PUBLICIDADE
Topo

Presidente de confederação tem positivo de Covid após jantar com candidato

Mauro Silva, presidente da Confederação Brasileira de Boxe - Instagram/@cbboxe
Mauro Silva, presidente da Confederação Brasileira de Boxe Imagem: Instagram/@cbboxe
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

07/10/2020 10h42

Dezesseis presidentes de confederação participaram, ontem (6) à noite, de um jantar promovido por Paulo Wanderley e por Marco La Porta para os seus aliados na eleição do Comitê Olímpico do Brasil (COB) que está ocorrendo agora. Depois do encontro, um deles testou positivo para a Covid-19 e está agora isolado. Os demais participam normalmente da assembleia.

Mauro Silva, a Confederação Brasileira de Boxe (COB), está em um quarto de hotel onde estão hospedados os presidentes de confederação, no Rio, o mesmo em que acontece a votação. Ele sentou-se ao lado de Marco La Porta, presidente em exercício do COB. Só depois do jantar é que ele soube do resultado positivo. Segundo Mauro, usou máscara o tempo todo.

Ao Olhar Olímpico, Mauro contou que chegou ao Rio, ontem à tarde, com dor de cabeça e tossindo muito. Achou que fosse rinite, que ele tem todo ano. Atendido pelos médicos do COB, optou por seguir as recomendações e fazer teste para Covid, que só ficou pronto depois do jantar.

Entre os participantes do encontro estavam diversos dirigentes com mais de 60 anos, no grupo de risco. Inclusive Paulo Wanderley, que tem 70 anos. Por estar isolado, Mauro não vai votar na eleição do COB, sendo substituído pelo vice, que voou para o Rio a tempo.

O COB contratou uma equipe de testagem para ficar de prontidão no hotel, mas não houve testagem sistemática. Apenas se alguém se sentisse doente, como aconteceu com Mauro. Mesmo ele tendo tido contato direto ou indireto com a maioria dos participantes, só ele foi impedido de participar da reunião. Os demais estão no encontro, sentados em cadeiras simples afastada cerca de dois metros umas das outras.

A Confederação Brasileira de Handebol (CBHb), que vive disputa por poder, não participa da votação, ainda que um advogado representando Ricardo Souza esteja no Rio de Janeiro.