PUBLICIDADE
Topo

Pole Position

Sem Hamilton, Bottas conquista 5ª pole no ano. Brasileiro larga em último

Julianne Cerasoli

Fã de Fórmula 1 desde a infância, Julianne Cerasoli nasceu em Bragança Paulista (SP) e hoje vive em Londres (Inglaterra). Atua como jornalista desde 2004, tendo trabalhado com diversos tipos de mídia ao longo dos anos, sempre como repórter esportiva e com passagem como editora de esportes do jornal Correio Popular, em Campinas (SP). Cobrindo corridas in loco na Fórmula 1 desde 2011, começou pelo site especializado TotalRace e passou a colaborar para o UOL Esporte em 2015, e para sites e revistas internacionais. No rádio, é a repórter de Fórmula 1 da Sistema Bandeirantes de Rádio desde 2017, e também faz participações regulares no canal Boteco F1, o maior dedicado à categoria no YouTube. Em 2019, Julianne criou o projeto No Paddock da F1 com a Ju, na plataforma Catarse, em que busca aproximar os fãs da Fórmula 1 por meio de conteúdo on demand e podcast exclusivo com personagens da categoria. Neste espaço: Única cobertura in loco de toda a temporada da Fórmula 1 na mídia brasileira, com informações de bastidores, entrevistas exclusivas, análises técnicas e uma pitada de viagens.

Colunista do UOL

05/12/2020 15h00

Neste sábado (04), Valtteri Bottas conquistou a sua quinta pole position na temporada de 2020 da Fórmula 1 ao fazer o melhor tempo no classificatório do GP de Sakhir, no Barein. O finlandês anotou a marca de 53s377, com a segunda posição ficando com seu companheiro de equipe momentâneo George Russel, que registrou 53s403, seguido de Max Verstappen, que ficou em terceiro com o tempo de 53s433.

O classificatório foi marcado por muito equilíbrio, já que a diferença de Bottas para Russel foi de apenas 26 milésimos e para Verstappen de 56 milésimos.

As outras quatro poles aconteceram nos GPs de Spielberg, na Áustria; de Silverstone, na Grã-Bretanha; de Eifel, na Alemanha e o de Emília Romagna, na Itália. Foram as provas número um, cinco, onze e treze no calendário oficial deste ano da modalidade.

A vitória no classificatório deste fim de semana foi fundamental para o piloto finlandês, já que o jovem George Russell, de apenas 22 anos, é o grande candidato para assumir a vaga de Bottas na Mercedes em 2022 e tinha liderado o primeiro e segundo treino livre, na sexta (03).

Vale lembrar que o atual campeão Lewis Hamilton não esteve presente no treino livre e não competirá amanhã pois testou positivo para a COVID-19 na última segunda-feira (03). Essa é a primeira vez desde 2007 (ano de estreia na categoria) que o piloto britânico fica fora de um Grande Prêmio.

Bottas demonstrou certo alívio por ter conseguido a pole position mesmo não tendo melhorado seu tempo na última tentativa. "Era um final de semana diferente, com um novo companheiro, mas minha abordagem foi focar no meu trabalho, sem perder energia com outras coisas. Não foi uma das melhores classificações que eu fiz, então estou contente por ter sido suficiente."

Do outro lado da garagem da Mercedes, Russell perdeu pela primeira vez para um companheiro em uma classificação na carreira na F1, mas estava muito contente com a performance.

"Foi muito intenso, eu tive dois dias para me acostumar com algumas coisas e tinha tanto para aprender! Tive que adotar uma maneira bem diferente de pilotar, tentando desaprender o que estava fazendo na Williams e tentar algo diferente e, no final, acho que acertei tudo na última tentativa, E é fato que, se alguém falasse para mim que eu estaria em segundo no grid na semana passada, eu não acreditaria", disse o piloto, acostumado a ter como vitória passar para o Q2 aos sábados.

O inglês de 22 anos, que é considerado um sucessor natural para Hamilton, tendo vencido em todas as categorias por que passou na carreira, destacou o fato de ter ficado muito próximo de um piloto que sempre incomodou o heptacampeão em classificações.

"Valtteri forçou muito Lewis em termos de classificações ao longo dos últimos anos, e a diferença entre os dois sempre foi muito pequena, acho que a média histórica é de 0s1. E sabemos o quão bom Lewis é em classificações. Na corrida, vai ser a primeira vez que só tem um cara na minha frente em muito tempo! Espero que seja um dia difícil porque estou mais confortável em classificação."

