PUBLICIDADE
Topo

Pole Position

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

De olho no 3º lugar, Alpine lança carro com que Alonso fará retorno à F1

Carro da Alpine para a temporada 2021 foi lançado em evento online nesta terça-feira (02) - Reprodução
Carro da Alpine para a temporada 2021 foi lançado em evento online nesta terça-feira (02) Imagem: Reprodução
Julianne Cerasoli

Fã de Fórmula 1 desde a infância, Julianne Cerasoli nasceu em Bragança Paulista (SP) e hoje vive em Londres (Inglaterra). Atua como jornalista desde 2004, tendo trabalhado com diversos tipos de mídia ao longo dos anos, sempre como repórter esportiva e com passagem como editora de esportes do jornal Correio Popular, em Campinas (SP). Cobrindo corridas in loco na Fórmula 1 desde 2011, começou pelo site especializado TotalRace e passou a colaborar para o UOL Esporte em 2015, e para sites e revistas internacionais. No rádio, é a repórter de Fórmula 1 da Sistema Bandeirantes de Rádio desde 2017, e também faz participações regulares no canal Boteco F1, o maior dedicado à categoria no YouTube. Em 2019, Julianne criou o projeto No Paddock da F1 com a Ju, na plataforma Catarse, em que busca aproximar os fãs da Fórmula 1 por meio de conteúdo on demand e podcast exclusivo com personagens da categoria. Neste espaço: Única cobertura in loco de toda a temporada da Fórmula 1 na mídia brasileira, com informações de bastidores, entrevistas exclusivas, análises técnicas e uma pitada de viagens.

Colunista do UOL

02/03/2021 12h14

Sem a presença de sua grande estrela, Fernando Alonso, que se recupera de uma operação na mandíbula após acidente de bicicleta sofrido mês passado, a Alpine mostrou seu carro para a temporada 2021 cheia de novidades. A ex-Renault vem com nome e identidade visual novos, trocou de chefe, e terá o retorno do bicampeão espanhol, que será companheiro do francês Esteban Ocon.

A mudança da Renault para Alpine tem a ver com a reestruturação da montadora francesa sob a tutela do novo CEO, Luca De Meo. A ideia é usar a marca Alpine para centralizar tudo o que for relacionado à alta performance, de carros de luxo a toda a operação esportiva. Até por conta disso, toda a identidade visual da ex-Renault mudou, com a adoção do azul, associado historicamente à Alpine.

Falando durante o lançamento, Ocon disse que o objetivo da equipe é ir além dos três pódios conquistados, como Renault, na última temporada. ''Queremos que isso seja mais constante. Temos que focar em ter uma performance forte em todos os tipos de pistas, mal posso esperar para começar.''

Seu companheiro Alonso não pôde participar do lançamento, mas se disse animado por estar de volta ao grid. ''Tenho trabalhado muito para me preparar para a corrida de volta à Fórmula 1 e o objetivo é atacar desde o início. Pilotar o carro pela primeira vez será uma experiência muito emocionante e espero que ambas as fábricas possam aproveitar o momento. Temos uma equipe forte e, junto com o Esteban, devemos continuar o que começado ano passado gerar resultados fortes. Sabemos que vai ser uma temporada muito competitiva, mas estamos prontos para o desafio. O carro parece ser ótimo e tenho boas lembranças de correr com azul na Fórmula 1", lembrou o bicampeão, referindo-se às cores da Renault quando conquistou seus títulos.

No lançamento, a Alpine revelou ainda que Daniil Kvyat será o piloto reserva. O russo se viu sem vaga no grid depois que foi substituído, na AlphaTauri, pelo estreante Yuki Tsunoda.

No campo administrativo, sai o onipresente Cyril Abiteboul e chega, focado apenas na administração esportiva da equipe em si, Davide Brivio, várias vezes campeão na MotoGP e uma contratação de peso. No campo esportivo, é claro, o time terá o piloto que conquistou os dois títulos do time, em 2005 e 2006, e que está de volta aos 39 anos, vindo de duas temporadas em que experimentou de tudo um pouco: do título no Mundial de Endurance à estreia no Rally Dakar.

Ao seu lado, Esteban Ocon admite que sofreu até mais do que esperava depois de ficar um ano fora em 2019, mas ficou contente com seu final de temporada em que, de fato, estava andando bem mais próximo do ex-companheiro Daniel Ricciardo. O francês acredita que encontrou uma maneira melhor de acertar o carro, o que pode ser uma boa notícia para 2021.

Isso porque o projeto é uma continuidade do carro de 2020. No ano anterior, o grupo chefiado por Nick Chester e Pete Macin tinha chegado à conclusão de que o desenvolvimento aerodinâmico atingira seu limite, e redesenhou a parte dianteira do carro, aproximando-a da filosofia da Mercedes. Chester e Macin saíram da equipe no entre o final de 2019 e o começo de 2020 e foram substituídos por Pat Fry no papel de diretor técnico e Dirk de Beer como chefe de aerodinâmica. A mudança aconteceu em um momento longe do ideal, ainda que pelo menos o objetivo tenha sido atingido: a Renault terminou o ano na mesma quinta posição entre os construtores, mas pelo menos se aproximou da Mercedes em termos de rendimento.

São mudanças que levam tempo para serem compreendidas, então faz sentido imaginar que a performance do fim do ano, quando o time beliscou três pódios, será mais próxima do que veremos em 2021. A questão é quanto os rivais (Ferrari, Aston Martin e McLaren) vão conseguir evoluir.

É nesta competitiva briga pelo terceiro lugar entre os construtores que a Alpine deve se colocar em 2021, com Alonso e Ocon brigando para beliscar pódios ao longo da temporada, que começa dia 28 de março com o GP do Bahrein.