PUBLICIDADE
Topo

Confederação de tênis faz eleição a toque de caixa para reeleger presidente

Westrupp_Floripa_FranciscoMedeiros_blog -
Westrupp_Floripa_FranciscoMedeiros_blog
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

11/08/2020 04h00

*Post atualizado às 14h15 com a confirmação da chapa

A Confederação Brasileira de Tênis está realizando um processo eleitoral a toque de caixa. Na terça (4) uma assembleia extraordinária aprovou alteração de estatuto e, menos de 24 horas depois, uma convocação de eleição já estava publicada em jornal, baseada no estatuto registrado também às pressas. A votação vai acontecer no próximo sábado (15), no prazo mínimo regulamentar, em votação aberta em chamada de vídeo. Cada eleitor deve falar seu voto em voz alta. Até esta alteração, a votação era secreta.

O catarinense Rafael Westrupp, que tem mandato até abril de 2021, é candidato à reeleição e não terá oposição. Das 27 federações, 26 o apoiam. No sábado, será aclamado presidente para mais um mandato, que, se tudo der certo, ele não irá cumprir. É que, com a reeleição garantida, ele deverá se candidatar na eleição do Comitê Olímpico do Brasil (COB), onde tentará a presidência, com boas chances. Se trocar a CBT pelo COB, deixa o comando da confederação para o potiguar Aristides Barcellos, que é o primeiro vice-presidente na sua chapa. Jesus Tajra será o segundo vice.

Como comparação, no COB, o chamamento eleitoral foi feito há duas semanas, as inscrições de chapas começaram ontem (10) e vão durar quatro semanas. Depois, serão mais dois meses e meio de campanha. Na CBT, todo o processo durou 11 dias, incluindo uma assembleia extraordinária para alterar o estatuto.

De acordo com duas pessoas que participaram da assembleia da última terça (4), Westrupp explicou que a antecipação do processo eleitoral, faltando nove meses para o final do mandato, era uma exigência do seu principal patrocinador. O Banco de Brasília (BRB), estatal, que tem contrato com a CBT até o final de 2020, nega. Ao blog, disse que "não interfere na gestão e não comenta assuntos internos dos seus patrocinados". A confederação também negou à reportagem a versão dada na assembleia: "A eleição não tem qualquer relação específica com o patrocinador BRB", disse.

De acordo com a confederação, porém, a antecipação da eleição é uma mensagem ao mercado. "Acreditamos que esta definição sobre o futuro é importante para o planejamento em relação à renovação com todos os patrocinadores e parceiros técnicos e institucionais, para a manutenção dos patrocínios atuais e para a prospecção de novos investidores, que encontrarão na CBT uma entidade unida, transparente, saneada financeiramente e estável politicamente", comentou a CBT.

De fato a modalidade está unida. A alteração do estatuto para que a eleição ocorresse a toque de caixa foi aprovada por unanimidade na assembleia da semana passada, de acordo com a CBT. Têm direito a voto as 27 federações e 13 representantes dos atletas. O presidente da comissão, João Menezes, da federação catarinense como Westrupp, foi enviado ontem (10) pela CBT e pelo COB para treinar em Portugal. Os atletas também endossam a candidatura a reeleição do presidente.

Rafael Westrupp foi aclamado presidente da CBT em julho de 2016, apoiado pelo seu antecessor, Jorge Lacerda, que depois seria condenado à prisão por, no entender da Justiça, desviar valores de um projeto da Lei de Incentivo ao Esporte. Ele logo passou a tocar o dia a dia da confederação, ainda que oficialmente só tenha tomado posse em abril de 2017.

Cara nova no movimento olímpico, Westrupp foi abraçado por Paulo Wanderley no início do mandato deste, no final de 2017. Em 2018, com apoio do presidente do COB, foi eleito como candidato único a uma vaga no Conselho de Administração. Deixou o posto no início deste ano, dentro do prazo para poder concorrer a outros cargos na eleição do COB, que vai acontecer em novembro. Na ocasião, sua saída foi explicada como sendo para tentar iniciar uma carreira na política internacional do tênis. Agora se sabe, porém, que ele pretende concorrer contra Paulo Wanderley pela presidência do comitê.