PUBLICIDADE
Topo

Paulo Anshowinhas

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Como o Brasil se tornou potência mundial do skate

Kelvin Hoefler com medalha olímpica em Tóquio - Julio Detefon/CBSK
Kelvin Hoefler com medalha olímpica em Tóquio Imagem: Julio Detefon/CBSK
Conteúdo exclusivo para assinantes
Paulo Anshowinhas

Paulo Anshowinhas é skatista pioneiro, jornalista, radialista e comunicador. Foi juiz do Mundial de skate da Alemanha, chefe da delegação no Mundial do Canadá, comentarista do X Games e fundador da revista Yeah! Skate is my life.

Colunista do UOL

25/11/2021 04h00

Medalhas olímpicas, títulos mundiais, eventos internacionais e nível acima da média.

Existem muitos fatores para tentar explicar como o Brasil se tornou uma potência mundial do skate dentro um seleto grupo de países de primeiro mundo que inclui apenas os Estados Unidos, o Japão e a Austrália.

Com três medalhas olímpicas prateadas em sua estreia —com Kelvin Hoefler e Rayssa Leal no street, e Pedro Barros no park—, o skate brasileiro virou vitrine do mundo, ao mesmo tempo em que as conquistas de competições por brasileiros não param de acontecer em todos os principais eventos nos últimos tempos.

Uma das melhores hipóteses para essa explosão de títulos dos brasileiros vem da existência de uma indústria nacional de skate. Poucos países no mundo até hoje fabricam peças e equipamentos próprios, exceto o líder mundial absoluto —Estados Unidos. Brasil, um pouco no México e claro, na China.

O skatista Pedro Barros - Julio Detefon/CBSK - Julio Detefon/CBSK
Pedro Barros Medalha Olimpica
Imagem: Julio Detefon/CBSK

No Brasil, as origens começaram no final dos anos 70 quando fabricantes de brinquedos e de patins, como Bandeirantes, Nakano e Torlay, criaram skates como opção de venda. Nos anos 80, esses nomes foram substituídos por marcas genuinamente criadas por skatistas brasileiros como Urgh!, Lifestyle, Anarquia, Narina, Costa Norte, DM, Crail, Plancton, H. Prol, Blockhead, Metal Crazy, Canion e muitas outras.

Algumas delas, como Sims, Mad Rats e Santa Cruz, eram cópias de marcas americanas registradas genuinamente, o que gerou na época revolta, muita discussão e processos jurídicos por questões de pirataria.

Hoje, a Sims não está mais no mercado, Mad Rats está regularizada e a Santa Cruz original da Califórnia é importada, distribuída e comercializada legalmente por aqui.

Mesmo com alguns desses problemas, o surgimento desse mercado impulsionou o skate amador no Brasil, com patrocínio a skatistas, campeonatos e mídia especializada que desde os anos 70 vem divulgando esses eventos como revista Esqueite, Jornal do Skate, Visual Esportivo, Yeah! Skate, Overal, Yeah! TV, Tribo Skate, sendo que Grito da Rua, Cemporcento Skate e Vista permanecem até hoje.

Em 1986, o Brasil enviou uma delegação para o primeiro grande campeonato mundial de skate realizado em Vancouver, no Canadá com o nome de Transworld Skateboarding Championships, em formato olímpico, com desfile de delegações, uniformes e plateia de mais de 30 mil pessoas, mas não obteve nenhum pódio.

Delegação brasileira de skate no Canadá em 1986 - Fernando Tassara/Arquivo Pessoal - Fernando Tassara/Arquivo Pessoal
Delegação brasileira de skate Mundial do Canadá 86
Imagem: Fernando Tassara/Arquivo Pessoal

Em 1988, o Sea Club Overall Skate Show, trouxe para São Paulo, uma dupla americana que estava em evidência na época como grandes estrelas do evento, os membros da equipe Powell Peralta: Lance Mountain e Tony Hawk.

Em 1989, o paulistano Lincoln Dyo Ueda conseguiu terminar em quarto lugar no Munster Monster Mastership, mundial de skate da Alemanha, melhor posição até então.

A partir dos anos 90, eventos profissionais e internacionais começaram a surgir pelo Brasil em grande escala enquanto skatistas brasileiros começaram a se destacar no exterior. Foi o caso de Rodrigo Digo de Meneses, o Digo, que venceu o Mundial da Alemanha, em 1995, mesmo ano em que Bob Burnquist vencia em Vancouver, o Slam City Jam.

Essas vitórias motivaram muitos skatistas brasileiros a viver na Califórnia, maior meca do esporte, onde aprimoraram suas técnicas, e podiam participar de uma quantidade cada vez maior de competições com prêmios em dinheiro.

