PUBLICIDADE
Topo

Olhar Olímpico

Comissão de atletas promete lutar para proibir atletas do vôlei de opinarem

Talita e Carol Solberg - Divulgação
Talita e Carol Solberg Imagem: Divulgação
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

21/09/2020 12h15

A Comissão de Atletas do vôlei de praia, órgão representativo dos jogadores desta modalidade na Confederação Brasileira de Vôlei (CBV), saiu em defesa da postura da entidade no caso relacionado ao "fora, Bolsonaro" de Carol Solberg. Em nota no noite de ontem (21), a comissão, liderada pelo campeão olímpico Emanuel Rego, defendeu a proibição para que atletas opinem politicamente.

"A Comissão Nacional de Atletas de Vôlei de Praia não é favorável a nenhum tipo de manifestação de cunho político em competições esportivas. Por isso, lamenta o ato realizado pela atleta Carol Solberg neste domingo e lutaremos ao máximo para que este tipo de situação não aconteça novamente", disse o grupo, indo na contramão de um movimento que defende o fim da regra da Carta Olímpica que proíbe esse tipo de manifestação.

O presidente da comissão do vôlei de praia é Emanuel Rego, candidato a vice-presidente do Comitê Olímpico do Brasil na chapa com Rafael Westrupp. A dupla defende ampliar a voz dos atletas dentro do COB. Emanuel foi embaixador do Banco do Brasil, depois de se aposentar, firmando contrato de R$ 181 mil por 12 meses — o acordo foi rompido dois meses depois, no início de 2019, para ele assumir cargo no governo Jair Bolsonaro (sem partido)

A Confederação Brasileira de Vôlei (CBV), que ontem soltou dura nota criticando Carol Solberg pelo "fora, Bolsonaro", já anunciou que vai votar na chapa de Emanuel nas eleições do próximo dia 7 de outubro. Ao explicar a decisão, a entidade se disse alinhada com o ex-jogador.

"Nesse momento tão importante para o esporte, (a CBV) não poderia deixar de apoiar o atleta brasileiro mais vitorioso na história do vôlei de praia mundial, o qual sempre representou a nossa modalidade da melhor forma possível, tendo suas ações pautadas, principalmente, com ética, competência e transparência", explicou.

+ Acompanhe o que mais importante acontece no esporte olímpico pelos perfis do Olhar Olímpico no Twitter e no Instagram. Segue lá! +