PUBLICIDADE
Topo

"Verstappen favorito" e Racing Point otimista: o que esperar da corrida

Valtteri Bottas e Lewis Hamilton celebram a dobradinha na Espanha - LAT Images/Mercedes
Valtteri Bottas e Lewis Hamilton celebram a dobradinha na Espanha Imagem: LAT Images/Mercedes
Julianne Cerasoli

Fã de Fórmula 1 desde a infância, Julianne Cerasoli nasceu em Bragança Paulista (SP) e hoje vive em Londres (Inglaterra). Atua como jornalista desde 2004, tendo trabalhado com diversos tipos de mídia ao longo dos anos, sempre como repórter esportiva e com passagem como editora de esportes do jornal Correio Popular, em Campinas (SP). Cobrindo corridas in loco na Fórmula 1 desde 2011, começou pelo site especializado TotalRace e passou a colaborar para o UOL Esporte em 2015, e para sites e revistas internacionais. No rádio, é a repórter de Fórmula 1 da Sistema Bandeirantes de Rádio desde 2017, e também faz participações regulares no canal Boteco F1, o maior dedicado à categoria no YouTube. Em 2019, Julianne criou o projeto No Paddock da F1 com a Ju, na plataforma Catarse, em que busca aproximar os fãs da Fórmula 1 por meio de conteúdo on demand e podcast exclusivo com personagens da categoria. Neste espaço: Única cobertura in loco de toda a temporada da Fórmula 1 na mídia brasileira, com informações de bastidores, entrevistas exclusivas, análises técnicas e uma pitada de viagens.

Colunista do UOL

15/08/2020 15h49

Lewis Hamilton sabe que deu um passo e tanto para vencer o GP da Espanha ao marcar a pole position. Afinal, das 29 provas disputadas pela F1 no Circuito da Catalunha, 22 foram vencidas por quem largou em primeiro, em um circuito em que sempre foi difícil seguir um rival de perto por muitas voltas e, consequentemente, ultrapassar.

Mas, depois que as Mercedes tiveram bolhas nos pneus na última corrida, em Silverstone, enquanto Max Verstappen parecia imune ao problema e vencia a prova, Hamilton e Bottas, que larga em segundo, têm motivos para se preocupar. Apesar de o time não ter sofrido com bolhas neste final de semana, o calor ainda parece ser um desafio maior para a Mercedes do que para a Red Bull, como explicou Toto Wolff.

"A única semelhança entre esta corrida e Silverstone é a temperatura ambiente, porque a pista é diferente. Então não esperamos o mesmo tipo de problemas de bolhas, mas sim superaquecimento dos pneus e acho que a Red Bull é melhor que nós em relação a isso. O trabalho que fizemos ao longo da semana foi bom e estamos em uma situação melhor do que na última corrida. Mas, baseado no ritmo que ele mostrou na sexta-feira, Verstappen tem de ser considerado o favorito."

A vantagem da Red Bull parece ser maior com o pneu macio, com o qual todos no top 10 vão largar. Essa opção, inclusive, demonstra que será uma prova com duas paradas, como avaliou Kevin Magnussen, da Haas. "Mesmo para nós, que poderíamos arriscar porque largamos mais atrás, será difícil conseguir fazer só uma parada. Pode ser que alguns tentem, mas não acho que vale a pena."

Racing Point otimista

Depois de decepcionar no ritmo de corrida nas primeiras provas, a Racing Point acredita que entendeu de onde vinham os problemas com os pneus que estavam afetando as corridas e fez mudanças no acerto do carro. Os pilotos acham que não é suficiente para andar no ritmo de Verstappen e das Mercedes mas, largando em quarto e quinto lugares, Sergio Perez e Lance Stroll acreditam que, desta vez, não vão perder terreno na corrida, e têm uma briga particular com a outra Red Bull, de Alex Albon, que sai em sexto e costuma ter um ritmo muito melhor aos domingos do que aos sábados.

Ferrari vindo de trás?

Um dos carros que vem tendo ritmo de corrida melhor do que a Racing Point é a Ferrari, mas o time teve uma classificação ruim, com Leclerc em nono e Vettel, primeiro piloto que pode escolher o pneu com que larga, em 11º. "Foi uma grande decepção, tive muita dificuldade com a frente do carro e temos que entender o que aconteceu. Então não sei se é algo que podemos melhorar para a corrida", explicou Leclerc, enquanto Vettel segue reclamando de falta de confiança no carro mesmo após a troca de chassi.

Além das Racing Point, outra rival forte para a Ferrari na corrida é a McLaren. Principalmente Carlos Sainz, que finalmente conseguiu resolver os problemas de superaquecimento do carro com a troca de motor que a McLaren decidiu efetuar entre a sexta e sábado. Mas o time precisa melhorar seu trabalho nas paradas no box, que têm sido o ponto fraco na temporada.

De olho na largada

Como é muito difícil ultrapassar no Circuito da Catalunha e a distância para a primeira freada é grande (mais de 600m desde a posição do pole), os pilotos costumam arriscar mais nos primeiros metros do GP da Espanha. A corrida tem largada às 10h10 da manhã.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.