Leticia Bufoni - Julio Detefon/CBSK  - Julio Detefon/CBSK
Leticia Bufoni, durante treino do street skate em Tóquio
Imagem: Julio Detefon/CBSK

O X Games e a Street League, principais campeonatos mundiais de skate, consolidaram o potencial brasileiro que desde então tem assumido o lugar mais alto do pódio com Sandro Dias, Bob Burnquist, Leticia Bufoni, Karen Jonz, Kelvin Hoefler, Luan Oliveira, Pedro Barros, Ítalo Penarrubia, Pamela Rosa e Gui Khouri.

Estamos bem, mas ainda falta muito para disputarmos o mercado com americanos

Para o empresário Felipe Vital, 50, sócio fundador do Grupo G5 (que detém os direitos das marcas Diamond Supply, DGK, Posso, Grizzly e Thank You), "nada é construído sozinho".

"Tudo é uma engrenagem que funciona junto, tem um pouco de tudo, mas o principal é o potencial dos skatistas brasileiros que mesmo antes sem condição nenhuma conseguiram alcançar pódios relevantes desde Ueda, Bob, Rodrigo TX...", prossegue.

Lincoln Ueda - artvideophoto/Reprodução Instagram - artvideophoto/Reprodução Instagram
Skatista Lincoln Ueda em half pipe na California
Imagem: artvideophoto/Reprodução Instagram

"Hoje temos muitas marcas nacionais com relevância, coisa que na Europa sempre foi raro de ver. Porém, ainda é impossível de compararmos o nosso mercado com os Estados Unidos, isso está muito longe ainda. E para isso acontecer precisam ter mais profissionais de skate com um mercado mais profissionalizado para que, daqui os próximos anos, possamos alcançar essa meta. Se parar para pensar que as próximas Olimpíadas serão em Paris daqui apenas três anos, e Los Angeles em sete anos, imagine como o skate vai estar em sete anos", questiona.

O fundador da marca Urgh! Skates, Jorge Kuge, 58, considera que "é uma soma de vários fatores. Primeiro, a paixão do brasileiro pelo skate, e toda a dificuldade de praticar no Brasil desde os primórdios. Mas eu acho que boa parte desse sucesso todo vem da força da primeira geração, que criou um indústria, um mercado que não existia, e começou a dar condições para os skatistas evoluírem".

"Se formou uma base da indústria nacional, e assim sucessivamente. A tentativa de criação de entidades para se regularizar o esporte desde os anos 80 também ajudou, e o sonho veio a se realizar mesmo nos anos 90, quando Bob e Digo conseguiram as primeiras colocações em competições internacionais, o que provou que estávamos no caminho certo", continua.

A skatista Rayssa Leal - Julio  Detefon/CBSK - Julio  Detefon/CBSK
Rayssa Leal Medalha Olimpica
Imagem: Julio Detefon/CBSK

"Nos anos 90, houve um êxodo em massa dos nossos skatistas para os Estados Unidos, e mesmo que nossos equipamentos não estivessem com padrão internacional, os bons resultados dos brasileiros no exterior inspiraram os skatistas brasileiros e a indústria nacional a crescer, além de melhorar a qualidade técnica e de performance. Com as entidades se consolidando e com a entrada de verbas públicas para apoiar, aplicar e incentivar ainda mais os skatistas que querem entrar na parte competitiva, e agora com o ciclo olímpico, o Brasil por direito tem seu espaço entre os melhores", ressalta Kuge.

"Mas o que eu vejo é um esforço em conjunto das primeiras gerações que agora virou realidade, que sofreu bastante a escassez de produtos, porque não podíamos importar, os preços eram inacessíveis, e acabamos criando nossos próprios ídolos, com uma história Made in Brazil, de pessoas muito apaixonadas. Quem vê de fora pergunta como que do nada, os brasileiros conquistaram quase tudo, e com certeza as próximas gerações irão se beneficiar ao longo dos anos, e essa é a fórmula do sucesso da nossa potência no skate mundial", resume.

O presidente da Confederação Brasileira de Skate (CBSK), Eduardo Musa também tem sua visão de como chegamos tão alto:

"Os skatistas brasileiros sempre fizeram o próprio 'corre' para viver do skate. Os grandes nomes se estabeleceram e construíram a carreira dessa forma. A partir da entrada do skate nas Olimpíadas, abriram-se vários caminhos para a estruturação do skate institucional", avalia.

"Isso, com certeza, também está contribuindo e entendo que foi um fator determinante para o êxito dos skatistas do Brasil ao longo de toda a corrida olímpica e nos Jogos de Tóquio. Então, acredito que o sucesso dos brasileiros seja fruto dessa somatória de fatores: qualidade técnica, vontade de fazer acontecer e estrutura. Tudo isso junto permite o desenvolvimento do skate como esporte de alto rendimento", conclui o dirigente.