Top 10 do classificatório do GP de Sakhir

1 - Valtteri Bottas/FIN - Mercedes - 53s377
2 - George Russel/ING - Mercedes - 53s403
3 - Max Verstappen/HOL - Red Bull - 53s433
4 -Charles Leclerc/ MON - Ferrari - 53s613
5 - Sergio Perez/MEX - Racing Point - 53s790
6 - Daniil Kyvat/RUS - AlphaTauri - 53s906
7 - Daniel Ricciardo/AUS - Renault - 53s957
8 - Carlos Sainz/ ESP - McLaren - 54s010
9 - Pierre Gasly/FRA - AlphaTauri - 54s154
10 - Lance Stroll/ CAN - Racing Point - 54s200

Q2

Com as Mercedes, Verstappen e Ferrari tentando passar para o Q3 com os pneus médios, para largarem com um composto mais durável para a corrida, a diferença entre os melhores tempos era impressionante após as primeiras tentativas: os cinco primeiro colocados estavam separados por apenas 53 milésimos.

Com as diferenças mínimas, dois pilotos que foram bem nos treinos livres, Esteban Ocon e Pierre Gasly, que teve uma volta deletada por ter saído da pista, estavam na zona de eliminação depois das primeiras temporadas, assim como Vettel (que abandonou sua volta com os médios), Norris e Grosjean. E o mais impressionante era ver Leclerc colocando a Ferrari em sexto com o composto médio, mais lento que macios, usados pela maioria.

Com o cronômetro zerado, Alex Albon acabou sendo eliminado com a Red Bull e vai largar em 12º, depois de ter feito a oitava melhor volta na primeira tentativa, mas não ter melhorado o suficiente na segunda. Vettel também acabou não melhorando e vai sair em 13º. Seu companheiro Leclerc voltou com os pneus macios e fez um tempo melhor, mas nem era necessário, porque ele já estava garantido no top 10. E Lando Norris abortou sua última volta e vai largar apenas em 15º.

Eliminados no Q2

11º Esteban Ocon (FRA/Renault) - 53s995
12º Alex Albon (TAI/Red Bull) - 54s026
13º Sebastian Vettel (ALE/Ferrari) - 54s175
14º Antonio Giovinazzi (ITA/Alfa Romeo) - 54s377
15º Lando Norris (ING/McLaren) - 54s693

Q1

O tráfego foi um grande problema durante toda a classificação, em uma pista de alta velocidade e 3,5km de extensão. Com todos os 20 pilotos na pista buscando fazer melhores tempos, e alguns carros precisando até de três voltas rápidas para conseguir tirar o máximo do pneu, além das diferenças de tempo menores entre os pilotos em uma pista tão curta e com poucas curvas, encontrar a pista livre foi fundamental. Com os macios, Verstappen foi o mais rápido.

Entre os eliminados, a Williams demonstrou o melhor desempenho do ano, empurrada pelo motor Mercedes nas retas, e viu Latifi fazer o 18º tempo e Jack Aitken, estreante, no lugar de Russell, o 17º, enquanto Fittipaldi ficou a meio segundo do companheiro Kevin Magnussen após as primeiras tentativas, com cinco carros entre os dois e o brasileiro ocupando a última posição com dois minutos para o final.

Fittipaldi chegou a melhorar seu tempo na última tentativa, assim como Magnussen, mas seguiu com o último tempo, 0s721 atrás do companheiro. O brasileiro já foi para a classificação sabendo que largaria em último depois de trocar elementos de sua unidade de potência, o que gerou uma punição. Fittipaldi herdou a alocação de motores do titular Romain Grosjean.

Magnussen acabou sendo eliminado também, e por muito pouco: apenas 85 milésimos. O dinamarquês vai largar em 16º. Latifi conseguiu ficar na frente de Aitken, com a dupla da Williams em 17º e 18º, e Kimi Raikkonen em 19º e vendo o companheiro Giovinazzi passando para o Q2.

Eliminados no Q1:
16º Kevin Magnussen (DIN/Haas) - 54s705
17º Nicholas Latifi (CAN/Williams) - 54s796
18º Jack Aitken (ING/Williams) - 54s892
19º Kimi Raikkonen (FIN/Alfa Romeo) - 54s963
20º Pietro Fittipaldi (BRA/Haas) - 55s426

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.