PUBLICIDADE
Topo

Stand up paddle: o esporte que não sabe o que é, nem após processo judicial

Mundial de SUP da federação de surfe - Pablo Jimenez/ISA/divulgação
Mundial de SUP da federação de surfe Imagem: Pablo Jimenez/ISA/divulgação
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

06/08/2020 16h09

Stand up paddle consiste, em basicamente, ficar em cima de uma prancha e se deslocar utilizando um remo, seja para "surfar" uma onda, ou para participar de uma "corrida". Mas, até esta semana, havia uma grande discussão legal se isso significa que 'SUP' é surfe ou é canoagem. A Corte Arbitral do Esporte (CAS) decidiu: é as duas coisas.

A polêmica, que parece de botequim, na verdade envolve poder. É que na hierarquia da administração do esporte não há como a mesma modalidade ficar sob a custódia de duas federações internacionais distintas e criar uma nova atrasaria em muito tempo a entrada da modalidade no programa olímpico.

A Federação Internacional de Surfe (ISA) organiza eventos de SUP desde 2012, mas em 2017 a Federação Internacional de Canoagem (ICF) passou a reivindicar a modalidade para ela. A ISA reclamou, o Comitê Olímpico Internacional (COI) não quis se meter no assunto e, por isso, a questão chegou à Corte Arbitral do Esporte (CAS), localizada em Lausanne, na Suíça.

A decisão agradou mais a ISA, do surfe. É que a CAS decidiu que ambas as federações podem organizara campeonatos de SUP. O Mundial organizado pelo surfe é autêntico, como também é autêntico o Mundial organizado pela canoagem. Mas só uma das duas entidades pode pleitear, no futuro, a inclusão do SUP na Olimpíada. E essa federação é a de surfe.

Como o COI não quis se meter na briga entre duas federações que são suas afiliadas, a tendência é que o comitê aceite a decisão da CAS. Isso não significa, porém, que o SUP será olímpico. Apenas que, um dia, se o COI analisar a ideia de incluir a modalidade nos Jogos, será a partir de um pedido da ISA, que organizaria um eventual torneio olímpico.

No ano passado, o SUP estreou no programa dos Jogos Pan-Americanos como prova do surfe. Foram realizadas duas disputas masculinas e outras duas femininas, em SUP surfe (igual o surfe tradicional, mas em prancha de SUP e com remo) e SUP race (igual uma prova de canoagem velocidade, com largada e chegada, mas em pé na prancha). A brasileira Lena Guimarães foi ouro nesta última. Nicole Pacelli foi bronze no SUP surfe. No masculino, Vinnicus Martins ganhou prata na corrida.