PUBLICIDADE
Topo

Olhar Olímpico

Dirigente da natação desiste de reeleição após acusação de assédio sexual

Vitor Hugo Lopes Façanha, conhecido como "Botinho", é acusado de abuso sexual - Divulgação
Vitor Hugo Lopes Façanha, conhecido como "Botinho", é acusado de abuso sexual Imagem: Divulgação
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

22/12/2020 17h19

Vitor Hugo Lopes Façanha, presidente da Federação Amazonense de Desportos Aquáticos (Fada), aceitou o conselho de amigos e desistiu de se reeleger no cargo. No sábado (19), reportagem da CNN mostrou que ex-nadadoras amazonenses acusam o dirigente, conhecido como "Botinho", de abuso e assédio sexual. Segundo a matéria, as jovens eram treinadas por Façanha em um colégio, o Centro Educacional La Salle, e na Vila Olímpica de Manaus.

Botinha teria tocado em partes íntimas das vítimas, pressionado uma delas na parede para tentar um beijo a força, além do assédio para que enviassem fotos íntimas e convites para que as jovens fossem até a casa do treinador para relações sexuais. Uma das vítimas está movendo um processo contra Façanha, que corre em segredo de Justiça.

Das 21 atletas que foram contatadas pela reportagem, 10 negaram qualquer atitude fora do comum do treinador. As demais compartilharam histórias que ocorreram quando tinham faixa etária semelhante - de 11 a 17 anos. Os episódios não eram compartilhados nem mesmo entre as atletas. Pais e familiares só souberam dos abusos quando os primeiros episódios vieram à tona em 2018.

Hoje (22), três dias depois da reportagem, Botinho anunciou que vai deixar o cargo de presidente da Fada. Ele era candidato único na eleição que estava marcada para a semana que vem. "Venho por meio deste comunicar a diretoria desta instituição e aos clubes filiados a minha desistência a reeleição da Fada para o quadriênio 2021/2024. Com isso, fica cancelada a Assembleia Geral Eletiva marcada para o dia 29 de dezembro de 2020", ele informou.

À CNN, Vitor Hugo Lopes Façanha negou todas as acusações de assédio. Em sua defesa, ele disse que tem 43 anos de "borda de piscina", "treinou mais de dois mil atletas" e que só teve problema com uma única nadadora. Ele nega qualquer tipo de relacionamento que fugisse à relação professor-aluna.