PUBLICIDADE
Topo

Pole Position

GP de Portugal: datas, horários e tudo sobre a corrida em Portimão

Imagem aérea do autódromo de Portimão, em Portugal - Divulgação
Imagem aérea do autódromo de Portimão, em Portugal Imagem: Divulgação
Julianne Cerasoli

Fã de Fórmula 1 desde a infância, Julianne Cerasoli nasceu em Bragança Paulista (SP) e hoje vive em Londres (Inglaterra). Atua como jornalista desde 2004, tendo trabalhado com diversos tipos de mídia ao longo dos anos, sempre como repórter esportiva e com passagem como editora de esportes do jornal Correio Popular, em Campinas (SP). Cobrindo corridas in loco na Fórmula 1 desde 2011, começou pelo site especializado TotalRace e passou a colaborar para o UOL Esporte em 2015, e para sites e revistas internacionais. No rádio, é a repórter de Fórmula 1 da Sistema Bandeirantes de Rádio desde 2017, e também faz participações regulares no canal Boteco F1, o maior dedicado à categoria no YouTube. Em 2019, Julianne criou o projeto No Paddock da F1 com a Ju, na plataforma Catarse, em que busca aproximar os fãs da Fórmula 1 por meio de conteúdo on demand e podcast exclusivo com personagens da categoria. Neste espaço: Única cobertura in loco de toda a temporada da Fórmula 1 na mídia brasileira, com informações de bastidores, entrevistas exclusivas, análises técnicas e uma pitada de viagens.

Colunista do UOL

22/10/2020 04h00

A Fórmula 1 está voltando a Portugal após 24 anos em um circuito que vai fazer sua estreia na categoria - e que é novidade para muitos no grid. Apenas dois pilotos já andaram na pista de Portimão: Lewis Hamilton testou com a McLaren em 2009 e Lando Norris fez um teste com um carro antigo, também da McLaren, em 2017, em sua preparação, antes de entrar na F1. Outros oito pilotos correram lá em categorias de base - Daniel Ricciardo, inclusive, foi campeão da Fórmula 3 Britânica no circuito português. Ou seja, isso também significa que será a primeira vez que metade do grid terá contato com a pista, construída em 2008.

O GP de Portugal, 12º de uma temporada de 17 etapas no total, é um dos adicionados ao calendário para repor parte das provas canceladas pelo coronavírus, e pode entrar na história: Lewis Hamilton está empatado com Michael Schumacher e pode se tornar o maior recordista em vitórias dos 70 anos da categoria se vencer em Portimão. E a Mercedes tem a primeira chance de conquistar o campeonato de construtores.

Para isso, eles precisam de um primeiro e um terceiro e que a Red Bull, vice-líder, não marque nenhum ponto. Isso é pouco provável, até porque o time de Max Verstappen vem crescendo no campeonato nas últimas provas.

Como acompanhar o GP de Portugal:

Sexta-feira, 23 de outubro

Treino livre 1, das 7h às 8h30: SporTV2

Treino livre 2, das 11h às 12h30: SporTV2

Sábado, 24 de outubro

Treino livre 3, das 7 às 8h: SporTV2

Classificação, das 10h às 11h: SporTV2

Domingo, 25 de outubro

Corrida, a partir das 10h10: TV Globo e BandNewsFM (transmissão começa às 9h30)

Raio-X do circuito de Portimão

Distância: 4.653m

Número de voltas: 66

DRS - 1 zona

1ª zona: detecção antes da curva 15 e ativação na reta principal

Pneus disponíveis: C1 (duros), C2 (médios) e C3 (macios)

Características da pista de Portimão

A grande característica da pista é a mudança de elevação constante ao longo da volta, algo de que os pilotos gostam e que faz com que várias curvas sejam cegas, ou seja, o piloto começa a virar sem ver como a curva acaba.

Apesar de ser um circuito novo, a pista de Portimão tem várias áreas de escape com brita, o que pune mais os erros dos pilotos e também acaba fazendo com que as intervenções de Safety Car sejam mais comuns.

A Pirelli admite que foi conservadora ao selecionar seus compostos mais duros, como também levar mais pneus duros que o normal para cada piloto, mas as freadas fortes da pista e as temperaturas mais altas do sul de Portugal influenciaram na decisão. E há outro fator que é desconhecido: a pista foi recapeada mês passado, então as equipes só vão saber exatamente como é o asfalto do circuito nos treinos de sexta-feira.

Parte dos treinos livres será usada para um teste cego de novas construções de pneus para 2021. Serão de 8 a 10 compostos avaliados por todos os pilotos, obrigatoriamente, na primeira meia hora da segunda sessão da sexta-feira. Os pilotos e as equipes não terão informações sobre os pneus, e nem saberão se o que eles testaram foi escolhido para a próxima temporada.

Curiosidades sobre o GP de Portugal

A corrida deste final de semana será a 17ª edição oficial do GP de Portugal, disputado em sua quarta casa diferente no país. A mais conhecida delas é o Estoril, palco da prova portuguesa de 1984 a 1996. Porém, duas pistas receberam a Fórmula 1 em seus primórdios: em 1958 e 1960, ela foi realizada no Circuito da Boavista, no Porto, e em 1959 aconteceu em Lisboa.

No Brasil, o GP de Portugal ficou marcado pela primeira vitória na carreira de Ayrton Senna, em 1985. E foi logo um grand chelem (pole, volta mais rápida e vitória liderando todas as voltas, ou seja, o resultado perfeito na Fórmula 1), e sob chuva torrencial, com a Lotus, no segundo ano do brasileiro na categoria. E foi, também, a única vitória brasileira na história do GP português.

A decisão do campeonato mais apertado da história da Fórmula 1 aconteceu no GP de Portugal: foi no Estoril que Niki Lauda bateu Alain Prost, seu companheiro de McLaren, e foi tricampeão mundial em 1984.

Mas o GP de Portugal mais célebre da história da F1 foi em 1958, quando Stirling Moss venceu e poderia ter selado o que seria seu único título, mas decidiu avisar a direção de prova de que eles tinham cometido uma injustiça com seu rival Mike Hawthorn, que fora desclassificado por uma irregularidade. Moss viu o lance de perto e sabia que o compatriota não tinha feito nada errado. Hawthorn foi campeão, se aposentou, e morreu em um acidente poucos meses depois.

Errata: o texto foi atualizado
Ao contrário do que informado anteriormente, Lando Norris fez um teste com um carro antigo, também da McLaren, em 2017 e não 2007. O erro foi corrigido.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.