PUBLICIDADE
Topo

Bottas diz que briga com Hamilton o fez ser melhor: "Faltam centésimos"

Lewis Hamilton celebra com o companheiro Valtteri Bottas após o treino de classificação na Toscana - Luca Bruno - Pool/Getty Images
Lewis Hamilton celebra com o companheiro Valtteri Bottas após o treino de classificação na Toscana Imagem: Luca Bruno - Pool/Getty Images
Julianne Cerasoli

Fã de Fórmula 1 desde a infância, Julianne Cerasoli nasceu em Bragança Paulista (SP) e hoje vive em Londres (Inglaterra). Atua como jornalista desde 2004, tendo trabalhado com diversos tipos de mídia ao longo dos anos, sempre como repórter esportiva e com passagem como editora de esportes do jornal Correio Popular, em Campinas (SP). Cobrindo corridas in loco na Fórmula 1 desde 2011, começou pelo site especializado TotalRace e passou a colaborar para o UOL Esporte em 2015, e para sites e revistas internacionais. No rádio, é a repórter de Fórmula 1 da Sistema Bandeirantes de Rádio desde 2017, e também faz participações regulares no canal Boteco F1, o maior dedicado à categoria no YouTube. Em 2019, Julianne criou o projeto No Paddock da F1 com a Ju, na plataforma Catarse, em que busca aproximar os fãs da Fórmula 1 por meio de conteúdo on demand e podcast exclusivo com personagens da categoria. Neste espaço: Única cobertura in loco de toda a temporada da Fórmula 1 na mídia brasileira, com informações de bastidores, entrevistas exclusivas, análises técnicas e uma pitada de viagens.

Colunista do UOL

16/09/2020 04h00

Os últimos três anos e meio têm sido bons e ruins para Valtteri Bottas: ao mesmo tempo em que ele tem vencido corridas e frequenta os pódios com frequência, em momento algum conseguiu desafiar Lewis Hamilton em uma disputa pelo título, mesmo tendo o mesmo carro desde que foi chamado para substituir Nico Rosberg, que decidiu se aposentar tão logo bateu o inglês em uma briga direta pelo campeonato de 2016, na Mercedes.

Após nove provas disputadas em 2020, Bottas é o vice-líder do campeonato, mas está muito longe de desafiar Hamilton: a diferença entre os dois é de 55 pontos, e o hexacampeão tem conseguido ser mais consistente tanto aos sábados, quanto aos domingos, e não dá sinais de que dará chances ao finlandês nas sete etapas restantes do campeonato.

Nas outras três temporadas que fez na Mercedes, Bottas, foi terceiro colocado em 2017, quinto em 2018 e vice-campeão ano passado, e acha que ter como companheiro o piloto que está prestes a se tornar o maior vencedor da história da F1 (Hamilton tem 90 vitórias e está a uma de igualar Michael Schumacher) tem feito com que ele se torne um piloto melhor.

"Claro que ele fez [eu me tornar melhor]", disse Bottas ao UOL Esporte. "Aprendi muito com o Lewis e ele faz com que eu continue me forçando para ser melhor. Não consigo identificar uma área em especial, até porque esse esporte tem muito a ver com detalhes, com refinar todos os pontos. Estou tentando me tornar um piloto melhor o tempo todo e estar ao lado de Lewis me traz uma grande motivação para tentar ser melhor e continuar forçando meus limites."

Uma evolução notável de Bottas tem sido nas classificações: foram várias as lutas por pole entre os dois que terminaram com menos de um décimo de diferença entre os dois, justamente em um quesito no qual Hamilton já é o melhor da história há tempos. E o ritmo de corrida do finlandês também melhorou, embora ele perca em três pontos fundamentais para Hamilton: as largadas do inglês são consistentemente melhores, ele é mais decidido nas ultrapassagens, como mostrou na recuperação do GP da Itália, e consegue fazer estratégias sub-ótimas funcionarem, como no GP da Grã-Bretanha do ano passado.

Apesar de lutar pelo título parecer uma missão quase impossível, com mais 182 pontos em jogo, Bottas acredita que pode tornar sua vida mais fácil se conseguir os centésimos de segundo de que precisa para bater Hamilton aos sábados. "Vou continuar forçando e vou continuar tentando melhorar. As coisas têm de virar para o meu lado em algum momento. Perdi muitas classificações só por alguns centésimos e acho que isso é o mais importante: tentar conseguir que esses centésimos fiquem do meu lado.

A próxima corrida da Fórmula 1 será dia 27 de setembro em um circuito no qual Bottas costuma ir bem, na Rússia.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.