PUBLICIDADE
Topo

Olhar Olímpico

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Rafaela é bronze e volta ao pódio de Grand Slam após suspensão

Rafaela Silva vence medalha de bronze na Geórgia - Gabriela Sabau/IJF
Rafaela Silva vence medalha de bronze na Geórgia Imagem: Gabriela Sabau/IJF
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

03/06/2022 12h43

Rafaela Silva conquistou nesta sexta-feira (3) seu mais importante resultado em mais de mais dois anos e meio. A brasileira, hoje atleta do Flamengo, faturou a medalha de bronze no Grand Slam de Tbilissi, na Geórgia, na categoria até 57kg. O torneio vai até domingo.

Depois de cumprir dois anos de suspensão por doping, Rafaela voltou às competições no fim do ano passado e até já havia subido ao pódio de evento do circuito mundial, o Grand Prix de Portugal, em janeiro, mas esse evento tem menor valor no ranking. No circuito, o Grand Slam só é menos relevante que o Mundial e o Masters.

Buscando subir rápido no ranking mundial, para ter chaves melhores, Rafaela já havia ido a quatro etapas de Grand Slam, ficando em quinto em Tel Aviv. No Campeonato Pan-Americano, também muito importante para o ranking, ela perdeu para a brasileira Jéssica Lima, com quem promete uma disputa acirrada por uma vaga olímpica.

No último evento antes de a corrida por Paris de fato começar, na Geórgia, Rafaela venceu Leyla Umidova, do Tadjiquistão, e perdeu na segunda luta para Mimi Huh, da Coreia do Sul. Como o evento conta com poucos atletas, ela já foi direto para a repescagem, onde superou Sevara Nishanbayeva, do Cazaquistão, e a francesa Priscilla Gneto, oitava do ranking. Das demais, só a cazaque aparece no ranking, em 41º lugar.

Número 18 do ranking mundial, Rafaela deve subir na listagem, abrindo vantagem para Jessica Lima, de 24 anos, que aparece na 20ª posição após participar de apenas quatro torneios. Para o ranking olímpico valem, com peso de 50%, os melhores resultados das próximas 52 semanas, e com peso 100% as campanhas do meio do ano que vem até Paris.

Em Tbilissi, Amanda Lima ficou na quinta colocação na categoria até 48kg, por um vacilo — errou uma pegada e encaixou uma chave de braço na rival, golpe ilegal, sendo desclassificada da disputa pelo bronze. Entre os homens, William Lima, da até 66kg, perdeu do georgiano Vazha Margvelashvili, quarto do mundo, no confronto que valia o bronze. Ele está em 13º do ranking e deve entrar no grupo dos 10 primeiros.