PUBLICIDADE
Topo

Olhar Olímpico

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Calderano é ouro em Doha e fatura maior título do tênis de mesa do Brasil

Hugo Calderano é campeão em Doha - Divulgação/ITTF
Hugo Calderano é campeão em Doha Imagem: Divulgação/ITTF
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

25/09/2021 11h21

Hugo Calderano conquistou hoje (25) o título mais relevante da história do tênis de mesa do Brasil. O jogador de 25 anos sagrou-se campeão do WTT Star Contender de Doha, etapa do Circuito Mundial disputada no Qatar. Na final, ele venceu Darko Jorgic, da Eslovênia, por 4 sets a 2.

Por conta da pandemia, o circuito mundial da modalidade teve seu calendário reduzido na temporada passada e nesta atual, com o Star Contender de Doha sendo um dos principais eventos. Em uma comparação com o tênis, é como se Hugo Calderano tivesse vencido um Masters 1.000 hoje.

No caminho para o título, o brasileiro venceu cinco partidas. Passou pelo paraguaio Marcelo Aguirre (65º do ranking, por 3 a 0), o coreano Jonghoon Lim (75º, 3 a 1), o francês Simon Gauzy (19º, 3 a 1), o inglês Liam Pitchford (15º, 4 a 1) e, enfim, Jorgic, que é o número 25 do mundo. Calderano é o atual oitavo colocado. Dos sete que estão à frente dele no ranking, só o alemão Ovtcharov, sétimo, jogou o torneio.

Apesar da carreira que já o consolidou há tempos como o melhor mesa-tenista da história do Brasil, Calderano ainda não tinha um título deste porte. Até então, seus dois únicos ouros em simples no circuito haviam sido no Brasil, em 2013 e 2017, em um torneio aberto (de menor expressão). Na primeira dessas conquistas se tornou o mais jovem vencedor de uma etapa até então.

No currículo, ele também tem medalhas de prata nos abertos do Qatar, de 2018, e da Áustria, 2016, além de bronzes em eventos inclusive de maior expressão, como o ITTF World Tour Grand Finals de 2018. Calderano também coleciona quatro medalhas de ouro em Jogos Pan-Americanos, sendo duas em simples, uma em duplas masculinas e outra por equipes.