PUBLICIDADE
Topo

Olhar Olímpico

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

NBB tem times com 4 jogadores em quadra, mas pausa por covid é improvável

Marquinhos, jogador de basquete do São Paulo - Rubens Chiri/São Paulo
Marquinhos, jogador de basquete do São Paulo Imagem: Rubens Chiri/São Paulo
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

11/01/2022 04h00

Uma onda fortíssima de covid está atingindo boa parte do mundo, o Brasil inteiro, e o esporte não está protegido. Na Superliga de Vôlei, quase todos os jogos marcados para as duas primeiras semanas do ano sofreram adiamento por causa de surtos nas equipes. Mas, no NBB, as partidas têm sido mantidas, mesmo com elencos bastante desfalcados.

Ontem (10), o São Paulo visitou o Rio Claro, que já havia perdido dois jogos por WO por falta de atletas, com apenas seis jogadores à disposição. Dois deles foram excluídos por cinco faltas e o time paulistano jogou parte da prorrogação com somente quatro atletas em quadra e, apesar de ser um dos candidatos ao título, perdeu para um rival da parte de baixo da tabela.

A situação, atípica no esporte, não é inédita neste NBB. Na semana passada, o Paulistano levou só sete atletas para enfrentar o Bauru e, também por exclusões, terminou o jogo com quatro jogadores em quadra. Depois, no domingo, foi o Bauru que enfrentou o Minas tendo apenas sete jogadores à disposição. Por causa de um surto de covid, o Rio Claro deu WO contra a Unifacisa e contra o Fortaleza/Basquete Cearense, na semana passada.

Segundo maior pontuador da história da liga, Marquinhos, agora no São Paulo, usou as redes sociais para reclamar antes mesmo da partida diante do Rio Claro. "Após vários times, inclusive o nosso, terem diversos jogadores afastados por testarem positivo para o covid, prejudicando o espetáculo como um todo, não seria o momento de a LNB (Liga Nacional de Basquete) avaliar uma pausa no campeonato, pensando na preservação dos atletas e de todas as pessoas envolvidas nas pessoas e nas viagens?", questionou.

Bruno Caboclo, colega de Marquinhos no São Paulo e afastado por covid, sugeriu uma solução: "Contrato de 10 dias no NBB", postou no Instagram.

Apesar disso, a possibilidade de a sugestão de Marquinhos ser adotada pela liga é baixa. Até aqui, apesar dos desfalques e dos dois WO's do Rio Claro, nenhum clube propôs isso. A associação de jogadores, que também tem voz no conselho, não havia iniciado essa discussão ao menos até o meio da tarde de ontem.

Ainda assim, o tema estará em pauta na próxima reunião da LNB, na quinta-feira (13), quando clubes e jogadores serão convidados a opinar. Para reduzir a chance de WO, a liga já abriu mão da regra que exige no mínimo 10 atletas na súmula, e reduziu de 10 para sete dias o período obrigatório de quarentena para quem testa positivo. Há a possibilidade de esse número ser reduzido ainda mais, para cinco.

Diferentemente da Superliga de Vôlei, que tem no regulamento a possibilidade de um clube solicitar o adiamento de uma partida caso demonstre, por exames, ter quatro desfalques causados pela covid, os clubes do NBB, no início da temporada, optaram por, em casos assim, manter o calendário e decretar WO do time incapaz de jogar. A liga de basquete, contudo, tem um protocolo bem mais rígido de testagem, com obrigatoriedade de teste no dia do jogo. Na Superliga, atletas com duas doses de vacina não precisam ser testados nunca.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do que foi publicado, o São Paulo visitou o Rio Claro, e não recebeu o time do interior paulista. O erro foi corrigido.