PUBLICIDADE
Topo

Olhar Olímpico

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Marido é preso por assassinato brutal de corredora olímpica do Quênia

Agnes Jebet Tirop, corredora de 25 anos, foi encontrada morta dentro de sua casa no Quênia - Reprodução/Twitter
Agnes Jebet Tirop, corredora de 25 anos, foi encontrada morta dentro de sua casa no Quênia Imagem: Reprodução/Twitter
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

15/10/2021 11h57

A polícia do Quênia efetuou a prisão de Ibrahim Rotich como principal suspeito pela morte brutal de Agnes Tirop, corredora duas vezes medalhista em Mundiais de Atletismo e quinta colocada na prova dos 5.000m nas Olimpíadas de Tóquio. Ela era esposa dele.

O departamento de investigações criminais do Quênia informou que Rotich foi preso Changamwe, quase na divisa com a Tanzânia, para onde pretendia fugir, segundo a polícia. No Twitter, o órgão informou que o suspeito havia se envolvido em um incidente de trânsito mais cedo, colidindo com um caminhão, enquanto tentava escapar.

Tirop, que tinha 25 anos, foi encontrada morta em sua casa, perto da cidade de Iten, no condado de Elgeyo Marakwet, na quarta-feira (13), depois de a família dar queixa do desaparecimento dela. A polícia a achou na própria cama, morta, com um ferimento a faca na altura do pescoço.

De acordo com relatos publicados na imprensa local do Quênia, o casal vinha tendo problemas conjugais e Tirop estava dormindo em um centro de treinamento. Suspeita-se que ela tenha voltado para a casa onde morava com o marido para buscar seus pertences. Antes de fugir, Rotich ligou para os pais dela e pediu desculpas, sem afirmar que havia matado a corredora.

Em 2015, Tirop foi campeã mundial de cross country, prova de corrida disputada em terreno aberto. Ao migrar para as provas de pista, foi bronze nos 10.000m nos Mundiais de 2017, em Londres, e 2019, em Doha. Em Tóquio, correu os 5.000m, ficando com o quarto lugar. Há duas semanas ela havia batido o recorde mundial dos 10km, prova disputada em rua.