PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Pole Position


Calendário da nova F1 e pandemia atrapalham até "contrabando" das equipes

Mercedes testa procedimentos anti-coronavírus com Lewis Hamilton - Mercedes/Dilvulgação
Mercedes testa procedimentos anti-coronavírus com Lewis Hamilton Imagem: Mercedes/Dilvulgação
Julianne Cerasoli

Fã de Fórmula 1 desde a infância, Julianne Cerasoli nasceu em Bragança Paulista (SP) e hoje vive em Londres (Inglaterra). Atua como jornalista desde 2004, tendo trabalhado com diversos tipos de mídia ao longo dos anos, sempre como repórter esportiva e com passagem como editora de esportes do jornal Correio Popular, em Campinas (SP). Cobrindo corridas in loco na Fórmula 1 desde 2011, começou pelo site especializado TotalRace e passou a colaborar para o UOL Esporte em 2015, e para sites e revistas internacionais. No rádio, é a repórter de Fórmula 1 da Sistema Bandeirantes de Rádio desde 2017, e também faz participações regulares no canal Boteco F1, o maior dedicado à categoria no YouTube. Em 2019, Julianne criou o projeto No Paddock da F1 com a Ju, na plataforma Catarse, em que busca aproximar os fãs da Fórmula 1 por meio de conteúdo on demand e podcast exclusivo com personagens da categoria. Neste espaço: Única cobertura in loco de toda a temporada da Fórmula 1 na mídia brasileira, com informações de bastidores, entrevistas exclusivas, análises técnicas e uma pitada de viagens.

Colunista do UOL

18/06/2020 04h00

As mudanças na volta da Fórmula 1 às pistas não vão se limitar a corridas sem público e cerimônia de pódio, uso de máscara ou profissionais passando por testes contínuos e em isolamento nos hotéis. O campeonato apertado devido à pandemia e as restrições a viagens são outros fatores que vão complicar uma prática comum entre as equipes: o envio de peças usando funcionários.

Isso é um algo que já ocorre há muitos anos e serve tanto para garantir a chegada de peças novas, que não puderam ficar prontas antes que o restante do equipamento fosse enviado à pista, quanto de peças de reposição. Para que elas cheguem rapidamente à pista, as equipes simplesmente pagam a viagem para um funcionário, que leva a peça em sua bagagem.

Mas agora, com todas as restrições da Fórmula 1 pelo menos nas etapas iniciais do campeonato, que começa dia 5 de julho, na Áustria, esse trânsito será interrompido, até porque as equipes viajarão em voos organizados pela própria categoria, para evitar contato externo. Em relação a peças novas, isso não seria um problema, já que uma das medidas para diminuir os custos desta temporada é o praticamente congelamento do desenvolvimento aerodinâmico. Mas a questão das peças de reposição se tornou uma dor de cabeça para as equipes.

Para piorar, o calendário divulgado até agora prevê a disputa de oito provas em dez finais de semana, e a expectativa é que seja adicionada mais uma corrida na Itália ao final desta sequência, totalizando nove GPs em 11 finais de semana. E o início será justamente no Red Bull Ring, conhecido pelas zebras altas, "inimigas" de assoalhos e asas dianteiras.

"É um desafio único para nós porque, se você tiver duas corridas seguidas, envia o necessário para fazer uma corrida e ter algumas peças de reposição para a segunda", explicou o chefe operacional da Mercedes, Rob Thomas.

"Se você tiver um problema na primeira corrida, dá para administrar a segunda, já que as peças de reposição estão lá. Mas tendo três corridas seguidas, de repente você pode ficar sem peças suficientes. Essa é uma grande dor de cabeça para nossa fábrica, para assegurarmos que os caras lá na pista tenham as peças de que precisam."

Até agora, já está certo que haverá duas sequências de três corridas em finais de semana seguidos (duas na Áustria e uma na Hungria no início da temporada, e duas na Inglaterra e uma terceira na Espanha entre o fim de julho e o início de agosto). E há a expectativa de que uma segunda corrida na Itália seja confirmada, gerando uma terceira rodada tripla (começando com o GP da Bélgica, no final de agosto).

O fato das fábricas das equipes terem ficado fechadas por mais de 60 dias por conta do lockdown na Europa e também seguindo determinação da federação de automobilismo, gera mais um fator complicador, já que a produção de peças de reposição foi atingida.

"Poderíamos ter várias peças de reposição, mas é muito caro e não queremos desperdiçar, e sim ser eficientes. Então é algo que temos de julgar. O que vamos fazer é tentar identificar as peças que têm mais chances de quebrarem durante a corrida e nos certificar que possamos produzi-la rapidamente."

Isso, no caso da toda-poderosa Mercedes. Para equipes com orçamento mais apertado, preservar ao máximo os carros será importante em um campeonato que está se desenhando para ter 18 corridas entre 5 de julho e 13 de dezembro.

Pole Position