PUBLICIDADE
Topo

Olhar Olímpico

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Cidades japonesas desistem da Olimpíada e EUA cancelam aclimatação

Pedestre caminha em frente a pôster da Olimpíada de Tóquio - Kim Kyung Hoon
Pedestre caminha em frente a pôster da Olimpíada de Tóquio Imagem: Kim Kyung Hoon
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

14/05/2021 18h46

Ao menos 40 cidades japonesas já abdicaram da possibilidade de receberem o período de aclimatação das equipes que viajarão ao Japão para os Jogos Olímpicos de Tóquio. Ao mesmo tempo, delegações estão desistindo de chegar mais cedo ao país sede da Olimpíada. É o caso do time que tende a ser o mais vitorioso de Tóquio-2020: o atletismo dos Estados Unidos.

"É uma pena que eles tenham decidido cancelar, mas acredito que eles tomaram a melhor decisão possível na atual situação", disse o governador de Chiba, Toshihito Kumagai, em comunicado. O time norte-americano tinha programado ficar na cidade, que é vizinha a Tóquio, antes de entrar na Vila Olímpica.

A repórteres, Kumagai indicou que os atletas não são prioridade para a cidade no momento. "A prefeitura de Chiba não está pensando em garantir os escassos leitos hospitalares para atletas e pessoas envolvidas nos Jogos Olímpicos de for modo a proibir nossos residentes de usá-los", afirmou.

Quando ainda não havia pandemia, prefeituras japonesas travaram uma disputa interna para fazerem parte da Olimpíada recebendo atletas e permitindo às populações locais terem contato com os Jogos. O judô brasileiro, por exemplo, fechou para fazer aclimatação em Hamamatsu. Pensando em Tóquio-2020, visitou a cidade em outras oportunidades e chegou a selecionar policias e estudantes que poderiam participar dos treinamentos como sparrings.

Com a pandemia e o medo do contato entre visitantes estrangeiros e a comunidade local, várias cidades já deram para trás. De acordo com a imprensa japonesa, 40 das 500 cidades registradas para receber atletas cancelaram a inscrição. Um exemplo conhecido é de Okuizumo, que retirou o convite feito para hospedar a seleção de hóquei sobre a grama da Índia. Por enquanto a onda de desistências não atingiu o Time Brasil.