PUBLICIDADE
Topo

Mercedes muda pintura do carro de 2020 para chamar atenção à diversidade

As cores da Mercedes para a temporada 2020 da Fórmula 1  - Mercedes/Divulgação
As cores da Mercedes para a temporada 2020 da Fórmula 1 Imagem: Mercedes/Divulgação
Julianne Cerasoli

Fã de Fórmula 1 desde a infância, Julianne Cerasoli nasceu em Bragança Paulista (SP) e hoje vive em Londres (Inglaterra). Atua como jornalista desde 2004, tendo trabalhado com diversos tipos de mídia ao longo dos anos, sempre como repórter esportiva e com passagem como editora de esportes do jornal Correio Popular, em Campinas (SP). Cobrindo corridas in loco na Fórmula 1 desde 2011, começou pelo site especializado TotalRace e passou a colaborar para o UOL Esporte em 2015, e para sites e revistas internacionais. No rádio, é a repórter de Fórmula 1 da Sistema Bandeirantes de Rádio desde 2017, e também faz participações regulares no canal Boteco F1, o maior dedicado à categoria no YouTube. Em 2019, Julianne criou o projeto No Paddock da F1 com a Ju, na plataforma Catarse, em que busca aproximar os fãs da Fórmula 1 por meio de conteúdo on demand e podcast exclusivo com personagens da categoria. Neste espaço: Única cobertura in loco de toda a temporada da Fórmula 1 na mídia brasileira, com informações de bastidores, entrevistas exclusivas, análises técnicas e uma pitada de viagens.

Colunista do UOL

29/06/2020 07h40

A Mercedes surpreendeu ao divulgar nesta segunda-feira que vai correr com uma pintura predominante preta na temporada 2020, como forma de chamar a atenção para a necessidade de promover a diversidade na Fórmula 1 e na própria equipe, além de simbolizar que a Mercedes se posiciona contra qualquer tipo de discriminação. O lançamento ocorre poucos dias antes da primeira corrida da temporada, que será neste final de semana, na Áustria.

O comunicado oficial apresentando a nova pintura diz que "nas últimas semanas, o movimento Black Lives Matter destacou o quanto precisamos de mais medidas e ações para lutar contra o racismo e todas as formas de discriminação. Temos orgulho de nossa cultura e nossos valores. Damos valor à contribuição de todas as pessoas. Mas, na nossa organização, só 3% dos membros se identificam como pertencentes de uma minoria étnica e só 12% são mulheres. Essa falta de diversidade mostra que precisamos de novas abordagens para atrair talento de várias áreas da sociedade que não atingimos ainda".

A iniciativa teve muito a ver com o engajamento de Lewis Hamilton, primeiro negro a disputar uma corrida de F1 e seis vezes campeão do mundo. "É muito importante que aproveitemos esse momento para educarmos, sejamos um indivíduo, marca ou companhia para trazer mudanças significativas para assegurar igualdade e inclusão. Eu sofri racismo em minha vida e vi minha família e amigos sofrerem o mesmo e falo do fundo do coração quando peço por mudança. Quando falei com Toto [Wolff, chefe da equipe] sobre o que esperava que pudéssemos atingir enquanto equipe, disse que era importante que nos mantivéssemos unidos. Então gostaria de agradecer a ele e aos acionistas da Mercedes por terem me ouvido e por terem entendido minhas experiências a paixões."

A própria Fórmula 1 também está promovendo uma ação, chamada We Race as One (corremos como um só, em inglês), para chamar a atenção a uma série de causas. Vários carros terão o símbolo do arco-íris, muito identificado no momento à luta contra o coronavírus e valorizando o trabalho dos profissionais de saúde. A questão da diversidade também será contemplada pela ação, com a busca de promover minorias dentro de um esporte tradicionalmente branco e masculino.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.