PUBLICIDADE
Topo

Pole Position

Como sequência de GPs "desconhecidos" aumenta abismo entre os times da F1

Sainz chegou a liderar com a McLaren em Portugal, mas acabou uma volta atrás - Divulgação/F-1
Sainz chegou a liderar com a McLaren em Portugal, mas acabou uma volta atrás Imagem: Divulgação/F-1
Julianne Cerasoli

Fã de Fórmula 1 desde a infância, Julianne Cerasoli nasceu em Bragança Paulista (SP) e hoje vive em Londres (Inglaterra). Atua como jornalista desde 2004, tendo trabalhado com diversos tipos de mídia ao longo dos anos, sempre como repórter esportiva e com passagem como editora de esportes do jornal Correio Popular, em Campinas (SP). Cobrindo corridas in loco na Fórmula 1 desde 2011, começou pelo site especializado TotalRace e passou a colaborar para o UOL Esporte em 2015, e para sites e revistas internacionais. No rádio, é a repórter de Fórmula 1 da Sistema Bandeirantes de Rádio desde 2017, e também faz participações regulares no canal Boteco F1, o maior dedicado à categoria no YouTube. Em 2019, Julianne criou o projeto No Paddock da F1 com a Ju, na plataforma Catarse, em que busca aproximar os fãs da Fórmula 1 por meio de conteúdo on demand e podcast exclusivo com personagens da categoria. Neste espaço: Única cobertura in loco de toda a temporada da Fórmula 1 na mídia brasileira, com informações de bastidores, entrevistas exclusivas, análises técnicas e uma pitada de viagens.

Colunista do UOL

30/10/2020 12h00

A Fórmula 1 está passando por uma fase do campeonato em que a capacidade de preparação das equipes para desafios novos está sendo testada. Afinal, por conta do coronavírus, a categoria foi obrigada a cancelar várias etapas e repô-las com circuitos que não utilizava fazia tempo, ou que são totalmente novos. Uma delas será realizada neste final de semana, no circuito de Imola, que não recebe a F1 desde 2006. E, de quebra, terá uma programação reduzida, com 1h30 de treino livre, realizado apenas no sábado, em comparação com as 4h que são realizadas normalmente, entre a sexta e o sábado.

No total, estão sendo utilizadas seis pistas que não estavam, originalmente, no calendário, sendo que duas delas são totalmente novas - Portimão, palco da etapa do último final de semana, e o traçado externo do Bahrein, que será a penúltima etapa. E, pelo que foi visto até agora, ao invés de embaralhar as cartas, essas pistas novas acabam aumentando a vantagem dos times grandes.

"É difícil saber sobre os detalhes do trabalho de simulação que as equipes grandes usam, já que eles querem manter isso em segredo", salientou o chefe da Racing Point, Otmar Szafnauer, perguntado pelo UOL Esporte se essa sequência evidencia ainda mais a vantagem dos grandes. "Nós também usamos o simulador para preparar para novos circuitos e, para esses que estão vindo em seguida, estamos fazendo o melhor que podemos para estarmos prontos quando chegamos nas pistas. Estamos fazendo o que podemos, mas é difícil comparar. Tenho ouvido rumores sobre o que os grandes fazem, mas não tenho 100% de certeza."

O time de Szafnauer é um bom exemplo: no GP da Rússia, último que estava no calendário original, seu piloto Sergio Perez foi o quarto colocado, 30s atrás do vencedor Valtteri Bottas, em uma prova que teve apenas um Safety Car logo no seu início. E, em Portugal, Perez ficou uma volta atrás.

"É claro que as equipes grandes têm vantagem quando corremos em pistas novas", concorda Franz Tost, chefe da AlphaTauri, outra equipe do meio do pelotão. "Eles têm todas as ferramentas para tirar o máximo possível de todas as informações que possuem, e isso faz com que a diferença aumente. Todos nós que não temos as mesmas ferramentas ficamos em desvantagem."

Dentro da apertada briga no meio do pelotão, é interessante notar como o desempenho da equipe com mais recursos entre elas, a Ferrari, vem tendo um desempenho melhor, pelo menos no caso de Charles Leclerc. É fato que o time vem trazendo peças novas para o carro, mas é bem provável que as ferramentas de simulação melhores também tragam uma parcela de ajuda para o time de Maranello.

"Também não sei o que eles estão fazendo, mas estas equipes que gastam mais do que a sua vão ter recursos melhores em todos os setores, não importa qual. Fazemos o melhor com o que temos: muita simulação. Mas suspeito que os outros estão fazendo mais", explicou Zak Brown, CEO da McLaren, que viu seu piloto Carlos Sainz chegar a liderar em Portugal e terminar uma volta atrás do vencedor.

Mas quão sofisticadas são essas simulações? Os times de F1 usam mapas 3D gerados por laseres, com todos os detalhes de topografia, cambagem, tipos de zebras, e qualquer detalhe extra que a pista possa ter. Essa informação é jogada no simulador, onde é possível testar diferentes acertos para o carro.

Mas nem são todas as equipes que têm seus próprios simuladores, e as ferramentas usadas não são as mesmas. É aí que os orçamentos até quase quatro vezes maiores de Mercedes, Red Bull e Ferrari fazem a diferença.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.