PUBLICIDADE
Topo

Pole Position

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Só duas equipes perderam mais rendimento que a Mercedes com novas regras

Lewis Hamilton e Valtteri Bottas da Mercedes caminham pela pista durante os testes no Bahrein e observam carros dos rivais - Clive Mason - Formula 1/Formula 1 via Getty Images
Lewis Hamilton e Valtteri Bottas da Mercedes caminham pela pista durante os testes no Bahrein e observam carros dos rivais Imagem: Clive Mason - Formula 1/Formula 1 via Getty Images
Julianne Cerasoli

Fã de Fórmula 1 desde a infância, Julianne Cerasoli nasceu em Bragança Paulista (SP) e hoje vive em Londres (Inglaterra). Atua como jornalista desde 2004, tendo trabalhado com diversos tipos de mídia ao longo dos anos, sempre como repórter esportiva e com passagem como editora de esportes do jornal Correio Popular, em Campinas (SP). Cobrindo corridas in loco na Fórmula 1 desde 2011, começou pelo site especializado TotalRace e passou a colaborar para o UOL Esporte em 2015, e para sites e revistas internacionais. No rádio, é a repórter de Fórmula 1 da Sistema Bandeirantes de Rádio desde 2017, e também faz participações regulares no canal Boteco F1, o maior dedicado à categoria no YouTube. Em 2019, Julianne criou o projeto No Paddock da F1 com a Ju, na plataforma Catarse, em que busca aproximar os fãs da Fórmula 1 por meio de conteúdo on demand e podcast exclusivo com personagens da categoria. Neste espaço: Única cobertura in loco de toda a temporada da Fórmula 1 na mídia brasileira, com informações de bastidores, entrevistas exclusivas, análises técnicas e uma pitada de viagens.

Colunista do UOL

13/04/2021 04h00

É raro na Fórmula 1 ter a oportunidade de comparar os rendimentos dos carros com menos de um ano de diferença entre duas provas em um mesmo circuito. Mas, por conta das mudanças feitas no calendário em decorrência da covid-19, deu para colocar frente a frente o rendimento dos carros no Bahrein no final de novembro e no final de março. E a história vai se repetir neste final de semana, quando a categoria vai para a Itália, no GP da Emilia Romagna, em Imola, pista que recebeu a F1 no final de outubro do ano passado.

Entre estes menos de cinco meses, muita coisa mudou: foram adotadas mudanças no assoalho, difusor e dutos de freio traseiros visando tirar a pressão aerodinâmica e, assim, parte da velocidade dos carros, ao mesmo tempo em que a Pirelli mudou a construção do pneu, tornando-o mais robusto. O que já se sabe do Bahrein é que estes pneus estão gerando menos aderência, especialmente na parte dianteira, que os do ano passado. E a média da queda de rendimento ficou em 1s6 no Bahrein, comparando-se os melhores tempos de cada carro na classificação, ainda que seja possível que parte dessa diferença tenha a ver com o vento, que estava mais forte na primeira definição do grid deste ano.

Entretanto, o mais interessante desses comparativos é a diferença entre o que foi perdido por cada time - e que explica por que a Mercedes, que dominou ano passado, teve de contar com o cuidado de Lewis Hamilton com os pneus e arriscar na estratégia para conseguir bater a Red Bull na corrida, e por muito pouco.

Mercedes - Hasan Bratic/picture alliance via Getty Images - Hasan Bratic/picture alliance via Getty Images
Lewis Hamilton, da Mercedes, durante teste de pré-temporada da Fórmula 1 em 2021
Imagem: Hasan Bratic/picture alliance via Getty Images

Na classificação, a Red Bull conseguiu uma vantagem considerável em cima da Mercedes, mesmo com seus pilotos não cometendo erros graves na classificação. A diferença de 0s4 surpreendeu a equipe, que esperava estar dois décimos na frente. Mas aí vale a comparação da Mercedes com as outras equipes, mostrando que houve, por um lado, o crescimento da Red Bull em si e, por outro, a queda maior da Mercedes com o novo regulamento que sete das 10 equipes do grid. Apenas a Aston Martin e a Haas perderam mais rendimento que a heptacampeã na comparação com novembro do ano passado.

Quanto cada equipe perdeu em relação ao ano passado na classificação do GP do Bahrein

Haas: + 2s338
Aston Martin: +2s279
Mercedes: +2s121
Williams: +2s022
Alpine: +1s832
McLaren: +1s385
AlphaTauri: +1s361
Red Bull: +1s319
Alfa Romeo: +1s217
Ferrari: +0s541

A Mercedes foi 2s121 mais lenta que na classificação do GP do Bahrein de 2020. A Aston Martin perdeu 2s279 e a Haas, 2s338. A explicação para a queda das duas primeiras passa por seu projeto aerodinâmico, que seria mais prejudicado pelas mudanças do que as demais equipes. E, no caso da Haas, o carro não foi atualizado - a não ser pelas adaptações às novas regras - e os dois pilotos são estreantes.

ferrari - Dan Istitene - Formula 1/Formula 1 via Getty Images - Dan Istitene - Formula 1/Formula 1 via Getty Images
Charles Leclerc, da Ferrari, durante o GP do Bahrain
Imagem: Dan Istitene - Formula 1/Formula 1 via Getty Images

Na outra ponta, quem menos perdeu em relação ao ano passado foi, como era de se esperar, a Ferrari. Eles tinham um problema fundamental de potência do motor, que fazia com o que o time tivesse de escolher acertos que tentassem compensar a falta de velocidade nas retas. Como eles puderam rever seu motor para 2021, além de a velocidade de reta em si ser melhor, eles podem acertar o carro de um jeito mais eficiente. E a diferença foi vista no cronômetro: uma perda de apenas 0s541 em relação ao ano passado no Bahrein.

A diferença da Ferrari é, de longe, a menor, e não é de se surpreender que a segunda menor seja de uma das clientes ferraristas, a Alfa Romeo, 1s217. Red Bull, AlphaTauri (as duas clientes da Honda, que melhorou significativamente sua unidade de potência) e McLaren, que trocou o motor Renault pelo mais potente Mercedes, também ficaram abaixo da média e perderam 1s3 em relação a novembro do ano passado. Enquanto a Alpine, cujo motor Renault não foi atualizado, perdeu 1s832.

Alpine - Dan Istitene/Getty Images - Dan Istitene/Getty Images
Fernando Alonso em seu primeiro treino classificatório pela Alpine
Imagem: Dan Istitene/Getty Images

A Alpine é, no entanto, uma das equipes que prometem atualizações importantes para a segunda etapa do campeonato, que será disputada já neste final de semana. Red Bull e Ferrari, mesmo tendo começado o campeonato bem, também já anunciaram que terão pacotes em Imola. Na primeira corrida na Europa, praticamente todas as equipes trarão pelo menos algo de novo, até mesmo a lanterna Haas, na busca de recuperar um pouco mais da pressão aerodinâmica perdida com as novas regras.

É importante para as equipes conseguirem melhorar ao máximo os carros neste início de ano, já que muito dos recursos de desenvolvimento já estão voltados para 2022, quando a categoria terá um carro completamente novo. Além disso, há duas novas regras (o teto orçamentário e o escalonamento de desenvolvimento aerodinâmico) que entraram em vigor em janeiro e que complicam essa equação de quantos recursos colocar nos carros de 2021.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL