PUBLICIDADE
Topo

Olhar Olímpico

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Atletismo brasileiro convoca 52 para o Mundial, e número pode aumentar

Darlan Romani durante a final do arremesso de peso no estádio olímpico de Tóquio - Jonne Roriz/Jonne Roriz/COB
Darlan Romani durante a final do arremesso de peso no estádio olímpico de Tóquio Imagem: Jonne Roriz/Jonne Roriz/COB
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

01/07/2022 17h20

O Brasil terá uma delegação inflada no Campeonato Mundial de Atletismo, que começa daqui a duas semanas em Eugene (Oregon), nos Estados Unidos. Apesar de só 19 atletas terem atingido o índice técnico necessário para o torneio, a Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) anunciou hoje a convocação de 52 competidores. E a lista pode aumentar, em caso de possíveis desistências de outros países.

No ciclo olímpico passado, a World Athletics (antiga IAAF) criou um novo modelo de ranking, que vale para classificar atletas para Olimpíada e Mundiais, e que dá pontos a cada apresentação de um atleta, considerando classificação, marca e nível do torneio. É desse ranking que vem a maior parte dos brasileiros classificados para o Mundial. Outra parte relevante da delegação se qualificou ao vencer o Sul-Americano.

O tema é polêmico dentro do atletismo. De um lado, convocar atletas que conseguiram vaga no Mundial dentro dos critérios universais, mesmo sem marcas que os permitam sonhar com uma final, é uma forma de reconhecimento ao trabalho deles. De outro, uma delegação muito grande reduz as possibilidades de dedicação de comissão técnica, médicos, fisioterapeutas, etc, para quem pode brigar por medalha. Além disso, quanto menos rígidos os critérios, menos estímulo para melhora de marcas.

Em Tóquio, esse problema ficou evidente. O Brasil levou uma delegação de 53 atletas no atletismo, mas só sete deles passaram da primeira fase de suas provas, mesmo número de Londres-2012, quando o time teve 36 pessoas. O que se viu no Japão foi uma legião de brasileiros sendo eliminados logo de cara.

Em Eugene, o Brasil tem chances de medalha com seis atletas, especialmente: Piu lidera o ranking mundial dos 400m com barreiras e é forte candidato ao ouro, Thiago Braz é o terceiro no salto com vara, Caio Bonfim o sexto na marcha atlética 20km (atrás de quatro russos que não vão ao Mundial), Darlan Romani o sétimo no arremesso de peso, enquanto Rafael Pereira e Daniel do Nascimento aparecem em nono nos rankings dos 110m com barreiras e da maratona. Piu também teria chances nos 400m rasos (é 12º do ranking, atrás de sete americanos), mas ele não trabalha para esta prova e não a correrá no Mundial.

O 4x100m masculino vai ao Mundial desfalcado de Paulo André Camilo, mas com três dos atletas que correram em Tóquio. O feminino não se classificou, depois de queimar diversas apresentações e ficar apenas em 11º na Olimpíada. Dona dos melhores resultados do Brasil entre as mulheres nos últimos anos, Erica Sena, da marcha atlética está afastada do esporte porque teve bebê recentemente.

Sem Nubia Soares, que novamente vai perder um Mundial por lesão, desta vez na panturrilha, o grande nome da delegação feminina deverá ser Vitória Rosa, finalista do Mundial Indoor nos 60m rasos. Ela é a 42ª do ranking mundial dos 100m. Na temporada outdoor, os resultados mais expressivos entre as mulheres foram conquistados por Tatiane Raquel, 19ª colocada do ranking dos 3.000m com obstáculos, com novo recorde sul-americano.

De qualquer forma, o Brasil tem grandes chances de alcançar sua melhor campanha da história em Mundiais pensando no quadro de medalhas. O país tem só 13 pódios nesta competição, sendo uma de ouro (de Fabiana Murer em 2011) e seis de prata. Até hoje, só uma vez o Brasil ganhou mais de uma medalha em uma única edição: em 1999, voltou com duas pratas e um bronze.

Confirma os convocados:

Feminino

Vitória Rosa (Pinheiros-SP) - 100 m e 200 m
Tiffani Marinho (Orcampi-SP) - 400 m e 4x400 m misto
Tabata Vitorino (AA Maringá-PR) - 4x400 m misto
Ketiley Batista (ASPMP-SP) - 100 m com barreiras
Chayenne Pereira (Pinheiros-SP) - 400 m com barreiras
Tatiane Raquel da Silva (IPEC-PR) - 3.000 m com obstáculos
Simone Ferraz (Jaraguá do Sul-SC) - 3.000 m com obstáculos
Letícia Oro Melo (Corville-SC) - salto em distância
Eliane Martins (Pinheiros-SP) - salto em distância
Gabriele Sousa Santos (Pinheiros-SP) - salto triplo
Andressa de Morais (Pinheiros-SP) - lançamento do disco
Fernanda Martins (AABLU-SC) - lançamento do disco
Izabela Rodrigues da Silva (IEMA-SP) - lançamento do disco
Jucilene Lima (IEMA-SP) - lançamento do dardo
Livia Avancini (IPEC-PR) - arremesso do peso
Mariana Marcelino (IEMA-SP) - lançamento do martelo
Viviane Lyra (AEFV-RJ) - 20 km e 35 km marcha atlética
Elianay Pereira (CASO-DF) - 35 km marcha atlética
Mayara Vicentainer (AABLU-SC) - 35 km marcha atlética

Masculino

Erik Cardoso (SESI-SP) - 100 m e 4x100 m
Felipe Bardi (SESI-SP) - 100 m, 200 me 4x100m
Rodrigo do Nascimento (CT Maranhão-MA) - 100 m e 4x100 m
Gabriel Aparecido Garcia (Adefut-SP) - 4x100 m
Derick Souza (Pinheiros-SP) - 4x100 m
Lucas Rodrigues da Silva (Equipe Medex-RJ) - 200 m
Lucas Vilar (SESI-SP) - 200 m
Lucas Carvalho (Pinheiros-SP) - 400 m e 4x400 m misto
Vitor Hugo de Miranda (Orcampi-SP) - 4x400 m misto
Douglas Mendes (Balneário Camboriú-SC) - 4x400 m misto
Thiago André (CT Maranhão-SP) - 800 m - 1.500 m
Altobeli Silva (Joana D'Arc-SP) - 5.000 m - 3.000 m c/obstáculos
Rafael Pereira (Clã Delfos-MG) - 110 m com barreiras
Eduardo de Deus (CT Maranhão-MA) - 110 m com barreiras
Gabriel Constantino (Equipe Medex-RJ) - 110 m com barreiras
Alison dos Santos (Pinheiros-SP) - 400 m com barreiras
Mahau Suguimati (SPFC-SP) - 400 m com barreiras
Fernando Ferreira (IEMA-SP) - salto em altura
Thiago Moura (Asufam-SP) - salto em altura
Samory Uiki (Sogipa-RS) - salto em distância
Almir dos Santos (Sogipa-RS) - salto triplo
Alexsandro Melo (CT Maranhão-MA) - salto triplo
Thiago Braz - salto com vara
Augusto Dutra (Pinheiros-SP) - salto com vara
Darlan Romani (ABRA-SP) - arremesso do peso
Welington Morais (Pinheiros-SP) - arremesso do peso
Willian Dourado (UCA-SC) - peso
Daniel do Nascimento (ANR/Ijuí/Unimed-RS) - maratona
José Márcio Leão (ADC Alto do Ipiranga-PE) - maratona
Paulo Roberto Paula (SPFC-SP) - maratona
Caio Bonfim (CASO-DF) - 20 km e 35 km marcha atlética
Matheus Correa (AABLU-SC) - 20 km marcha atlética
Lucas Mazzo (CASO-DF) - 20 km marcha atlética