PUBLICIDADE
Topo

Paulo Anshowinhas

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Parque do Ibirapuera vai ganhar pista de skate pública em 2022

Skatistas Ibiraboys da primeira geração - Alexandre Hanaoka/Arquivo Pessoal
Skatistas Ibiraboys da primeira geração Imagem: Alexandre Hanaoka/Arquivo Pessoal
Conteúdo exclusivo para assinantes
Paulo Anshowinhas

Paulo Anshowinhas é skatista pioneiro, jornalista, radialista e comunicador. Foi juiz do Mundial de skate da Alemanha, chefe da delegação no Mundial do Canadá, comentarista do X Games e fundador da revista Yeah! Skate is my life.

Colunista do UOL

08/12/2021 19h23

Agora é oficial. Uma das mais antigas demandas dos skatistas paulistanos deve finalmente sair do papel em 2022, com a construção de uma pista pública de skate no Parque do Ibirapuera.

A afirmação foi feita através de nota conjunta entre a Nike, hoje representada pela Fisia, em parceria com a Urbia Parques, gestora que tem a concessão do Parque do Ibirapuera por 35 anos, para a abertura de cinco novos espaços poliesportivos abertos ao público, além da realização de atividades gratuitas para todos os frequentadores.

"O acordo contempla o desenvolvimento de duas quadras de areia para a prática de esportes como o futevôlei, vôlei de praia e beach tênis, um skate parque e um espaço multiesportivo, localizado na área de bem-estar do Parque. Trata-se da primeira vez que o Ibirapuera contará com espaços específicos para estas modalidades, o que atenderá uma demanda recorrente de solicitações dos usuários. O projeto, que tem a finalidade de melhorar a experiência dos frequentadores do Ibirapuera, tem previsão de inauguração para o primeiro semestre de 2022.", diz a nota.

Pista no Ibirapuera é sonho antigo

Uma pista no principal parque da cidade já gerou embate, debate e manifestações de skatistas desde a década de 80, período em que a Prefeitura era sediada onde hoje se localiza o Museu Afro Brasil, no final da Marquise.

O prefeito da época, Jânio Quadros, descontente com o barulho dos skates em frente ao seu gabinete resolveu proibir a prática da modalidade no Parque do Ibirapuera e, posteriormente, proibiu o skate em toda a cidade.

Manifestações de skatistas culminaram com o movimento Andar de Skate Não É Crime, pela liberdade de expressão e prática esportiva, e foi encampado pela candidata a prefeita na época Luiza Erundina, que se comprometeu a liberar o skate na cidade caso eleita, e conseguir uma pista pública no Ibirapuera.

Erundina foi eleita e um dos seus primeiros atos foi liberar o skate novamente na cidade e no Parque, mas a demanda da pista foi deixada de lado para futuras administrações.

Em 2016, a artista coreana Koo Jeong A, foi convidada pelos curadores da 32ª Bienal de São Paulo, para projetar e instalar uma de suas esculturas, em formato de um bowl totalmente skatável, ao lado do prédio da Bienal, batizada com o nome de Arrogação.

Escultura de bowl - Marcos Hiroshi/Red Bull - Marcos Hiroshi/Red Bull
Escultura de bowl da artista Koo Jeong A em frente a Bienal do Ibirapuera em 2016
Imagem: Marcos Hiroshi/Red Bull

Como a obra e o projeto eram temporários, com data para ser destruído, skatistas liderados pelo grupo Ibiraboys, os mesmos que começaram as manifestações pela liberação do skate na cidade nos anos 80, se uniram novamente para pedir que a pista permanecesse no local, em vez de ser destruída.

Um desses protestos teve a presença das primeiras gerações originais de Ibiraboys com Fábio Bolota, Harry Jumonji, Jun Hashimoto, Paulo Anshowinhas, Álvaro Porque, Ari Bason, e o apoio do americano Eddie Reategui, e conseguiu apoio de advogados em prol da causa.

A questão foi parar na Justiça, e por força de liminar, a pista de concreto em formato de bowl ainda durou mais alguns meses além do previsto inicialmente, mas depois foi totalmente isolada e finalmente aterrada.