PUBLICIDADE
Topo

Olhar Olímpico

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Renan Dal Zotto tem alta hospitalar após 36 dias e já está em casa

Renan Dal Zotto - novo técnico da seleção masculina de vôlei - CBV/Divulgação
Renan Dal Zotto - novo técnico da seleção masculina de vôlei Imagem: CBV/Divulgação
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

21/05/2021 18h19

A Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) informou no começo da noite de hoje (21) que o técnico da seleção brasileira masculina de vôlei, Renan Dal Zotto, teve alta hospital nesta sexta-feira e já está em sua casa, no Rio de Janeiro. Mais cedo, em entrevista coletiva, o vice-presidente da entidade, Radamés Lattari, havia comentado que Renan deveria ter alta amanhã (22).

"Renan está bem, com a família, e seguirá fazendo fisioterapia respiratória e motora enquanto já acompanha, de maneira remota e dentro da limitação indicada, o dia a dia da seleção na disputa da Liga das Nações", explicou a CBV, destacando que o treinador ficou internado 36 dias por conta da covid.

Renan testou positivo para a covid em meados de abril, depois que Radamés já estava internado com a doença em um hospital do Rio de Janeiro. Os dois estiveram juntos no Centro de Desenvolvimento do Vôlei (CDV), em Saquarema (RJ), uma semana antes, quando a estrutura recebia, ao mesmo tempo, a final da Superliga Feminina, os times que jogariam as semifinais da Superliga Masculina e as duas seleções adultas de vôlei de quadra.

Em Saquarema, os dois ocuparam, pelo que apurou o Olhar Olímpico, uma mesma edificação de três quartos onde costumam se hospedar os treinadores e os principais dirigentes da confederação. Foi nesse contexto que primeiro Radamés testou positivo, e, depois, Renan, que rapidamente precisou ser intubado. Menos de uma semana depois, o treinador foi extubado, ficou um dia sem o tubo, mas acabou precisando ser intubado de novo.

Durante a internação, ele precisou ser submetido a cateterismo em uma veia e uma artéria da região pélvica, uma vez que os exames de rotina identificaram coágulos sanguíneos na região de dois catéteres. Depois, no dia 5, passou por uma traqueostomia, que é a abertura de um orifício artificial no pescoço, por cirurgia, que liga a traqueia ao respirador mecânico.