PUBLICIDADE
Topo

Olhar Olímpico

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Nory fica fora da final e perde chance de tentar bicampeonato mundial

Não teve uma boa participação nas eliminatórias da barra fixa no Mundial de Ginástica - Gaspar Nobrega/ COB
Não teve uma boa participação nas eliminatórias da barra fixa no Mundial de Ginástica Imagem: Gaspar Nobrega/ COB
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

19/10/2021 23h17Atualizada em 19/10/2021 23h44

Campeão mundial em 2019 na barra fixa, Arthur Nory está fora da disputa para repetir o feito. Ele fez uma apresentação aquém do seu melhor nas eliminatórias do Campeonato Mundial, hoje (19), e não conseguiu vaga na final do evento, que está sendo disputado em Kitakyushu, no Japão. Caio Souza deve se classificar para a final do individual geral.

Antes que metade dos competidores tivessem se apresentado, por volta das 23h desta terça-feira (19) no Brasil, manhã de quarta-feira no Japão, Nory já era o 14º colocado na barra fixa, fora da zona de classificação para a final, que vai reunir os oito melhores colocados nas eliminatórias. Com nota 13,766, o brasileiro ficou a cerca de meio ponto do que deve ser a nota de corte para a final.

Por uma decisão polêmica da comissão técnica, o Brasil não levou a cota máxima de seis ginastas no masculino para o Mundial, nem fez como outras equipes importantes e aproveitou a competição, esvaziada, para testar novos atletas. Inicialmente, foram convocados três ginastas, mas Luis Porto acabou cortado por opção da comissão técnica, que mudou de ideia depois de tê-lo convocado a partir de uma seletiva online.

Para os técnicos do Brasil, só valia a pena levar ao Japão atletas em condições de, no mínimo, fazer final. Mas é possível que o país não dispute nenhuma final de aparelho. A maior chance é com Caio Souza nas argolas. Por enquanto, ele está em quarto, atrás de dois chineses e um russo. Mas países com tradição como Grã-Bretanha e EUA ainda vão competir.

Finalista no salto na Olimpíada de Tóquio, Caio aparece na sétima posição neste aparelho antes de as eliminatórias chegarem à metade. Ou seja: ele muito dificilmente irá à final. A situação é a mesma nas barras paralelas. No individual geral, o brasileiro deve se classificar para a final apesar de uma apresentação muito ruim no cavalo com alças. Ele somou 80,958 pontos.