PUBLICIDADE
Topo

Olhar Olímpico

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Vôlei: Brasil vence a 10ª na Liga das Nações e fecha primeira fase no Top3

Julia Bergmann bloqueia em jogo da seleção feminina de vôlei - FIVB
Julia Bergmann bloqueia em jogo da seleção feminina de vôlei Imagem: FIVB
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

02/07/2022 12h48

Mesmo muito renovada, a seleção brasileira feminina de vôlei continua entre as melhores do mundo. Neste sábado (2), o time de José Roberto Guimarães fechou a fase de classificação da Liga das Nações com sua décima vitória em 12 jogos, assegurando no mínimo uma das três primeiras posições desta primeira etapa do torneio.

Ao fim da vitória por 3 sets a 1 sobre a Tailândia (25/18, 26/24 e 23/25 e 25/23) em Sofia (Bulgária), o Brasil chegou a 29 pontos, por enquanto na primeira colocação. Mas os Estados Unidos, que têm 27 pontos, ainda fazem dois jogos e podem bater em 33, assim como o Japão, que tem 24 e, se vencer suas duas últimas partidas por 3 a 0 ou 3 a 1, atinge 30.

O problema é que o novo regulamento da Liga das Nações assegura ao dono da casa na fase final o posto de primeiro cabeça de chave. Isso dá à Turquia o privilégio de enfrentar o oitavo colocado da fase de classificação, mesmo estando apenas em sexto. Se confirmar seu favoritismo e vencer ou Turquia ou Alemanha nas duas últimas rodadas, hoje e amanhã, os EUA terminam em primeiro e enfrentam o sétimo colocado.

E aí pode vir o Brasil. O Japão fez ótimos jogos nas duas primeiras semanas, mas em Calgary (Canadá) perdeu de Holanda e Turquia. Se também não conseguir vencer Sérvia ou Bélgica por 3 a 0 ou 3 a 1, fica atrás da seleção brasileira, o que é bom para as japonesas.

Como cabeça de chave número 4 ou 5, o Japão cairia na chave da Turquia e fugiria de Brasil e EUA em uma eventual semifinal, deixando para os dois finalistas de Tóquio-2020 decidirem uma vaga na final. Isso, claro, se os dois favoritos passarem pelas quartas, quando devem enfrentar Itália, Sérvia ou China.

Isso só será definido após o fim da fase de classificação, amanhã à noite. Para o Brasil a etapa já acabou, com 10 vitórias em 12 jogos e derrotas apenas para Itália e EUA. O time também teve trabalho contra a China (venceu por 3 a 2) e contra a Turquia (ganhou de 3 a 1).

Hoje, esperava-se uma partida mais tranquila contra a Tailândia, que tenta pegar a última vaga na fase final. Diante de um time da escola asiática, o Brasil defendeu bem para ganhar fácil o primeiro set, por 25 a 18, com Gabi como destaque tanto na defesa quanto no ataque.

O jogo começou a complicar no segundo set, quando as tailandesas passaram a neutralizar melhor o ataque brasileiro, que tinha dificuldades em colocar a bola no chão. A Tailândia chegou a ter ótima chance de fazer 24 a 23, mas Kisy defendeu ataque forte, Julia Bergmann levantou de manchete e Gabi virou uma bola incrível. Depois, Julia fechou o set com um ace, mostrando que o Brasil tinha recursos para sair das adversidades.

A coisa desandou no terceiro set, quando Kisy parou de virar bolas e o saque tailandês desestabilizou a defesa do Brasil. José Roberto Guimarães, que trocou Macris por Roberta, reclamava que o time estava sem paciência, enquanto que o time asiático chegava em todas as bolas e acabou vencendo por 25 a 23.

O jogo terminou no quarto set, apesar de a Tailândia chegar a abrir três pontos e vantagem em 18 a 15. Mas, com Gabi no saque, a virada veio em 21 a 18 e, a partir dali, foi ir virando bolas até fechar a partida. Com 17 pontos, Julia Bergmann foi a principal pontuadora da partida. Carol anotou 14, sendo três de bloqueio, superando a marca de 50 pontos de bloqueio no torneio. A segunda desta estatística tem 38. Gabi, que fez o último ponto do jogo, também anotou 14 hoje.