PUBLICIDADE
Topo

Brasileirão Feminino volta a ter um patrocinador após dois anos

Corinthians festeja título do Brasileirão Feminino - Mauro Horita/CBF
Corinthians festeja título do Brasileirão Feminino Imagem: Mauro Horita/CBF
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

28/07/2020 19h20

O Brasileirão Feminino de Futebol voltará a ter um patrocinador depois de dois anos. Já patrocinador oficial das seleções brasileiras, o Guaraná Antárctica, marca da Ambev, fechou contrato de dois anos exclusivo para o torneio, que deverá ser retomado no final de agosto.

O anúncio foi feito em uma live na segunda-feira (27) à noite. "O primeiro patrocinador o Brasileirão Feminino é o Guaraná. Ano passado não tinha (patrocinador). Retrasado? Também não tinha. Vamos trabalhar. Eles vão ter direitos das placas, direitos da imagem da competição, fazer ativação nos intervalos", contou o diretor de marketing da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

Na verdade, porém, o Guaraná Antárctica não é o primeiro patrocinador do torneio. O Brasileirão Feminino só foi criado pela CBF em 2013 depois de movimentação do governo federal, que prometeu patrocínio a longo prazo da Caixa Econômica Federal. O banco estatal permaneceu como financiador do campeonato por cinco temporadas, investindo R$ 50 milhões no período.

O contrato acabou em 2018, no governo Michel Temer (MDB), e não foi renovado. A Sport Promotion, dona dos direitos do torneio, e a CBF, optaram por continuar organizando o Brasileirão Feminino em busca de patrocínios. Desde então e até agora, só a Uber apoiou a competição, na reta final da edição 2019, num pacote com o torneio de seleções também organizado pela Sport Promotion.

O futebol feminino vem crescendo no país nos últimos anos, com os principais clubes do futebol masculino criando também equipes femininas. Na temporada 2020 o Brasileirão conta com 16 equipes na Série A-1 e outras 24 na Série A-2. Os dois torneios foram paralisados por causa da pandemia.