holandês parou seria folgada o suficiente para que o inglês ainda desse mais uma volta com o pneu antigo e mantivesse a ponta após seu pit stop.

Mas não foi isso o que aconteceu: quando Hamilton parou, na volta 19, Verstappen tomou a ponta. "Achávamos que estávamos seguros. Nós ainda não entendemos totalmente por que nossos modelos estavam nos dizendo que daria certo. Não sei se a Red Bull teria chamado Max na volta seguinte à parada de Valtteri se tivéssemos chamado Lewis, mas isso teria nos colocado numa posição melhor".

Talvez a chuva na manhã de domingo no circuito de Paul Ricard ajude a explicar por que os modelos falharam: o asfalto perdeu parte do emborrachamento dos treinos livres e isso pode ter facilitado o aquecimento do pneu duro, colocado por Verstappen. "O composto branco funcionou logo de cara, e isso é uma coisa que temos de estudar", disse Shovlin.

O cenário só piorou para a Mercedes quando a Red Bull resolveu, então, estender a primeira perna da corrida de Sergio Perez, deixando claro que ele faria uma parada tranquilamente. Assim, se Hamilton parasse novamente, como Verstappen acabou fazendo, teria de superar o mexicano. "E com certeza não seria tão fácil quanto foi para Max", apontou Shovlin.

"É irritante porque nós poderíamos ter vencido a corrida. Poderíamos ter os dois carros no pódio. E estamos em um campeonato em que não podemos perder esse tipo de oportunidade, mas não foram decisões fáceis de serem tomadas. Temos um bom carro para as corridas, como mostramos neste domingo, só está faltando um pouco na classificação. Mas sabemos que, para vencer corridas, precisamos estar perto da perfeição."

Dividindo as estratégias entre as duas paradas de Verstappen e uma de Perez, a Red Bull conseguiu o primeiro e terceiro lugares na França, e também ampliou sua vantagem no mundial de construtores para 37 pontos.

A Fórmula 1 parte agora para duas corridas no Red Bull Ring, na Áustria, neste e no próximo fins de semana.