PUBLICIDADE
Topo

Olhar Olímpico

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Etiene Medeiros opera o joelho após nadar Olimpíadas machucada

Etiene Medeiros no aquecimento da seletiva olímpica - Satiro Sodré/SSPress/CBDA
Etiene Medeiros no aquecimento da seletiva olímpica Imagem: Satiro Sodré/SSPress/CBDA
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

15/09/2021 10h13

Etiene Medeiros foi submetida na segunda-feira (13), em São Paulo, a uma cirurgia no ligamento cruzado anterior do joelho direito, considerada uma das que demanda maior tempo de recuperação no esporte. A nadadora, dona das mais expressivas conquistas da natação feminina do Brasil, sofreu a lesão antes da Olimpíada e foi a Tóquio sem condições físicas de entregar o seu melhor.

Como revelou o UOL Esporte, Etiene se machucou quando a seleção já estava na Europa, onde realizou a aclimatação antes de viajar até o Japão. A lesão ocorreu em uma queda passeando de patinete, no período em que ela disputava o Troféu Sette Colli, em Roma, na Itália.

A nadadora foi operada em São Paulo na segunda-feira de manhã, no BP Mirante, em cirurgia comandada pelo médico Caio Delia. Depois de uma noite no hospital, recebeu alta. Pelo próximo mês, ela fica em São Paulo fazendo fisioterapia sem nem poder entrar na água. Na sequência, fará esse retorno às piscinas aos poucos. Se tudo correr bem, ela deverá poder voltar a competir entre fevereiro e março.

Há dois meses, mesmo sem condições de entregar um bom resultado, ela foi mantida na convocação olímpica pela Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA). Na época, nem Etiene nem a CBDA, tampouco o Comitê Olímpico do Brasil (COB), informaram sobre a situação. Por conta da lesão, a pernambucana precisou inclusive mudar a perna de apoio para a largada.

Machucada, Etiene fez o quinto pior tempo das eliminatórias do revezamento 4x100m livre entre todas as 60 participantes. Nos 50m livre, a pernambucana fez o 29º tempo das eliminatórias dos 50m livre, 25s45, e ficou longe de uma vaga na semifinal. Na Rio-2016 ela havia sido finalista nessa prova.

Depois, ela já não participou do Troféu José Finkel, disputado em agosto, classificatório para o Mundial de Piscina Curta, que vai acontecer no fim do ano em Abu Dhabi. Também não foi para a ISL, uma competição alternativa de natação que está sendo disputada na Itália. Exceto o Mundial, e a sequência de etapas da Copa do Mundo, em outubro, o próximo torneio relevante para a natação brasileira é o Troféu Brasil, em abril ou maio do ano que vem.