PUBLICIDADE
Topo

Pole Position

GP da Espanha: datas, horários e tudo sobre a corrida

Hamilton e Bottas em ação no GP da Espanha  - Albert Gea/Reuters
Hamilton e Bottas em ação no GP da Espanha Imagem: Albert Gea/Reuters
Julianne Cerasoli

Fã de Fórmula 1 desde a infância, Julianne Cerasoli nasceu em Bragança Paulista (SP) e hoje vive em Londres (Inglaterra). Atua como jornalista desde 2004, tendo trabalhado com diversos tipos de mídia ao longo dos anos, sempre como repórter esportiva e com passagem como editora de esportes do jornal Correio Popular, em Campinas (SP). Cobrindo corridas in loco na Fórmula 1 desde 2011, começou pelo site especializado TotalRace e passou a colaborar para o UOL Esporte em 2015, e para sites e revistas internacionais. No rádio, é a repórter de Fórmula 1 da Sistema Bandeirantes de Rádio desde 2017, e também faz participações regulares no canal Boteco F1, o maior dedicado à categoria no YouTube. Em 2019, Julianne criou o projeto No Paddock da F1 com a Ju, na plataforma Catarse, em que busca aproximar os fãs da Fórmula 1 por meio de conteúdo on demand e podcast exclusivo com personagens da categoria. Neste espaço: Única cobertura in loco de toda a temporada da Fórmula 1 na mídia brasileira, com informações de bastidores, entrevistas exclusivas, análises técnicas e uma pitada de viagens.

Colunista do UOL

13/08/2020 08h09

O GP da Espanha deve ser marcado pelo calor neste domingo, uma vez que a pandemia fez com que a prova mudasse de maio para agosto, no ápice do verão espanhol. E o calor deu um tempero especial para a última etapa, disputada no domingo passado, na Inglaterra: as Mercedes sofreram com bolhas nos pneus e Max Verstappen venceu a primeira do ano pela Red Bull.

As atenções também vão estar voltadas para a relação da Ferrari com Sebastian Vettel, depois que o alemão demonstrou ter perdido a paciência (e a confiança) em relação ao time após dois finais de semana muito difíceis em Silverstone.

Outro assunto do momento é a "revolução" das equipes contra a Racing Point devido à punição considerada branda pela cópia dos dutos de freio da Mercedes do ano passado. Ferrari e Renault formalizaram os apelos contra a decisão.

A Fórmula 1 chega à Espanha fazendo sua última parada na maratona de seis corridas em sete finais de semana seguidos. Lewis Hamilton é o líder absoluto do campeonato, com 30 pontos de vantagem para Verstappen.

Como acompanhar o GP da Espanha:

Sexta-feira, 14 de agosto
Treino livre 1, das 6h às 7h30: SporTV2
Treino livre 2, das 10h às 11h30: SporTV2

Sábado, 15 de agosto
Treino livre 3, das 7h às 8h: SporTV2
Classificação, das 10h às 11h: SporTV2

Domingo, 16 de agosto
Corrida, a partir das 10h: Globo e BandNewsFM (transmissão começa às 9h30)

Circuito da Catalunha

Distância: 4.655km
Recorde em classificação: 1min15s406 (Lewis Hamilton, Mercedes, 2019)
Recorde em corrida: 1min18s441 (Daniel Ricciardo, Red Bull, 2018)
Número de voltas: 66
DRS - 2 zonas
Zona 1: após a curva 9
Zona 2: após a curva 16 (reta dos boxes)
Pneus disponíveis: C1 (duros), C2 (médios) e C3 (macios)

Resultado em 2019

Pole position: Lewis Hamilton (ING/Mercedes) - 1min15s406
Pódio:
1º Lewis Hamilton (ING/Mercedes) - 1h35min50s443
2º Valtteri Bottas (FIN/Mercedes) + 4s074
3º Max Verstappen (HOL/Red Bull-Honda) +7s679

Características da pista da Catalunha

  • A pista de Barcelona acabou se tornando o destino oficial para a pré-temporada da Fórmula 1 por uma combinação entre uma pista que testa o limite do carro em diversas formas e sua posição geográfica, já que o inverno não é tão rigoroso na região como em outros lugares da Europa, e a proximidade de um aeroporto com boas conexões ajuda no fluxo de novas peças. Mas o principal é a pista, que tem uma reta longa, uma longa curva de alta velocidade (curva 3), outras curvas de alta e média velocidades e um último setor bastante travado. Por outro lado, por ser o circuito usado nos testes coletivos, ele também é aquele que os pilotos e equipes conhecem melhor.

  • A Pirelli está levando seus três pneus mais duráveis para o GP da Espanha. Trata-se dos mesmos três compostos usados no primeiro final de semana em Silverstone. Mas o asfalto do Circuito da Catalunha é menos liso que o inglês e espera-se mais calor: as máximas devem passar de 30ºC por todo o final de semana.

  • Outra característica do circuito espanhol é que seu asfalto é escuro, absorvendo bastante o calor. Então é esperado que a temperatura do asfalto supere, com facilidade, os 40ºC no final de semana. Isso, aliado a um Safety Car no final, foi o que provocou o fato dos quatro primeiros no ano passado na corrida terem optado por quatro estratégias diferentes. A maioria dos pilotos fez duas paradas durante a corrida.

  • A pole position é chamada de posição de honra, mas isso é ainda mais verdade no Circuito da Catalunha: em 29 provas disputadas pela Fórmula 1 no circuito, 22 foram vencidas pelo primeiro colocado no grid.

Curiosidades sobre o GP da Espanha

  • É o único GP em que costuma-se tocar dois hinos antes da largada, o espanhol e o da Catalunha. Isso passou a acontecer nos últimos anos, com o fortalecimento do movimento de separação da região do restante do país. Além disso, é o governo da Catalunha, e não o federal, que banca em grande parte a realização da corrida.

  • Michael Schumacher é o recordista de vitórias, com seis, sendo cinco com a Ferrari, que é a maior vencedora do GP da Espanha juntando-se os eventos disputados em todos os circuitos. A primeira vitória de Schumacher com a Ferrari foi justamente na Espanha, em 1996, sob chuva, e é considerada uma das melhores corridas da carreira do heptacampeão.

  • Vinte anos depois, o GP da Espanha seria o palco da primeira vitória de Max Verstappen. O holandês se tornou o piloto mais jovem a vencer na história da Fórmula 1 ao ganhar em sua estreia pela Red Bull, dominando a prova após os favoritos Lewis Hamilton e Nico Rosberg baterem logo no início do GP. Verstappen tinha 18 anos e 228 dias quando venceu, em um recorde que dificilmente vai cair um dia. Isso porque, depois da chegada do holandês, a F1 estabeleceu um limite mínimo de idade, de 18 anos.

  • Foi em um GP da Espanha que Lella Lombardi se tornou a primeira e única mulher a pontuar na Fórmula 1. Isso, em 1975, quando apenas os seis primeiros colocados pontuavam. Ela foi sexta colocada na prova, disputada no perigosíssimo circuito de Montjuic, em Barcelona.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.