PUBLICIDADE
Topo

Olhar Olímpico

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Bia Ferreira atropela italiana e está na final do Mundial de Boxe

Beatriz Ferreira está na semifinal do Mundial de Boxe - Divulgação/IBA
Beatriz Ferreira está na semifinal do Mundial de Boxe Imagem: Divulgação/IBA
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

18/05/2022 13h28

Beatriz Ferreira está na final de mais uma grande competição. A brasileira, que luta na categoria até 60kg, passou como um trator sobre a italiana Alessia Mesiano, nesta quarta-feira (18), na semifinal do Campeonato Mundial, e se classificou para a disputa do ouro em Istambul, na Turquia.

Com isso, ela garante ao menos a medalha de prata na competição. O Brasil já ganhou um bronze no Mundial, com Caroline Almeida, a Naka da categoria até 52kg, que perdeu hoje a luta semifinal contra Zareem Nikhat, da Índia, por decisão unânime. A pernambucana luta em categoria não olímpica — em Paris, as subdivisões mais próximas serão até 50kg e até 54kg. O pódio é o primeiro dela em grandes competições.

Para Bia, a medalha não é nenhuma novidade. Ela foi campeã mundial em 2019, chegou como uma das favoritas nos Jogos Olímpicos de Tóquio, e voltou do Japão com uma prata. Em Istambul, está mostrando que segue entre as melhores do mundo, com vitórias por unanimidade sobre uma mongol, uma chilena, e uma sérvia, sem perder nenhum round.

Diante de Alessia Mesiano, Bia teve enorme vantagem. Todos os cinco árbitros viram vitória da brasileira em todos os três rounds. Na final, no sábado, ela vai enfrentar a norte-americana Rashida Elis, que venceu bem a kosovar Dojeta Sodiku. Elis é velha freguesa de Bia, tendo perdido as semifinais do Mundial e do Pan, ambos em 2019.